Ler nas en­tre­li­nhas

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

“Cré­di­to à ha­bi­ta­ção cres­ceu qua­tro ve­zes em cin­co anos”, foi o tí­tu­lo de uma no­tí­cia vei­cu­la­da du­ran­te o fim de se­ma­na, que po­de­rá in­du­zir em er­ro os mais de­sa­ten­tos, e le­vá-los a pen­sar que as fa­mí­li­as por­tu­gue­sas não apren­de­ram na­da com o pas­sa­do re­cen­te e que es­tão, uma vez mais, a so­bre en­di­vi­dar-se pa­ra com­prar ca­sa.

Mas, co­mo em tu­do é pre­ci­so ler nas en­tre­li­nhas e per­ce­ber que es­te cres­ci­men­to não é as­sim tão abis­mal quan­to is­so, se ti­ver­mos em con­ta que há cin­co anos atrás o nos­so País atra­ves­sa­va um mo­men­to atí­pi­co em que as di­fi­cul­da­des eram tão evi­den­tes que le­va­ram à ne­ces­si­da­de de in­ter­ven­ção ex­ter­na, via Troi­ka (Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal, Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu e Co­mis­são Eu­ro­peia).

Es­ta­mos por is­so a com­pa­rar o ano de 2017, um dos me­lho­res des­de que há re­gis­tos ofi­ci­ais no que diz res­pei­to à tran­sa­ção de alo­ja­men­tos fa­mi­li­a­res, com o ano de 2012, em que Por­tu­gal es­ta­va no pi­co da cri­se eco­nó­mi­ca.

Não é de ad­mi­rar que, cin­co anos de­pois, o cré­di­to à ha­bi­ta­ção te­nha cres­ci­do, so­bre­tu­do ten­do em con­ta o di­na­mis­mo que o sec­tor imo­bi­liá­rio tem vi­vi­do no nos­so País, apoi­a­do no in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e na me­lho­ria do mer­ca­do in­ter­no, que foi tam­bém es­ti­mu­la­do pe­la re­to­ma eco­nó­mi­ca e pe­la me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das fa­mí­li­as e da sua si­tu­a­ção la­bo­ral.

Co­mo re­fe­ri on­tem, na oi­ta­va ses­são Fo­ra da Cai­xa, pro­mo­vi­da pe­la Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos so­bre o te­ma “A re­le­vân­cia da Me­di­a­ção Imo­bi­liá­ria no Mer­ca­do Atu­al”, é pre­ci­so que se des­mis­ti­fi­que a ideia de que os Por­tu­gue­ses es­tão a en­di­vi­dar-se pa­ra com­prar ca­sa, e de que is­so po­de­rá ser um aler­ta de pe­ri­go.

A re­a­li­da­de de ho­je não é a mes­ma de há uma dé­ca­da, e o sec­tor fi­nan­cei­ro tem cri­té­ri­os mui­to mais aper­ta­dos na con­ces­são de cré­di­to do que ti­nha nos anos pré-cri­se, pro­te­gen­do não só os ban­cos, mas tam­bém as pró­pri­as fa­mí­li­as, do ris­co de in­cum­pri­men­to.

Tam­bém o Ban­co de Por­tu­gal es­tá mais aten­to, ten­do aliás fei­to re­co­men­da­ções que vão no sen­ti­do de ha­ver uma mai­or res­tri­ção na con­ces­são de cré­di­to à ha­bi­ta­ção, que só po­dem ser vis­tas co­mo uma an­te­ci­pa­ção do re­gu­la­dor pa­ra pre­ve­nir even­tu­ais ex­ces­sos que, de mo­men­to, ain­da não exis­tem, co­mo po­de­mos com­pro­var se com­pa­rar­mos o va­lor do cré­di­to con­ce­di­do em 2007 (19.630 mi­lhões) com o os 8.261 mi­lhões re­gis­ta­dos no ano pas­sa­do. Dez anos de­pois, os ban­cos em­pres­ta­ram me­nos de me­ta­de do va­lor às fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

Ho­je, o mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês es­tá mui­to mais di­ver­si­fi­ca­do, e tem ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to di­fe­ren­tes das que ti­nha nos anos em que de­pen­dia in­ti­ma­men­te do cré­di­to. Há ca­da vez mais in­ves­ti­men­to fei­to em re­cur­so a em­prés­ti­mo ban­cá­rio, quer por fa­mí­li­as que de­ci­di­ram in­ves­tir as su­as pou­pan­ças num mer­ca­do se­gu­ro e ren­tá­vel co­mo é o imo­bi­liá­rio, quer pe­los in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros que, na sua gran­de mai­o­ria, não re­cor­rem a cré­di­to à ha­bi­ta­ção.

Por ou­tro la­do, quem com­pra ca­sa com re­cur­so a em­prés­ti­mo, não tem as mes­mas fa­ci­li­da­des que ti­nha an­ti­ga­men­te, uma vez que os ban­cos já não em­pres­tam a 100%, obri­gan­do os com­pra­do­res a adi­an­ta­rem, pe­lo me­nos, 20 a 30% do va­lo to­tal do imó­vel.

Es­ta di­ver­si­fi­ca­ção do mer­ca­do é mui­to be­né­fi­ca e faz com que a pos­si­bi­li­da­de de ha­ver uma bo­lha imo­bi­liá­ria se­ja ain­da mais di­mi­nu­ta.

Não há cré­di­to à ha­bi­ta­ção a mais. Nes­te mo­men­to, o pro­ble­ma é que há ca­sas a me­nos, e os aler­tas de­vem di­ri­gir-se pa­ra a ne­ces­si­da­de de re­gres­sar à cons­tru­ção no­va.

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.