Fun­chal: Zo­nas no­bres são as que mais atra­em in­ves­ti­men­to em no­va ha­bi­ta­ção

Nu­ma al­tu­ra em que a ofer­ta se man­tém es­cas­sa fa­ce à ele­va­da pro­cu­ra, o Mil­len­nium bcp tem em ven­da um con­do­mí­nio, cu­ja cons­tru­ção es­tá ina­ca­ba­da, e nu­ma das zo­nas mais pre­mium do Fun­chal.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

Tra­ta-se do em­pre­en­di­men­to São Lu­cas, si­tu­a­do em ple­na Es­tra­da Mo­nu­men­tal, e que o Ban­co tem em ven­da por €12 mi­lhões. Im­plan­ta­do num lo­te com cer­ca de 4.140 m2, es­te con­do­mí­nio re­si­den­ci­al es­tá par­ci­al­men­te cons­truí­do e ca­be­rá ao in­ves­ti­dor que o ad­qui­rir as­su­mir a con­clu­são dos tra­ba­lhos, com o va­lor des­te in­ves­ti­men­to a “de­pen­der bas­tan­te do ti­po de ma­te­ri­ais e aca­ba­men­tos uti­li­za­dos”, re­fe­re Car­los Nunes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Re­ta­lho Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imobiliário do ban­co. Mas is­so é al­go que não de­ve ser en­ca­ra­do como um han­di­cap: “Mes­mo sa­ben­do que re­quer con­clu­são, é um ati­vo mui­to ape­te­cí­vel”, rei­te­ra aque­le res­pon­sá­vel, já que a es­ti­ma­ti­va do va­lor de ven­das é de €23 mi­lhões “após con­clu­são da obra, in­cluin­do os apar­ta­men­tos, as áre­as re­ser­va­das a co­mér­cio no pi­so tér­reo e ca­ve”. No to­tal, o con­do­mí­nio agre­ga 63 apar­ta­men­tos (T1 a T5) em 7 pi­sos aci­ma do so­lo, além de 248 lu­ga­res de es­ta­ci­o­na­men­to e 63 ar­re­ca­da­ções, bem como um es­pa­ço pa­ra um gi­ná­sio co­mum nos pi­sos sub­ter­râ­ne­os (5 no to­tal), além de 5 lo­jas no pi­so tér­reo.

O fac­to de cons­ti­tuir- se como “uma ofer­ta ra­ra pa­ra a ele­va­da pro­cu­ra exis­ten­te no mer­ca­do” e a sua lo­ca­li­za­ção “nu­ma zo­na fron­tal ao mar, mes­mo que não em pri­mei­ra li­nha” são for­tes ali­ci­an­tes, ga­ran­te Car­los Nunes. De acor­do com Ricardo Sil­va, Di­re­tor Exe­cu­ti­vo de Mar­ke­ting e Ven­das da Pre­di­fun­chal, tra­ta-se de um lo­cal pri­vi­le­gi­a­do, na li­nha pre­mium, ou se­ja, “fren­te de mar ou mui­to pró­xi­mo da mes­ma e com ex­ce­len­tes in­fra­es­tru­tu­ras de apoio”, ex­pli­ca. As vis­tas “úni­cas” e a pro­xi­mi­da­de a fa­ci­li­da­des como cen­tro co­mer­ci­al, restaurantes, praia e pis­ci­nas pú­bli­cas, jar­dins, ci­clo­vi­as e pas­sei­os de gran­des di­men­sões são atra­ti­vos des­ta zo­na, que se des­ta­ca ain­da por ser “pra­ti­ca­men­te pla­na”, acres­cen­ta Jo­sé Moniz, Ge­ren­te da MCM Imo­bi­liá­ria. Con­for­me ex­pli­ca es­te pro­fis­si­o­nal, a zo­na é uma das mais no­bres do Fun­chal e é des­ti­no de ha­bi­ta­ção de seg­men­to al­to, es­pe- ci­al­men­te pro­cu­ra­do por es­tran­gei­ros, de on­de se des­ta­cam in­gle­ses, ale­mães, fran­ce­ses e chi­ne­ses.

