Ci­re­lius quer ser lí­der em sis­te­mas in­te­gra­dos de Ener­gi­as Re­no­vá­veis

A pro­cu­ra in­ter­na­ci­o­nal pe­las me­lho­res so­lu­ções téc­ni­cas a ofe­re­cer aos seus cli­en­tes per­mi­tiu que, atu­al­men­te, a Ci­re­lius se te­nha tor­na­do a dis­tri­bui­do­ra das mais pres­ti­gi­a­das mar­cas do se­tor

Publico - Imobiliario - - Sustentabilidade -

Há 22 anos que a Ci­re­lius tem mar­ca­do uma for­te e con­so­li­da­da pre­sen­ça no mer­ca­do na­ci­o­nal. Pri­mei­ro co­mo im­por­ta­dor-dis­tri­bui­dor de ma­te­ri­ais pa­ra ins­ta­la­ções de gás na­tu­ral e pro­pa­no, aque­ci­men­to cen­tral e água, uma ati­vi­da­de que mais tar­de foi com­ple­men­ta­da por sis­te­mas de as­pi­ra­ção cen­tral e sis­te­mas so­la­res tér­mi­cos. Ba­si­ca­men­te, o que es­ta em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da se pro­põe fa­zer é en­tre­gar ao mer­ca­do so­lu­ções com­ple­tas de con­for­to e pou­pan­ça ener­gé­ti­ca.

“A pro­cu­ra in­ter­na­ci­o­nal pe­las me­lho­res so­lu­ções téc­ni­cas a ofe­re­cer aos seus cli­en­tes, per­mi­tiu que, atu­al­men­te, a Ci­re­lius se te­nha tor­na­do a dis­tri­bui­do­ra das mais pres­ti­gi­a­das mar­cas do se­tor”, ga­ran­te a em­pre­sa.

Prin­ci­pais de­sa­fi­os

Co­mo prin­ci­pais de­sa­fi­os num mer­ca­do ex­tre­ma­men­te com­pe­ti­ti­vo, até por­que a ofer­ta é cla­ra­men­te su­pe­ri­or à pro­cu­ra, o rep­to é pre­ci­sa­men­te apre­sen­tar um le­que de pro­du­tos e ser­vi­ços “di­fe­ren­te pa­ra me­lhor, atra­ti­vo pa­ra os cli­en­tes, a pre­ço sus­ten­tá­vel”, ex­pli­cou Ar­nal­do Vi­la­ri­nho, di­re­tor co­mer­ci­al.

Aliás, es­te res­pon­sá­vel ad­mi­te que, ho­je, ex­cluin­do os cli­en­tes que pri­vi­le­gi­am só o pre­ço, as so­lu­ções que atu­al­men­te os con­su­mi­do­res mais pri­vi­le­gi­am são os pro­du­tos de qua­li­da­de, ins­ta­la­dos com ri­gor e com ser­vi­ço pós-ven­da.

A equi­pa téc­ni­co-co­mer­ci­al da Ci­re­lius, se­gun­do a pró­pria em­pre­sa, tem ba­si­ca­men­te três ob­je­ti­vos pri­mor­di­ais: se­ri­e­da­de, com­pe­tên­cia téc­ni­ca e os tais pro­du­tos com­pe­ti­ti­vos. “A em­pre­sa sou­be afir­mar-se co­mo um for­ne­ce­dor im­por­tan­te dos ins­ta­la­do­res e co­mér­cio re­ven­de­dor, atu­an­do em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal”, lê-se no si­te des­te for­ne­ce­dor.

Tri­a­gem do mer­ca­do

Nos úl­ti­mos anos, com a eco­no­mia por­tu­gue­sa a lu­tar con­tra vi­sí­veis cons­tran­gi­men­tos, hou­ve uma cla­ra tri­a­gem do mer­ca­do. Al­gu­mas em­pre­sas saí­ram de “ce­na”, não aguen­tan­do a pres­são, e ou­tras nas­ce­ram fru­to das opor­tu­ni­da­des en­tre­tan­to cri­a­das. “É ver­da­de que com o res­sur­gir da pro­cu­ra, sur­gem no­vas em­pre­sas, mas fal­ta-lhes ‘his­tó­ria’ pa­ra se po­de­rem afir­mar no mer­ca­do”, ex­pla­nou Ar­nal­do Vi­la­ri­nho.

