Ban­co de Por­tu­gal im­põe no­vos li­mi­tes aos cré­di­tos à ha­bi­ta­ção

A par­tir de 1 de ju­lho, as ins­ti­tui­ções de cré­di­to e so­ci­e­da­des fi­nan­cei­ras de­ve­rão ado­tar li­mi­tes mais aper­ta­dos na ava­li­a­ção de sol­va­bi­li­da­de dos cli­en­tes, no­me­a­da­men­te na con­ces­são de no­vos cré­di­tos à ha­bi­ta­ção.

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

O Ban­co de Por­tu­gal apro­vou, no fi­nal do mês de ja­nei­ro, uma re­co­men­da­ção que in­tro­duz “li­mi­tes a al­guns dos cri­té­ri­os usa­dos na ava­li­a­ção de sol­va­bi­li­da­de dos cli­en­tes”. Em cau­sa es­tão os con­tra­tos de cré­di­to à ha­bi­ta­ção, cré­di­tos com ga­ran­tia hi­po­te­cá­ria ou equi­va­len­te e cré­di­tos ao con­su­mo ce­le­bra­dos a par­tir de 1 de ju­lho de 2018. Es­ta me­di­da ma­cro­pru­den­ci­al es­ta­be­le­ce três ti­pos de li­mi­tes. As­sim, ao rá­cio en­tre o mon­tan­te do em­prés­ti­mo e o va­lor do imó­vel da­do em ga­ran­tia (LTV – lo­an-to-va­lue) é es­ta­be­le­ci­do um li­mi­te de 90% no ca­so de cré­di­tos pa­ra ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te, de 80% pa­ra cré­di­tos com ou­tras fi­na­li­da­des que não ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te, e de 100% pa­ra cré­di­tos pa­ra aqui­si­ção de imó­veis de­ti­dos pe­las ins­ti­tui­ções e pa­ra con­tra­tos de lo­ca­ção fi­nan­cei­ra imo­bi­liá­ria.

Aná­li­se de ta­xas de es­for­ço

O su­per­vi­sor ban­cá­rio re­co­men­da tam­bém a aná­li­se das ta­xas de es­for­ço de quem pe­de o em­prés­ti­mo, es­ta­be­le­cen­do um li­mi­te de 50% ao rá­cio en­tre o mon­tan­te da pres­ta­ção men­sal cal­cu­la­da com to­dos os em­prés­ti­mos do mu­tuá­rio e o seu ren­di­men­to (DSTI - debt ser­vi­ce-to-in­co­me). Mas há ex­ce­ções a es­te li­mi­te. Uma de­las é que até 20% do mon­tan­te to­tal de cré­di­tos con­ce­di­dos por ca­da ins­ti­tui­ção abran­gi­dos pe­la pre­sen­te me­di­da, em ca­da ano, po­de ser con­ce­di­do a mu­tuá­ri­os com DSTI até 60%. E até 5% do mon­tan­te to­tal de cré­di­tos con­ce­di­dos por ca­da ins­ti­tui­ção, em ca­da ano, po­de ul­tra­pas­sar os li­mi­tes pre­vis­tos ao DSTI.

Pa­ra o cál­cu­lo do DSTI, o Ban­co de Por­tu­gal re­co­men­da que as pres­ta­ções men­sais do no­vo con­tra­to de cré­di­to se­jam cal­cu­la­das as­su­min­do que são cons­tan­tes ao lon­go do pe­río­do de vi­gên­cia do con­tra­to e, no ca­so de con­tra­tos a ta­xa de ju­ro va­riá­vel e mis­ta, con­si­de­ran­do o im­pac­to de um au­men­to da ta­xa de ju­ro. Por ou­tro la­do, diz ain­da o Ban­co de Por­tu­gal, de­ve ain­da ser ti­da em con­ta uma re­du­ção do ren­di­men­to do mu­tuá­rio qu­an­do, no ter­mo pre­vis­to do con­tra­to, es­te te­nha mais de 70 anos de ida­de, a me­nos que, no mo­men­to da ava­li­a­ção da sol­va­bi­li­da­de, o mu­tuá­rio já se en­con­tre em si­tu­a­ção de re­for­ma.

Ma­tu­ri­da­de dos em­prés­ti­mos

Por úl­ti­mo, o Ban­co de Por­tu­gal re­ve­la pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à ma­tu­ri­da­de dos em­prés­ti­mos e re­co­men­da que não se­jam ce­le­bra­dos no­vos con­tra­tos de cré­di­to à ha­bi­ta­ção e cré­di­to com ga­ran­tia hi­po­te­cá­ria ou equi­va­len­te por mais de 40 anos, de for­ma a que, até fi­nal de 2022, a ma­tu­ri­da­de mé­dia se­ja de 30 anos.

Em co­mu­ni­ca­do, o su­per­vi­sor ban­cá­rio ex­pli­ca que es­tes li­mi­tes “de­vem ser ob­ser­va­dos em si­mul­tâ­neo”. Com es­ta me­di­da ma­cro­pru­den­ci­al, o Ban­co de Por­tu­gal pro­cu­ra ga­ran­tir que “as ins­ti­tui­ções de cré­di­to e as so­ci­e­da­des fi­nan­cei­ras não as­su­mem ris­cos ex­ces­si­vos na con­ces­são de no­vo cré­di­to e que os mu­tuá­ri­os têm aces­so a fi­nan­ci­a­men­to sus­ten­tá­vel”. Com efei­to, não pas­sam des­per­ce­bi­dos ao su­per­vi­sor ban­cá­rio os ris­cos ine­ren­tes ao con­tex­to eco­nó­mi­co atu­al, ca­rac­te­ri­za­do por “ta­xas de ju­ro em ní­veis his­to­ri­ca­men­te bai­xos, re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e su­bi­da nos pre­ços do imo­bi­liá­rio”, um “con­tex­to pro­pí­cio à re­du­ção adi­ci­o­nal do grau de res­tri­ti­vi­da­de dos cri­té­ri­os de con­ces­são de cré­di­to”, aler­ta o su­per­vi­sor.

Es­ta me­di­da ma­cro­pru­den­ci­al é ado­ta­da pe­lo Ban­co de Por­tu­gal sob a for­ma de Re­co­men­da­ção, ou se­ja, ten­do por ba­se o prin­cí­pio de “cum­pri­men­to ou ex­pli­ca­ção”. Quer is­to di­zer que as ins­ti­tui­ções vi­sa­das de­ve­rão cum­prir os li­mi­tes es­ta­be­le­ci­dos e, se não o fi­ze­rem, te­rão de jus­ti­fi­car a não ob­ser­vân­cia dos mes­mos, ca­ben­do ao su­per­vi­sor ban­cá­rio ava­li­ar a ade­qua­ção das jus­ti­fi­ca­ções apre­sen­ta­das. A re­co­men­da­ção do Ban­co de Por­tu­gal in­tro­duz li­mi­tes a al­guns dos cri­té­ri­os usa­dos na ava­li­a­ção de sol­va­bi­li­da­de dos cli­en­tes.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.