Imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal re­gres­sa a Pa­ris

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

A sé­ti­ma edi­ção do Le Sa­lon de l’Im­mo­bi­li­er et du Tou­ris­me Por­tu­gais à Pa­ris de­cor­re­rá de 18 a 20 de Maio de 2018 no par­que de Exposições da Por­te de Ver­sail­les em Pa­ris. O SIPP re­sul­ta de uma ideia pen­sa­da des­de 2010 pe­la Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Fran­co Por­tu­gue­sa e te­ve a sua pri­mei­ra edi­ção em se­tem­bro de 2012. O con­tex­to do sec­tor per­mi­tiu que ações co­mo es­ta pu­des­sem con­tri­buir pa­ra uma in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do imo­bi­liá­rio por­tu­guês jun­to de uma po­pu­la­ção fran­ce­sa com von­ta­de de ex­pa­tri­a­ção e po­der de com­pra.

O pú­bli­co-al­vo do sa­lão in­clui a co­mu­ni­da­de lu­só­fo­na ra­di­ca­da em Fran­ça, par­ti­cu­la­res e em­pre­sá­ri­os, es­ti­ma­dos em mais de 2,5 mi­lhões de pes­so­as, das quais 45 mil em­pre­sá­ri­os; fran­ce­ses, par­ti­cu­la­res, in­te­res­sa­dos em in­ves­tir em imo­bi­liá­rio fo­ra de Fran­ça (com ên­fa­se nos se­ni­o­res, que re­pre­sen­tam um quar­to da po­pu­la­ção fran­ce­sa, e nos pro­fis­si­o­nais li­be­rais), bem co­mo fun­dos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio fran­ce­ses, es­ti­ma­dos em cer­ca de 40.

Re­cor­de- se que a sex­ta edi­ção re­ce­beu mais de 16 mil vi­si­tan­tes, dos quais 83% eram fran­ce­ses, 84% aci­ma dos 35 anos e 55% aci­ma dos 50 anos. Do to­tal, 25% eram re­for­ma­dos e 45% vi­si­tan­tes em­pre­sá­ri­os ou qua­dros su­pe­ri­o­res.

Por ou­tro la­do, se­gun­do a CCIFP, 82% dos vi­si­tan­tes es­tão in­te­res­sa­dos por vi­si­tar as di­fe­ren­tes re­giões por­tu­gue­sas (Lis­boa, Al­gar­ve, Por­to e Nor­te no to­po das pre­fe­rên­ci­as), sen­do que 46% vão ad­qui­rir no pra­zo de dois anos e 26% no pra­zo de seis me­ses (40% de mo­ra­di­as, 43% apar­ta­men­tos, 23% re­si­dên­cia prin­ci­pal e 15% in­ves­ti­men­to lo­ca­ti­vo).

Mon­tra pri­vi­le­gi­a­da

O sa­lão é já re­co­nhe­ci­do co­mo uma mon­tra pri­vi­le­gi­a­da do imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal em Fran­ça, ca­ti­van­do uma lar­ga fran­ja dos in­ves­ti­do­res fran­ce­ses e lu­so-des­cen­den­tes pa­ra a ofer­ta na­ci­o­nal. Des­ta for­ma, con­tri­bui pa­ra “a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do imo­bi­liá­rio por­tu­guês jun­to de uma po­pu­la­ção fran­ce­sa com von­ta­de de ex­pa­tri­a­ção e po­der de com­pra”.

De acor­do com Car­los Vi­nhas Pe­rei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Fran­co-Por­tu­gue­sa o mer­ca­do fran­có­fo­no as­su­me-se co­mo um dos mais im­por­tan­tes no ba­lan­ço das ven­das de imo­bi­liá­rio e tu­ris­mo re­si­den­ci­al por­tu­guês a es­tran­gei­ros. “Uma cam­pa­nha de co­mu­ni­ca­ção anu­al que to­ca 35 mi­lhões de fran­ce­ses tem de ser na­tu­ral­men­te im­por­tan­te e con­se­quen­te, par­ti­cu­lar­men­te qu­an­do a ação tem uma con­ti­nui­da­de de seis anos”, as­se­gu­ra Car­los Vi­nhas Pe­rei­ra.

Mas o pre­si­den­te da CCIFP acres­cen­ta igual­men­te “a im­por­tân­cia no que res­pei­ta a for­ma­ção e acon­se­lha­men­to dos ato­res por­tu­gue­ses, dos di­fe­ren­tes sec­to­res de ati­vi­da­de, em tra­ba­lhar com o mer­ca­do fran­cês”, des­ta­ca. O mes­mo res­pon­sá­vel sa­li­en­ta ain­da o in­cen­ti­vo de “re­giões e con­ce­lhos por­tu­gue­ses pou­co co­nhe­ci­dos do mer­ca­do fran­cês a pro­mo­ve­rem-se e ala­van­ca­rem in­ves­ti­men­to di­re­to es­tran­gei­ro. É um tra­ba­lho que é fei­to du­ran­te to­do o ano pe­la Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Fran­co-Por­tu­gue­sa e cu­jo co­ro­lá­rio é o SITPP”.

A pró­pria di­nâ­mi­ca do mer­ca­do por­tu­guês re­fle­te-se na or­ga­ni­za­ção do even­to. “A di­nâ­mi­ca atu­al do mer­ca­do re­sul­ta em gran­de par­te da quo­ta do in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro no to­tal das tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as em Por­tu­gal”, re­su­me Vi­nhas Pe­rei­ra. “O cres­ci­men­to do tu­ris­mo, o re­gi­me de alo­ja­men­to lo­cal co­lo­ca­do em vi­gor e as pla­ta­for­mas de ar­ren­da­men­to de cur­ta du­ra­ção po­ten­ci­a­ram es­te in­ves­ti­men­to”, afir­ma.

Um dos fac­to­res que mais pe­so tem na es­co­lha de Por­tu­gal co­mo des­ti­no de com­pra de imó­veis por par­te de in­ves­ti­do­res fran­ce­ses é a se­gu­ran­ça. Tra­ta-se as­sim de um bem não tan­gí­vel que Por­tu­gal con­quis­tou a ou­tros mer­ca­dos que eram pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra os fran­ce­ses, no­me­a­da­men­te o Nor­te de Áfri­ca, mas tam­bém, e ca­da vez mais, à pró­pria Fran­ça.

DR

Se­gu­ran­ça é um dos fa­to­res que mais pe­sa na es­co­lha de Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.