Con­do­mí­nio de lu­xo na Al­ta do Lu­mi­ar quer cap­tar in­ves­ti­men­to de €20 mi­lhões

Mil­len­nium bcp es­tá a pro­mo­ver a ven­da con­jun­ta de 23 apar­ta­men­tos no con­do­mí­nio Es­pa­ço Lu­mi­ar. Zo­na Nor­te de Lis­boa é área de ex­pan­são da pro­cu­ra re­si­den­ci­al

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

Na mi­ra da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Ban­co es­tão in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e tam­bém in­ter­na­ci­o­nais, que “pre­ten­dam in­ves­tir em ha­bi­ta­ção na ci­da­de de Lis­boa, quer pa­ra re­ven­da quer pa­ra co­lo­car no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to”, ex­pli­ca ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio, Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul des­ta área de ne­gó­cio. A es­tra­té­gia do Ban­co pas­sa pe­la ven­da agre­ga­da a um úni­co in­ves­ti­dor de 23 apar­ta­men­tos de ga­ma al­ta (nas ti­po­lo­gi­as T1, T2, T3 e T4, com áre­as en­tre os 120 m2 e os 280 m2) no con­do­mí­nio Es­pa­ço Lu­mi­ar, na Al­ta do Lu­mi­ar, em Lis­boa, por um va­lor que as­cen­de a €20 mi­lhões. Tra­ta-se de “uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­to”, de­fen­de es­te res­pon­sá­vel, já que “nas zo­nas mais cen­trais da ci­da­de a ofer­ta des­te ti­po de imó­vel é es­cas­sa ou até ine­xis­ten­te, fa­ce a uma pro­cu­ra bas­tan­te ex­pres­si­va”, pe­lo que es­ta “se­rá uma zo­na na­tu­ral de ex­pan­são da pro­cu­ra”.

Ape­sar do Cen­tro His­tó­ri­co e de zo­nas pri­me co­mo a ave­ni­da da Li­ber­da­de, Chi­a­do, Prín­ci­pe Re­al e Es­tre­la /La­pa con­ti­nu­a­rem a ser um fo­co im­por­tan­te dos com­pra­do­res, “a pro­cu­ra re­si­den­ci­al dei­xou de es­tar cen­tra­da ape­nas nes­tas zo­nas e pas­sou tam­bém a fo­car-se em zo­nas me­nos cen­trais”, con­fir­ma um re­la­tó­rio da con­sul­to­ra JLL, evi­den­ci­an­do pre­ci­sa­men­te a zo­na Nor­te de Lis­boa, além de to­do o ei­xo ri­bei­ri­nho oci­den­tal en­tre Be­lém e Al­cân­ta­ra, ou na zo­na mais ori­en­tal, o Be­a­to, co­mo os ter­ri­tó­ri­os de ex­pan­são que atu­al­men­te es­tão a atrair os com­pra­do­res. E não é ape­nas a ques­tão do pre­ço e os por­tu­gue­ses – que pre­ten­dem pro­du­tos com in­ves­ti­men­tos mé­di­os mais bai­xos - que es­tão a mo­ti­var es­ta ex­pan­são. Tam­bém os es­tran­gei­ros “são mo­ti­va­dos pe­lo mo­do de vi­da al­ter­na­ti­vo que es­tas zo­nas po­dem pro­por­ci­o­nar”, re­fe­re a mes­ma con­sul­to­ra. E nes­se as­pe­to, es­te pro­du­to tam­bém mar­ca pon­tos: “Os apar­ta­men­tos si­tu­am-se nu­ma zo­na no­bre com pro­xi­mi­da­de a em­ble­mas cul­tu- rais da ci­da­de co­mo o Mu­seu do Tra­je e al­guns pa­la­ce­tes”, diz Ra­mi­ro Go­mes. Tu­do is­to nu­ma zo­na re­si­den­ci­al con­so­li­da­da, “com pro­xi­mi­da­de de im­por­tan­tes zo­nas co­mer­ci­ais, co­mo é o ca­so do Cen­tro Co­mer­ci­al Co­lom­bo”, de hos­pi­tais ou es­co­las, além de es­tar “nu­ma lo­ca­li­za­ção cen­tral no que res­pei­ta aos aces­sos prin­ci­pais a Lis­boa, co­mo a se­gun­da cir­cu­lar ou o IP 7, e ape­nas a 3 km do ae­ro­por­to”, no­ta Ra­mi­ro Go­mes

