Pre­ço das ca­sas já so­be em to­dos os con­ce­lhos da Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to

O acrés­ci­mo de pro­cu­ra as­so­ci­a­do à di­mi­nui­ção da ofer­ta tem im­pul­si­o­na­do o au­men­to dos pre­ços ha­bi­ta­ci­o­nais na re­gião

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Correia

De acor­do com Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio (Ci), a subida no pre­ço das ca­sas “é uma ten­dên­cia que se tem mos­tra­do ge­ne­ra­li­za­da a to­dos os con­ce­lhos da Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to”, um au­men­to que, à se­me­lhan­ça do que tem acon­te­ci­do por to­do o país, re­sul­ta de um “acrés­ci­mo da pro­cu­ra ali­a­do à di­mi­nui­ção da ofer­ta”, diz. “Há pou­ca cons­tru­ção no­va e mui­ta pro­cu­ra”, con­fir­ma Ca­ta­ri­na Oli­vei­ra, ge­ren­te da me­di­a­do­ra Vi­la Mais. Além do de­se­qui­lí­brio en­tre ofer­ta e pro­cu­ra, “a cres­cen­te aber­tu­ra do cré­di­to, em par­ti­cu­lar do cré­di­to à ha­bi­ta­ção, tem co­lo­ca­do tam­bém mai­or pres­são na pro­cu­ra, não só pa­ra com­pra de ha­bi­ta­ção pró­pria, co­mo pa­ra in­ves­ti­men­to com vis­ta ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to”, re­fe­re Cruz Lan­ça, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Re­ta­lho Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp.

Não obs­tan­te o con­ce­lho do Por­to apre­sen­tar um acrés­ci­mo bas­tan­te mais ex­pres­si­vo (na or­dem dos 14,5%), no úl­ti­mo ano, (i.e., no 3º tri­mes­tre de 2017 fa­ce ao mes­mo pe­río­do de 2016), o au­men­to agre­ga­do de pre­ços na re­gião do Gran­de Por­to é já de cer­ca de 5%. Pa­ra Olím­pio Bar­bié­ri, Di­re­tor Re­gi­o­nal Nor­te do Gru­po Re­max Van­ta­gem, além do Por­to, há que des­ta­car a subida dos pre­ços nos con­ce­lhos de Ma­to­si­nhos e Gon­do­mar, com au­men­tos no­mi­nais mui­to ex­pres­si­vos. Pa­ra o to­tal da Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to (AM Por­to), o pre­ço mé­dio das ca­sas em ofer­ta no 3º tri­mes­tre de 2017 ron­da­va os €1.341/m2, com ape­nas o Por­to a su­pe­rar a bar­rei­ra dos €2.000/m2, mas con­ce­lhos co­mo Ma­to­si­nhos, Es­pi­nho, Maia, Gaia, Vi­la do Con­de ou a Pó­voa do Var­zim a apre­sen­ta­rem va­lo­res mé­di­os de ofer­ta en­tre os €1.050/m2 e os €1.350/m2 (da­dos Ci).

A di­nâ­mi­ca do mer­ca­do re­si­den­ci­al na AM Por­to tem si­do tam­bém evi­den­te no cres­ci­men­to das tran­sa­ções, com as mais de 19.300 ca­sas ven­di­das em 2017 ( ja­nei­ro a se­tem­bro) num vo­lu­me de €2,1 mil mi­lhões (da­dos INE) a re­pre­sen­ta­rem au­men­tos de 22% e 30%, res­pe­ti­va­men­te. A zo­na me­tro­po­li­ta­na é mes­mo a gran­de im­pul­si­o­na­do­ra da re­gião Nor­te - que foi a que mais cres­ceu no país em nú­me­ro de ca­sas ven­di­das (+38,5%)-, ao ga­ran­tir 60% das ca­sas ven­di­das e 65% do vo­lu­me re­gi­o­nal tran­sa­ci­o­na­do. Tam­bém o rit­mo de ab­sor­ção re­fle­te o bom mo­men­to do mer­ca­do. “Tem si­do co­mum, nos imó­veis que de­te­mos nos prin­ci­pais cen­tros ur­ba­nos des­ta área me­tro­po­li­ta­na, a pro­cu­ra por vá­ri­os in­te­res­sa­dos lo­go na pri­mei­ra se­ma­na de co­mer­ci­a­li­za­ção, o que pro­pi­cia a ven­da lo­go nos pri­mei­ros di­as”, de­no­ta Cruz Lan­ça. Os da­dos da Ci dão tam­bém con­ta de que des­de 2013, o tem­po mé­dio que de­mo­ra a ven­der uma ca­sa tem vin­do a de-

