IFRRU 2020 po­ten­cia efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca nas ci­da­des do fu­tu­ro

Pro­gra­ma, já em mar­cha, alo­ca 1,4 mil mi­lhões de eu­ros à dis­po­si­ção dos pri­va­dos.

Publico - Imobiliario - - Sustentabilidade -

O IFRRU 2020, mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to a pri­va­dos pa­ra a exe­cu­ção de pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, já es­tá em ple­no an­da­men­to. Até ago­ra já fo­ram si­na­li­za­das 200 in­ten­ções de fi­nan­ci­a­men­to e es­tão em aná­li­se nos ban­cos par­cei­ros já um to­tal de 30 pe­di­dos. Em ter­mos de con­tra­tu­a­li­za­ções, são já du­as, fi­nan­ci­a­das pe­lo San­tan­der, am­bas no Fun­chal.

O IFRRU re­a­li­zou con­cur­so pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal, ten­do si­do se­le­ci­o­na­dos os ban­cos Mil­len­nium BCP, o Ban­co BPI e o Ban­co San­tan­der que por sua vez acu­mu­lou por in­te­gra­ção a tran­che re­ser­va­da ao Ban­co Po­pu­lar, que tam­bém foi se­le­ci­o­na­do. A aná­li­se de ris­co fi­ca as­sim a car­go das men­ci­o­na­das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, que acom­pa­nham em ter­mos de ca­pi­tal fi­nan­ci­a­do a com­po­nen­te pú­bli­ca.

O Mil­len­nium BCP é a en­ti­da­de que ma­xi­mi­za o mon­tan­te de fi­nan­ci­a­men­to, com ca­da eu­ro apro­va­do pe­lo IFFRU, o Mil­len­nium BCP as­se­gu­ra uma tran­che adi­ci­o­nal de fi­nan­ci­a­men­to de 1,30 eu­ros. O Ban­co San­tan­der por sua vez tem a mai­or tran­che de fi­nan­ci­a­men­to IFFRU.

Em­prés­ti­mos em con­di­ções van­ta­jo­sas

O de­no­mi­na­do Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção e Re­vi­ta­li­za­ção Ur­ba­nas dis­põe de 1,4 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra fi­nan­ci­ar pro­je­tos des­ta ín­do­le, dos quais 703 mi­lhões de fun­dos pú­bli­cos pro­ve­ni­en­tes de fun­dos eu­ro­peus do Por­tu­gal 2020, Or­ça­men­to de Es­ta­do, Ban­co Eu­ro­peu de In­ves­ti­men­to (BEI) e Ban­co de De­sen­vol­vi­men­to do Con­se­lho da Eu­ro­pa (CEB), aos quais acres­cem os re­cur­sos da ban­ca co­mer­ci­al em, pe­lo me­nos, igual mon­tan­te.

Es­te pro­gra­ma dis­po­ni­bi­li­za, atra­vés da ban­ca co­mer­ci­al, em­prés­ti­mos “em con­di­ções mais van­ta­jo­sas” pa­ra re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, “em pro­du­tos mais com­pe­ti­ti­vos” do que aque­les que exis­tem atu­al­men­te no mer­ca­do: ma­tu­ri­da­des mais lon­gas (até 20 anos), pe­río­do de ca­rên­cia mais alar­ga­do (até qua­tro anos) e ta­xas de ju­ro in­fe­ri­o­res às que são ho­je pra­ti­ca­das no mer­ca­do (por for­ça da com­bi­na­ção das do­ta­ções da ban­ca e as do­ta­ções pú­bli­cas sen­do es­tas úl­ti­mas – com ta­xa ze­ro, no ca­so dos FEEI e OE ou com ta­xas mui­to re­du­zi­das pe­lo fac­to das do­ta­ções do BEI e CEB con­sis­ti­rem em em­prés­ti­mos à Re­pú­bli­ca).

