Nem-nem

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Ore­la­tó­rio do Ba­ró­me­tro Imobiliário da APEMIP pa­ra o mês de de­zem­bro de 2017, es­pe­lha o pon­to de si­tu­a­ção da re­a­li­da­de imo­bi­liá­ria em Por­tu­gal. Se, por um la­do, re­al­ça as di­nâ­mi­cas do mer­ca­do de com­pra e ven­da, acen­tu­a­das na ce­le­ri­da­de com que se tran­sa­ci­o­nam imó­veis, por ou­tro acen­tua as pro­ble­má­ti­cas do mer­ca­do ha­bi­ta­ci­o­nal que se apre­sen­tam com os de­se­qui­lí­bri­os que exis­tem en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ur­ba­no e com os pre­ços ele­va­dos que se pra­ti­cam nos cen­tros das ci­da­des.

Atu­al­men­te, cer­ca de 80% dos imó­veis em Por­tu­gal tran­sa­ci­o­nam-se em me­nos de seis me­ses. Um nú­me­ro fa­bu­lo­so, so­bre­tu­do se ti­ver­mos em con­ta o que se pas­sa­va há uns dois ou três anos, qu­an­do as imo­bi­liá­ri­as ti­nham em car­tei­ra ati­vos du­ran­te qua­se dois anos. Do la­do do ar­ren­da­men­to, a ce­le­ri­da­de no es­co­a­men­to de stock é tam­bém de no­tar: me­nos de três me­ses, é o tem­po que um ati­vo es­tá no mer­ca­do até ser ocu­pa­do. No en­tan­to, qu­an­do olha­mos pa­ra a per­ce­ção da ofer­ta e da pro­cu­ra, a ver­da­de é que as imo­bi­liá­ri­as têm ca­da vez me­nos ati­vos dis­po­ní­veis no seg­men­to do ar­ren­da­men­to ur­ba­no, en­quan­to os cli­en­tes não têm pa­ra­do de au­men­tar.

Es­te de­sa­jus­te não é uma no­vi­da­de e não dei­xa de ser um re­fle­xo da ine­fi­cá­cia de res­pos­ta que o ar­ren­da­men­to dá as ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra. E não adi­an­ta cul­par o tu­ris­mo, o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro ou o alo­ja­men­to lo­cal pe­la es­cas­sez de ofer­ta. O pro­ble­ma es­tá na ine­xis­tên­cia der um mer­ca­do que se­ja atra­ti­vo pa­ra que os pro­pri­e­tá­ri­os ne­le quei­ram in­ves­tir. E nes­se as­pe­to, a cu­ra pa­ra es­ta do­en­ça já es­tá mais que iden­ti­fi­ca­da: in­cen­ti­vos. Há que dar in­cen­ti­vos, no­me­a­da­men­te fis­cais, pa­ra que os se­nho­ri­os co­lo­quem as su­as ca­sas a ar­ren­dar a pre­ços aces­sí­veis. Por­que o ar­ren­da­men­to não dei­xa de ser um ne­gó­cio, e co­mo tal, que que ser atra­ti­vo pa­ra quem ne­le in­ves­te.

O de­sa­fio do mer­ca­do imobiliário pa­ra es­te ano pren­de-se com a ine­xis­tên­cia de stock, tan­to pa­ra com­prar co­mo pa­ra ar­ren­dar, e que tem fei­to com que os pre­ços, em am­bos os seg­men­tos, es­te­jam aci­ma das ne­ces­si­da­des da ge­ne­ra­li­da­de das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas. Ca­mi­nha­mos pe­ri­go­sa­men­te pa­ra o fe­nó­me­no do “nem-nem”. Nem as fa­mí­li­as têm con­di­ções pa­ra com­prar, nem pa­ra ar­ren­dar.

Por um la­do, no mer­ca­do de com­pra e ven­da, os pre­ços co­me­çam a dei­xar de ser aces­sí­veis nos cen­tros das ci­da­des. Tam­bém as con­di­ções de aces­so ao cré­di­to à ha­bi­ta­ção são mais res­tri­ti­vas do que eram no pas­sa­do, e o Ban­co de Por­tu­gal tem vin­do a re­co­men­dar cau­te­las acres­ci­das ao sec­tor fi­nan­cei­ro. Por ou­tro la­do, no ar­ren­da­men­to, as leis de mer­ca­do di­tam os pre­ços que são pra­ti­ca­dos. Mui­ta pro­cu­ra e pou­ca ofer­ta faz com que os pre­ços au­men­tem, e as fa­mí­li­as e jo­vens vêm-se de re­pen­te sem op­ção.

O pa­no­ra­ma exi­ge o re­gres­so da cons­tru­ção no­va ao imobiliário. Uma cons­tru­ção pen­sa­da, res­pon­sá­vel, que te­nha em con­ta os cri­té­ri­os da pro­cu­ra e que sa­tis­fa­ça as ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas e do mer­ca­do. Im­põe-se tam­bém a ne­ces­si­da­de ur­gen­te do Es­ta­do in­ter­vir no que ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to diz res­pei­to, atra­vés da in­tro­du­ção de in­cen­ti­vos fis­cais aos se­nho­ri­os, da di­na­mi­za­ção de pro­gra­mas que pro­mo­vam a se­gu­ran­ça pa­ra quem in­ves­te e da pro­mo­ção de ações de es­tí­mu­lo ao mer­ca­do, le­va­das a ca­bo em con­jun­to com as au­tar­qui­as, que pos­sam sanar os de­se­qui­lí­bri­os exis­ten­tes.

O de­sa­fio do mer­ca­do imobiliário pa­ra es­te ano pren­de-se com a ine­xis­tên­cia de stock, tan­to pa­ra com­prar co­mo pa­ra ar­ren­dar

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.