Re­du­ção de IMT em imó­veis pa­ra mo­ra­da de fa­mí­lia exi­ge afe­ta­ção por 6 anos

Os con­tri­buin­tes que te­nham be­ne­fi­ci­a­do de isen­ção ou re­du­ção de IMT por te­rem ad­qui­ri­do pré­dio des­ti­na­do ex­clu­si­va­men­te à sua ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te têm de man­ter es­sa afe­ta­ção pelo pra­zo mí­ni­mo de seis anos a con­tar da da­ta de aqui­si­ção.

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­do Cer­quei­ra

O Có­di­go do Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre as Trans­mis­sões One­ro­sas de Imó­veis (CIMT) pre­vê ta­xas di­fe­ren­ci­a­das de Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre a Trans­mis­são One­ro­sa de Imó­veis (IMT) con­so­an­te o fim a que se des­ti­na o imó­vel ad­qui­ri­do, no­me­a­da­men­te quan­do se tra­ta da aqui­si­ção de um pré­dio ur­ba­no, ou de fra­ção au­tó­no­ma de pré­dio ur­ba­no, des­ti­na­do ex­clu­si­va­men­te a ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te do ad­qui­ren­te. Nes­se ca­so, o ad­qui­ren­te fi­ca isen­to do pa­ga­men­to de IMT quan­do o va­lor que ser­viu de ba­se à li­qui­da­ção do im­pos­to não ex­ce­de 92.407 eu­ros. E ca­so ul­tra­pas­se es­te va­lor, be­ne­fi­cia de ta­xas mais re­du­zi­das de IMT, até ao má­xi­mo de 6% quan­do o va­lor que ser­viu de ba­se à li­qui­da­ção ex­ce­de 574.323 eu­ros.

A pro­pó­si­to des­ta ma­té­ria, a Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT) emi­tiu re­cen­te­men­te uma in­for­ma­ção vin­cu­la­ti­va, na sequên­cia da so­li­ci­ta­ção de um con­tri­buin­te que pre­ten­dia es­cla­re­cer qual o tem­po mí­ni­mo de ma­nu­ten­ção do seu atu­al do­mi­cí­lio fis­cal, de mo­do a não per­der a re­du­ção de IMT de que ti­nha be­ne­fi­ci­a­do na aqui­si­ção do pré­dio ur­ba­no des­ti­na­do ex­clu­si­va­men­te à sua ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te.

Na in­for­ma­ção vin­cu­la­ti­va, emi­ti­da no mês de ja­nei­ro, a AT con­si­de­ra que o ad­qui­ren­te “de­ve­rá man­ter afe­to à sua ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te o imó­vel ad­qui­ri­do, pelo pra­zo de seis anos a con­tar da da­ta da aqui­si­ção, sal­vo em ca­so de ven­da do re­fe­ri­do pré­dio”. Mais ain­da, “dei­xam de be­ne­fi­ci­ar igual­men­te de isen­ção e de re­du­ção de ta­xas […] as se­guin­tes si­tu­a­ções: a) Quan­do aos bens for da­do des­ti­no di­fe­ren­te da­que­le em que as­sen­tou o be­ne­fí­cio, no pra­zo de seis anos a con­tar da da­ta da aqui­si­ção, sal­vo no ca­so de ven­da”.

Des­te mo­do, con­clui a AT, pa­ra que não ocor­ra a ca­du­ci­da­de da re­du­ção de ta­xas, com fun­da­men­to na alí­nea a) do n.º 7 do art.º 11 do CIMT, o ad­qui­ren­te “de­ve man­ter afe­to à sua ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te o pré­dio ad­qui­ri­do com es­se fim, pelo pra­zo de seis anos a con­tar da da­ta da aqui­si­ção, sal­vo em ca­so de ven­da do re­fe­ri­do pré­dio”.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.