O que o alo­ja­men­to lo­cal pre­ci­sa é de equi­lí­brio, não de tra­vões

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Ote­ma do alo­ja­men­to lo­cal tem cap­ta­do aten­ção me­diá­ti­ca, o que se com­pre­en­de in­tei­ra­men­te, uma vez que se tra­ta de um fe­nó­me­no no­vo, o que ga­nha ex­pres­são e es­tá a trans­for­mar, de for­ma vi­sí­vel, de­ter­mi­na­dos es­pa­ços das nos­sas prin­ci­pais ci­da­des. É cer­to que es­ta é, aci­ma de tu­do, uma ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca e, co­mo tal, não se com­pa­de­ce com in­de­fi­ni­ções, ce­ná­ri­os de in­cer­te­za ou, pi­or, lon­gos me­ses de in­de­ter­mi­na­ção cau­sa­dos por po­si­ções me­ra­men­te po­lí­ti­cas.

Co­mo dis­se, o Alo­ja­men­to Lo­cal é um fe­nó­me­no no­vo e, por is­so há que per­ce­ber exa­ta­men­te do que es­ta­mos a fa­lar. Des­de com­pa­ra­ções sem qual­quer ra­zão, com re­a­li­da­des que ain­da es­tão mui­to dis­tan­tes da nos­sa, co­mo é o ca­so de Bar­ce­lo­na ou de Ve­ne­za, até à ge­ne­ra­li­za­ção des­ta te­má­ti­ca a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, qu­an­do o que se pas­sa é pre­ci­sa­men­te o con­trá­rio, vai-se ou­vin­do de tu­do. A ver­da­de é que, há nú­me­ros que não po­dem ser ig­no­ra­dos. Co­mo, por exem­plo, a con­cen­tra­ção dos Alo­ja­men­tos Lo­cais nas ci­da­des do Por­to e de Lis­boa e no Al­gar­ve. Sen­do que es­te úl­ti­mo é res­pon­sá­vel por 41,2% do to­tal na­ci­o­nal. Ou se­ja, se dei­xar­mos de la­do es­tes três ca­sos par­ti­cu­la­res, es­ta­mos a fa­lar de 17.111 alo­ja­men­tos re­gis­ta­dos em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Tra­ta­se de 0,34% do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal.

A re­gu­la­ção é ne­ces­sá­ria e bem-vin­da. Sem­pre de­fen­de­mos uma vi­são es­tra­té­gi­ca e glo­bal pa­ra a ques­tão da ha­bi­ta­ção e, cla­ra­men­te, o Alo­ja­men­to Lo­cal é uma ver­ten­te a in­cluir nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Tal co­mo a ne­ces­si­da­de de di­na­mi­zar o ar­ren­da­men­to, de equi­li­brar a fis­ca­li­da­de ex­ces­si­va so­bre o pa­tri­mó­nio, de ga­ran­tir a me­lho­ria das con­di­ções de aces­so à ha­bi­ta­ção por par­te, em es­pe­ci­al, dos mais jo­vens e de fo­men­tar a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na e a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos nos­sos ter­ri­tó­ri­os. Mas é ne­ces­sá­rio is­so mes­mo, uma vi­são glo­bal e in­te­gra­da e bom sen­so e pon­de­ra­ção na al­tu­ra de le­gis­lar. É pre­ci­so re­co­nhe­cer que, fe­liz­men­te, as nos­sas ci­da­des são to­das di­fe­ren­tes umas das ou­tras. Os ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de, que não po­dem ser es­que­ci­dos, são mui­to di­fe­ren­tes dos cen­tros his­tó­ri­cos de ci­da­des co­mo Lis­boa e Por­to. E, mes­mo nes­sas ci­da­des, ain­da há mui­tas zo­nas de­gra­da­das e aban­do­na­das. E mui­tas po­pu­la­ções ca­ren­ci­a­das que pre­ci­sam de so­lu­ções es­pe­cí­fi­cas, que têm de ser as­su­mi­das pe­lo Es­ta­do.

E, co­mo to­dos sa­be­mos, equi­li­brar é mui­to di­fe­ren­te de tra­var. E re­gu­lar não é proi­bir. Por­tu­gal tem, no Ar­ren­da­men­to, um pés­si­mo exem­plo de co­mo uma má po­lí­ti­ca po­de des­truir to­da uma ci­da­de, por mais va­li­o­sa que se­ja. Por via do con­tri­bu­to po­si­ti­vo do Alo­ja­men­to Lo­cal, do in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, a de­gra­da­ção e o aban­do­no a que che­ga­ram cer­tas zo­nas dos cen­tros das nos­sas ci­da­des, pa­re­ce que es­tão a fi­car es­que­ci­dos. Mas não po­dem, e por dois mo­ti­vos evi­den­tes. Em pri­mei­ro lu­gar, por­que nin­guém quer vol­tar a es­se pas­sa­do. Em se­gun­do lu­gar, por­que, ape­sar da evo­lu­ção re­cen­te, ain­da há mui­tas ca­sas pa­ra re­a­bi­li­tar e de­vol­ver às ci­da­des. Por is­so, a ra­zo­a­bi­li­da­de exi­ge que a lei se fa­ça de equi­lí­bri­os.

Se o di­rei­to de pro­pri­e­da­de de­ve­rá ser ple­no, per­mi­tin­do-se que o le­gí­ti­mo pro­pri­e­tá­rio de uma fra­ção de um imó­vel lhe dê a uti­li­za­ção que pre­ten­da, des­de que ad­mi­ti­da por lei, por ou­tro la­do, se­rá de con­tra­ba­lan­çar es­ta pos­si­bi­li­da­de com o es­ta­be­le­ci­men­to de re­gras que, as­se­gu­ran­do-se o di­rei­to à in­for­ma­ção dos de­mais pro­pri­e­tá­ri­os, per­mi­tam sal­va­guar­dar o di­rei­to à se­gu­ran­ça, à tran­qui­li­da­de, ao con­for­to e ne­ces­si­da­des de ma­nu­ten­ção e con­ser­va­ção das par­tes e equi­pa­men­tos co­muns, de­cor­ren­tes da mai­or ro­ta­ti­vi­da­de de uti­li­za­do­res ve­ri­fi­ca­da nes­te ti­po de si­tu­a­ções. São es­tes equi­lí­bri­os que de­ve­rão ser dis­cu­ti­dos.

Pre­si­den­te da AICCOPN - As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.