Con­ce­lhos jun­to ao Por­to atra­em

Ain­da que o Por­to se man­te­nha co­mo o mer­ca­do mais va­lo­ri­za­do da re­gião, os pre­ços mais ele­va­dos que se re­gis­tam na ci­da­de, em re­sul­ta­do “do au­men­to da pro­cu­ra de cli­en­tes es­tran­gei­ros e da pro­li­fe­ra­ção dos alo­ja­men­tos lo­cais”, le­vam a “uma mai­or pres­são da pro­cu­ra nos con­ce­lhos li­mí­tro­fes”, diz Olím­pio Bar­bié­ri. De acor­do com Ca­ta­ri­na Oli­vei­ra se­rão pre­ci­sa­men­te os “mer­ca­dos mais en­cos­ta­dos ao Por­to”, co­mo Gon­do­mar, Va­lon­go, Maia ou Ma­to­si­nhos, que têm mai­or po­ten­ci­al de cres­ci­men­to, ten­do em con­ta que “os pre­ços da ha­bi­ta­ção no Por­to es­tão já bas­tan­te in­fla­ci­o­na­dos”. É al­go que tem “tam­bém ocor­ri­do na AM Lis­boa e es­pe­lha a gen­tri­fi­ca­ção que as du­as ci­da­des têm vi­vi­do”, diz Olím­pio Bar­bié­ri, que acres­cen­ta Gaia à lis­ta. De acor­do com Cruz Lan­ça, além do Por­to, Gaia, Gon­do­mar, Maia e Ma­to­si­nhos “têm ti­do mai­or vo­lu­me e ve­lo­ci­da­de de ven­das mais rá­pi­da” no con­tex­to dos imó­veis re­si­den­ci­ais de­ti­dos pe­lo Ban­co na AM Por­to. “Em ter­mos de mo­bi­li­da­de, o me­tro aqui é um fa­tor im­por­tan­te a ter em con­ta na de­ci­são de com­pra”, acres­cen­ta. Mas tam­bém ou­tros con­ce­lhos da re­gião “atra­em e fi­xam as po­pu­la­ções”, “com bons aces­sos à ca­pi­tal do dis­tri­to e com uma ofer­ta in­te­res­san­te de di­fe­ren­tes co­mo­di­da­des, co­mo es­co­las, co­mér­cio e atra­ti­vos cul­tu­rais”, afir­ma Cruz Lan­ça.

Além dos “por­tu­gue­ses, na fai­xa etá­ria dos 25 aos 45 anos, que pro­cu­ram pri­mei­ra ha­bi­ta­ção”, con­for­me des­cre­ve Olím­pio Bar­bié­ri, tam­bém os emi­gran­tes pro­cu­ram as zo­nas li­mí­tro­fes ao Por­to pa­ra com­prar ca­sa. “São pes­so­as que emi­gra­ram há mui­tos anos e que que­rem com­prar ca­sa na ter­ra on­de nas­ce­ram, co­mo in­ves­ti­men­to”, ex­pli­ca Ca­ta­ri­na Oli­vei­ra. Na sua pers­pe­ti­va, os es­tran­gei­ros – es­pe­ci­al­men­te bra­si­lei­ros, an­go­la­nos e chi­ne­ses – “com­pram so­bre­tu­do no cen­tro do Por­to”. Olím­pio Bar­bié­ri es­ti­ma que os es­tran­gei­ros pe­sem cer­ca de 7% das tran­sa­ções na AM Por­to, des­ta­can­do os bra­si­lei­ros (pe­so de 27%) e os fran­ce­ses (18%), mas tam­bém os con­ce­lhos de Gon­do­mar, Gaia e Ma­to­si­nhos, além do Por­to.

FREEIMAGES.COM/FRAN­CIS­CO RA­MOS

Os pre­ços das ca­sas na AM Por­to es­tão a cres­cer cer­ca de 5%, com a a ten­dên­cia de subida a abran­ger to­dos os con­ce­lhos. Des­ta­ca-se o Por­to, com uma subida mais evi­den­ci­a­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.