Ricardo Sil­va con­fir­ma que “nos últimos 5 anos o pre­ço mé­dio por m2 da zo­na tem vin­do a cres­cer, o que pro­vo­cou um au­men­to na pro­cu­ra de ca­sa pa­ra o seg­men­to su­pe­ri­or e de lu­xo”. Não se­rá de es­tra­nhar, já que, de acor­do com Jo­sé Moniz, “o mer­ca­do tem cla­ra­men­te mais pro­cu­ra do que ofer­ta” e es­tá num mo­men­to em que “é fre­quen­te ha­ver vá­ri­os com­pra­do­res in­te­res­sa­dos nu­ma mes­ma fra­ção”, acres­cen­ta Car­los Nunes.

A pro­mo­ção tem es­ta­do aten­ta a es­te de­se­qui­lí­brio, e nu­ma al­tu­ra em que “o in­ves­ti­men­to em no­vos pro­du­tos re­si­den­ci­ais es­tá a au­men­tar” na Ma­dei­ra, são es­pe­ci­al­men­te as zo­nas no­bres, como es­ta, que es­tão a atrair mais in­ves­ti­men­to, diz Ricardo Sil­va. “Te­mos vá­ri­os casos de su­ces­so ain­da no iní­cio de cons­tru­ção e em que 50% dos pro­du­tos re­si­den­ci­ais já se en­con­tram ven­di­dos”, ga­ran­te. De qual­quer for­ma, e ain­da que os pro­mo­to­res es­te­jam no­va­men­te a apos­tar no mer­ca­do de ha­bi­ta­ção co­le­ti­va e uni­fa­mi­li­ar na Ma­dei­ra, um franco crescimento da ofer­ta de­ve­rá ser mais evi­den­te ape­nas nos pró­xi­mos 3 a 5 anos, de­fen­de aque­le me­di­a­dor, um fa­tor que po­de­rá tam­bém ser um ali­ci­an­te adi­ci­o­nal do ati­vo que o Mil­len­nium bcp tem atu­al­men­te no mer­ca­do, já que “es­tá nes­ta al­tu­ra cons­truí­do em cer­ca de 48% da to­ta­li­da­de da obra”. Jo­sé Moniz acres­cen­ta que a bu­ro­cra­cia ine­ren­te aos pro­ces­sos de li­cen­ci­a­men­to e as re­gras mais ri­go­ro­sas no fi­nan­ci­a­men­to à pro­mo­ção es­tão tam­bém ain­da a li­mi­tar o sur­gi­men­to de um mai­or nú­me­ro de pro­je­tos de ha­bi­ta­ção no­va, o que re­for­ça o re­fe­ri­do aci­ma.

Ho­te­la­ria tam­bém po­de ter po­ten­ci­al

Além do in­ves­ti­dor fo­ca­do no seg­men­to re­si­den­ci­al que “per­ce­be a atu­al si­tu­a­ção do mer­ca­do imobiliário no Fun­chal e que iden­ti­fi­ca a opor­tu­ni­da­de de de­ter um con­jun­to de fra­ções de um seg­men­to em cres­cen­do e com es­cas­sez de ofer­ta”, o em­pre­en­di­men­to São Lu­cas é um ti­po de ati­vo que o Mil­len­nium bcp con­si­de­ra po­der ter po­ten­ci­al pa­ra atrair in­ves­ti­do­res nou­tro seg­men­to, como é o ca­so do tu­ris­mo. “Fa­ce à sua lo­ca­li­za­ção, a con­ver­são em uni­da­de ho­te­lei­ra po­de­rá ser uma abor­da­gem in­te­res­san­te”, diz Car­los Nunes, adi­an­tan­do que, em qual­quer dos casos, “te­mos ti­do vá­ri­os con­tac­tos com pe­di­dos de in­for­ma­ção so­bre es­te pro­ces­so, o que nos re­ve­la a im­por­tân­cia des­te ati­vo e mos­tra tam­bém que os in­ves­ti­do­res não es­tão dis­traí­dos e não dei­xa­rão pas­sar es­ta in­te­res­san­te opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­to”, termina.

MIL­LEN­NIUM BCP

O em­pre­en­di­men­to São Lu­cas, cu­ja cons­tru­ção es­tá em cer­ca de 50%, es­tá em ven­da por €12 mi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.