Um mi­lhão de edi­fí­ci­os

Se­gun­do da­dos do INE, exis­te cer­ca de um mi­lhão de edi­fí­ci­os com ne­ces­si­da­des de in­ter­ven­ção. Nos ter­mos da le­gis­la­ção co­mu­ni­tá­ria apli­cá­vel (Au­xí­li­os de Es­ta­do), o in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na es­tá li­mi­ta­do a 20 mi­lhões de eu­ros e, na com­po­nen­te de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, a 10 mi­lhões. No en­tan­to, es­tes li­mi­tes, se­gun­do a co­mis­são di­re­ti­va do Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, “não im­pe­dem o fi­nan­ci­a­men­to de múl­ti­plos pro­je­tos do mes­mo pro­mo­tor que, iso­la­da­men­te, se­jam en­qua­drá­veis, mas cu­jo in­ves­ti­men­to agre­ga­do” su­pe­re os re­fe­ri­dos mon­tan­tes.

O ins­tru­men­to pre­ten­de che­gar a to­do o ti­po de be­ne­fi­ciá­ri­os, se­jam eles sin­gu­la­res ou co­le­ti­vas, pú­bli­cas ou pri­va­das. Pa­ra os pro­je­tos que não dis­po­nham de ga­ran­tia bas­tan­te, o IFRRU 2020 dis­po­ni­bi­li­za ain­da, al­ter­na­ti­va­men­te, uma ga­ran­tia atra­vés do Sis­te­ma Por­tu­guês de Ga­ran­tia Mú­tua.

Nes­te sen­ti­do, o pro­gra­ma al­me­ja atu­ar em to­do o país in­ci­din­do nas áre­as que os mu­ni­cí­pi­os es­co­lhe­ram co­mo pri­o­ri­tá­ri­as, as Áre­as de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (ARU). A co­mis­são re­fe­re ain­da não ha­ver li­mi­ta­ções ao uso a con­fe­rir ao edi­fí- cio após a in­ter­ven­ção, o que é tam­bém uma no­vi­da­de em ter­mos de apli­ca­ção das do­ta­ções dos fun­dos eu­ro­peus que tra­di­ci­o­nal­men­te não atu­a­vam em edi­fí­ci­os des­ti­na­dos a ha­bi­ta­ção.

Por ou­tro la­do, a co­mis­são pre­ten­de que es­te ins­tru­men­to se­ja vis­to em ar­ti­cu­la­ção com os de­mais apoi­os dis­po­ní­veis, em es­pe­ci­al os apoi­os não re­em­bol­sá­veis dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo Por­tu­gal 2020.

Apoio na efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca

Em com­ple­men­to com a ope­ra­ção de re­a­bi­li­ta­ção, po­dem ain­da ser apoi­a­dos in­ves­ti­men­tos de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, de­ven­do pa­ra tal ser ob­ti­da uma au­di­to­ria ener­gé­ti­ca pré­via, atra­vés de pe­ri­tos cer­ti­fi­ca­dos jun­to da Adene – Agên­cia pa­ra a Ener­gia, de for­ma a se­rem iden­ti­fi­ca­dos os in­ves­ti­men­tos que per­mi­tam ob­ter os me­lho­res be­ne­fí­ci­os em ter­mos de de­sem­pe­nho ener­gé­ti­co.

Por ou­tro la­do, o in­ves­ti­men­to não de­ve ter si­do ini­ci­a­do an­tes de apre­sen­tar um pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to. As­sim, o pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to de­ve ser for­ma­li­za­do an­tes de se­rem ini­ci­a­dos os tra­ba­lhos re­la­ti­vos ao pro­je­to. En­ten­de-se co­mo iní­cio dos tra­ba­lhos “quer o iní­cio dos tra­ba­lhos de cons­tru­ção re­la­ci­o­na­dos com o in­ves­ti­men­to, quer o pri­mei­ro com­pro­mis­so fir­me de en­co­men­da de equi­pa­men­tos ou qual­quer ou­tro com­pro­mis­so que tor­ne o in­ves­ti­men­to ir­re­ver­sí­vel, con­so­an­te o que acon­te­cer pri­mei­ro”, re­fe­re a mes­ma en­ti­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.