Dis­po­ni­bi­li­da­de ime­di­a­ta

O fac­to de ser uma ofer­ta já con­cluí­da e pron­ta a ocu­par, dá uma van- ta­gem com­pe­ti­ti­va a es­te pro­du­to, num ce­ná­rio em que cer­ca de “90% das uni­da­des re­si­den­ci­ais atu­al­men­te cons­truí­das em Lis­boa são ven­di­dos em plan­ta”, de acor­do com uma aná­li­se da CBRE. Na ver­da­de, no­ta a con­sul­to­ra, “ape­sar do nú­me­ro de apar­ta­men­tos pa­ra ven­da com con­clu­são pre­vis­ta pa­ra 2018 ser mui­to su­pe­ri­or ao ve­ri­fi­ca­do em 2017 (se­rão cer­ca de 1.200 vs. 740 res­pe­ti­va­men­te), pou­cos se­rão aque­les que não es­ta­rão já ven­di­dos qu­an­do a obra es­ti­ver ter­mi­na­da”. Mas é pre­ci­so que a ex­pan­são da cons­tru­ção pa­ra fo­ra do cen­tro his- tó­ri­co tam­bém con­ti­nue a apos­tar em “pro­du­to de qua­li­da­de, com es­té­ti­ca e ame­ni­ti­es (tais co­mo jar­dim e pis­ci­na)“, diz a CBRE. Al­go que tam­bém jo­ga a fa­vor des­tes apar­ta­men­tos “com áre­as ge­ne­ro­sas, ele­va­da qua­li­da­de de cons­tru­ção, pri­va­ci­da­de e se­gu­ran­ça 24h”, que se dis­tin­guem pe­la “qua­li­da­de, re­ser­va e sos­se­go do con­do­mí­nio”. Par­que de es­ta­ci­o­na­men­to, um he­alth club, pis­ci­na in­te­ri­or e ex­te­ri­or, pér­gu­la, pa­vi­lhão de ca­ça e áre­as ajar­di­na­das são va­lên­ci­as des­te con­do­mí­nio, on­de além dos apar­ta­men­tos de­ti­dos pe­lo Mil­len­nium bcp se in­te­gram ou­tros se­te apar­ta­men­tos e uma mo­ra­dia.

Por tu­do is­to, o Ban­co acre­di­ta que se tra­ta de um pro­du­to que te­rá bas­tan­te su­ces­so jun­to do com­pra­dor fi­nal, e par­ti­cu­lar­men­te dos es­tran­gei­ros, o que cons­ti­tui tam­bém um im­por­tan­te ar­gu­men­to pa­ra a ven­da em blo­co des­tes apar­ta­men­tos a um úni­co in­ves­ti­dor. É que, de acor­do com da­dos da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio, os es­tran­gei­ros in­ves­ti­ram em mé­dia, mais 40% na com­pra de uma ca­sa em Lis­boa do que os por­tu­gue­ses (da­dos de ja­nei­ro de 2016 a ju­nho de 2017) e são tam­bém eles que do­mi­nam nas com­pras aci­ma dos 6.000 eu­ros/m2, nu­ma al­tu­ra em que se iden­ti­fi­ca­ram já 84 na­ci­o­na­li­da­des ati­vas na com­pra de ca­sa na ca­pi­tal.

MIL­LEN­NIUM BCP

O Con­do­mí­nio Es­pa­ço Lu­mi­ar dis­põe de pis­ci­na e jar­dim, en­tre vá­ri­as ou­tras va­lên­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.