Mais im­pos­tos não são a so­lu­ção pa­ra a eu­ro­pa

Publico - Imobiliario - - Opinião -

É por de­mais evi­den­te que, por um la­do, a ne­ces­si­da­de de re­for­çar po­lí­ti­cas europeias co­muns e de au­men­tar os me­ca­nis­mos de co­e­são e, por ou­tro, os de­sa­fi­os im­pos­tos pe­lo Bre­xit, obri­gam a União Europeia a pro­cu­rar so­lu­ções que ga­ran­tam a sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta aos ci­da­dãos. E faz to­do o sen­ti­do que, ao mes­mo tem­po que se pro­cu­ram no­vas for­mas de fi­nan­ci­a­men­to do Or­ça­men­to Eu­ro­peu, se ava­lie e, even­tu­al­men­te, se ajus­te a fiscalidade aos de­sa­fi­os im­pos­tos por ques­tões co­mo as tran­sa­ções fi­nan­cei­ras ou o mun­do di­gi­tal. Po­rém, es­te de­ba­te não nos po­de fa­zer per­der a no­ção da re­a­li­da­de Por­tu­gue­sa, do in­te­res­se na­ci­o­nal e das pri­o­ri­da­des pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do da nos­sa eco­no­mia.

A ver­da­de é que a car­ga fi scal em Por­tu­gal é ver­da­dei­ra­men­te as­fi­xi­an­te e, ape­sar das re­cen­tes me­lho­ri­as do dé­fi­ce e do ra­ting da Re­pú­bli­ca, a car­ga fis­cal ain­da não pa­rou de su­bir. De acor­do com o Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2018, o pe­so da re­cei­ta fi scal e con­tri­bu­ti­va no PIB foi de 37,2% em 2017, um va­lor que é in­com­pa­tí­vel com a ne­ces­si­da­de de es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to e o em­pre­go.

E re­cor­do que, se de uma for­ma ge­ral, as em­pre­sas vão apon­tan­do os im­pos­tos co­mo um dos prin­ci­pais en­tra­ves à sua ati­vi­da­de, no se­tor da Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio, a fi sca­li­da­de in­ci­den­te so­bre o pa­tri­mó­nio é um fa­tor adi­ci­o­nal de de­se­qui­lí­brio e de au­men­to, em es­pe­ci­al dos cus­tos do aces­so à ha­bi­ta­ção. Ve­ja-se o ca­so da tri­bu­ta­ção dos stocks de imó­veis de­ti­dos pa­ra ven­da por par­te das em­pre­sas do se­tor em se­de de IMI, pe­na­li­da­de que foi recentemente agra­va­da pe­lo AIMI. São im­pos­tos ex­ces­si­vos, que au­men­tam o cus­to das ca­sas e que in­ci­dem, de for­ma par­ti­cu­lar­men­te gra­vo­sa, nos de­no­mi­na­dos ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de, pre­ci­sa­men­te aque­les on­de é mais ne­ces­sá­rio ge­rar cres­ci­men­to e pos­tos de tra­ba­lho.

A pri­o­ri­da­de é cla­ra e é con­sen­su­al­men­te re­co­nhe­ci­da. Pre­ci­sa­mos de man­ter as con­tas pú­bli­cas equi­li­bra­das, já que tal é uma con­di­ção ne­ces­sá­ria e in­con­tor­ná­vel, mas a des­ci­da dos im­pos­tos é es­sen­ci­al e ur­gen­te. É evi­den­te que, den­tro do es­pí­ri­to de co­o­pe­ra­ção europeia, há que fa­zer um es­for­ço co­mum no sen­ti­do de dar for­ça à União Europeia. Mas não po­de acon­te­cer à cus­ta do au­men­to da car­ga fi scal, por­que os por­tu­gue­ses e, em par­ti­cu­lar, as em­pre­sas na­ci­o­nais, já são tri­bu­ta­dos ex­ces­si­va­men­te.

Des­ta for­ma, se a dis­cus­são se cen­tra na ne­ces­si­da­de de as­se­gu­rar a dis­po­ni­bi­li­za­ção de no­vos re­cur­sos pa­ra ma­nu­ten­ção e con­so­li­da­ção do or­ça­men­to eu­ro­peu, an­tes de pen­sar em so­lu­ções que pas­sam pe­la cri­a­ção de tri­bu­tos so­bre ser­vi­ços di­gi­tais, fi­nan­cei­ros e in­dús­tria, ha­ve­rá que “me­dir” as su­as con­sequên­ci­as, de­sig­na­da­men­te ao ní­vel con­cor­ren­ci­al, no mun­do glo­bal on­de a Eu­ro­pa Co­mu­ni­tá­ria e, ne­ces­sa­ri­a­men­te ca­da País in­di­vi­du­al­men­te con­si­de­ra­do, se po­si­ci­o­na. A per­da de com­pe­ti­ti­vi­da­de é um as­pe­to que tem de ser ti­do em con­ta. As­sim, num pri­mei­ro mo­men­to, de­ve­rão ser os Es­ta­dos mem­bros a as­su­mir sua di­men­são eco­nó­mi­ca, re­per­cu­tin­do-a efe­ti­va­men­te no or­ça­men­to co­mu­ni­tá­rio, sem pôr em cau­sa o equi­lí­brio que de­ve pre­va­le­cer en­tre os Paí­ses da União Europeia.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.