Aliás, é o tal fa­tor “his­tó­ri­co” que a em­pre­sa já de­tém que o di­re­tor co­mer­ci­al acre­di­ta ser um ele­men­to di- fe­ren­ci­a­dor da con­cor­rên­cia: “Te­mos 22 anos de exis­tên­cia, 10 dis­tin­ções PME Lí­der, seis dis­tin­ções PME Ex­ce­lên­cia, te­mos uma ofer­ta de Sis­te­mas In­te­gra­dos de Ener­gi­as Re­no­vá­veis, no con­cei­to “Um Sis­te­ma- Uma Mar­ca”, com a mar­ca re­gis­ta­da So­lius”.

No mer­ca­do na­ci­o­nal das ener­gi­as re­no­vá­veis que, de res­to, Ar­nal­do Vi­la­ri­nho as­su­me ser “mui­to pou­co re­gu­la­do no que diz res­pei­to à ins­ta­la­ção”, há um ni­cho que so­bres­sai, “que é o de cons­tru­ção de qua­li­da­de, pa­ra cli­en­tes exi­gen­tes”.

Ob­je­ti­vos 2018

Co­mo gran­des ob­je­ti­vos pa­ra 2018, a Ci­re­lius tem a apos­ta na mar­ca So­lius. “Que­re­mos ser lí­der nos Sis­te­mas In­te­gra­dos de Ener­gi­as Re­no­vá­veis, com a mar­ca So­lius, e com a pos­si­bi­li­da­de de to­do o sis­te­ma es­tar co­nec­ta­do à dis­tan­cia, po­den­do o cli­en­te in­ter­vir na ins­ta­la­ção, pro­por­ci­o­na­do pou­pan­ça ener­gé­ti­ca, con­for­to e con­tro­lo”.

Pa­ra es­trei­tar a sua re­la­ção com os con­su­mi­do­res e vi­san­do uma mai­or apro­xi­ma­ção ao mer­ca­do, a Ci­re­lius tem pre­sen­ça ha­bi­tu­al nas prin­ci­pais fei­ras do se­tor, as­sim co­mo nas apre­sen­ta­ções téc­ni­cas de pro­du­to. “Es­te com­pro­mis­so de pro­fis­si­o­na­lis­mo e de­di­ca­ção foi re­for­ça­do com o pro­ces­so de cer­ti­fi­ca­ção da em­pre­sa se­gun­do a nor­ma de qua­li­da­de NP EN ISO 9001:2000, ob­ti­do em mar­ço de 2004 e NP EN ISO 9001:2008. Foi ain­da atri­buí­do à em­pre­sa, pe­lo sex­to ano, o es­ta­tu­to de “PME Ex­ce­lên­cia”, pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia em co­la­bo­ra­ção com o IAPMEI e com as prin­ci­pais ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as de Por­tu­gal.

“Es­ta dis­tin­ção tem co­mo ob­je­ti­vo dis­tin­guir as em­pre­sas que evi­den­ci­am os me­lho­res de­sem­pe­nhos e in­di­ca­do­res de ges­tão, no con­tex­to da es­tru­tu­ra em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal. O es­ta­tu­to de ‘PME Ex­ce­lên­cia’ sig­ni­fi­ca que es­ta­mos no­va­men­te en­tre as me­lho­res 1.100 em­pre­sas PME do país, e que so­mos uma em­pre­sa só­li­da e cre­dí­vel. Sig­ni­fi­ca tam­bém que cres­ce­mos sus­ten­ta­da­men­te pe­ran­te uma con­jun­tu­ra de cri­se”.

As­sim, a em­pre­sa as­su­me sen­tir or­gu­lho­sa pe­ran­te es­ta dis­tin­ção e pe­lo re­co­nhe­ci­men­to do seu mé­ri­to, pa­ra além de com­pen­sa­dos pe­lo ri­gor e éti­ca que co­lo­cam na vi­da em­pre­sa­ri­al. “Que­re­mos con­ti­nu­ar a me­re­cer ser dis­tin­gui­dos e, por is­so, va­mos per­sis­tir na pro­cu­ra con­tí­nua de me­lho­rar, ain­da mais, no sen­ti­do da ex­ce­lên­cia”.

FO­TOS: DR

Co­mo gran­des ob­je­ti­vos pa­ra 2018, a Ci­re­lius tem a apos­ta na mar­ca So­lius

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.