For­ma­ção pro­fis­si­o­nal não po­de evo­luir em con­tra­ci­clo

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Pa­ra con­cre­ti­zar es­tra­té­gi­as de su­ces­so, é fun­da­men­tal atrair o ta­len­to ade­qua­do, po­ten­ci­ar a for­ma­ção, a apren­di­za­gem e a qua­li­fi­ca­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos. Há mui­to que afir­ma­mos que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas, nes­ta área, pa­ra além de não cor­res­pon­de­rem às ne­ces­si­da­des das em­pre­sas, não sou­be­ram an­te­ci­par a evolução do mer­ca­do. O que se pas­sa no Se­tor da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio, cons­ti­tui um bom exem­plo des­ta re­a­li­da­de, de­sig­na­da­men­te com a di­mi­nui­ção do nú­me­ro de téc­ni­cos e pro­fis­si­o­nais que se pre­via saí­rem das nos­sas es­co­las e cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e a cres­cen­te pro­cu­ra de pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses por par­te de em­pre­sas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras.

Es­ta­mos não só a fa­lar de téc­ni­cos com anos de ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da mas, tam­bém, de jo­vens li­cen­ci­a­dos, cu­jo va­lor é ime­di­a­ta­men­te re­co­nhe­ci­do por par­te de gran­des ope­ra­do­res in­ter­na­ci­o­nais. A gra­ve cri­se que o Se­tor en­fren­tou te­ve por con­sequên­cia a di­mi­nui­ção da pro­cu­ra, se­ja ao ní­vel dos cur­sos de en­si­no su­pe­ri­or na área da en­ge­nha­ria, bem co­mo de so­lu­ções for­ma­ti­vas, adap­ta­das às no­vas re­a­li­da­des e téc­ni­cas cons­tru­ti­vas. Sa­be­mos que o Se­tor tem ne­ces­si­da­de, no ime­di­a­to, de 70 mil tra­ba­lha­do­res es­pe­ci­a­li­za­dos. Te­mos cons­ci­ên­cia que em re­sul­ta­do do êxo­do pa­ra a Eu­ro­pa e pa­ra ou­tros mer­ca­dos, são mui­tos os pro­fis­si­o­nais, que, nes­te mo­men­to, da­das as con­di­ções de tra­ba­lho, os ní­veis sa­la­ri­ais e a pró­pria in­clu­são so­ci­al, di­fi­cil­men­te re­gres­sa­rão a Por­tu­gal. Po­rém, tam­bém sa­be­mos que exis­tem 54 mil tra­ba­lha­do­res oriun­dos do Se­tor ins­cri­tos nos Cen­tros de Em­pre­go, que con­ti­nu­am à mar­gem do mer­ca­do, a ali­men­tar ca­dei­as de tra­ba­lho clan­des­ti­no, às quais há que pôr fim.

Por ou­tro la­do, se as Uni­ver­si­da­des e Es­co­las es­tão no­va­men­te a ser pro­cu­ra­das pe­los jo­vens, há que per­ce­ber que es­te é um pro­ces­so lon­go e que, no ime­di­a­to, não te­rão ca­pa- ci­da­de de dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des. De igual mo­do, con­ti­nu­a­mos a as­sis­tir à de­te­ri­o­ra­ção do pa­pel que de­ve­rá ser de­sem­pe­nha­do pe­los cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Em par­ti­cu­lar, os Cen­tros de Ges­tão Par­ti­ci­pa­da, que ti­nham por prin­ci­pal mis­são, for­mar e re­con­ver­ter os fu­tu­ros pro­fis­si­o­nais dos vá­ri­os Se­to­res. Aliás, es­tes Cen­tros que sem­pre es­ti­ve­ram, e mui­to bem, li­ga­dos ao Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, não po­dem ser des­vir­tu­a­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, cu­ja mis­são é to­tal­men­te di­fe­ren­te. E a re­a­li­da­de de­mons­tra­va­nos que o grau de em­pre­ga­bi­li­da­de era qua­se ple­no, per­mi­tin­do-se a in­ser­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho de mi­lha­res de jo­vens cu­jas com­pe­tên­ci­as eram re­co­nhe­ci­das e, ao mes­mo tem­po, a re­con­ver­são de pro­fis­si­o­nais, adap­tan­do-os a no­vas téc­ni­cas, me­to­do­lo­gi­as e ori­en­tan­do-os pa­ra as ne­ces­si­da­des im­pos­tas por um mer­ca­do ver­da­dei­ra­men­te glo­bal. À Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, ao no­vo ci­clo de in­ves­ti­men­tos a ini­ci­ar em 2020 e à in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do Se­tor, jun­tam-se no­vos con­cei­tos e no­vas me­to­do­lo­gi­as. A Era Di­gi­tal ou da In­for­ma­ção, a In­dús­tria 4.0, a In­ter­net das Coi­sas, ca­rac­te­ri­za­das por al­te­ra­ções nas tec­no­lo­gi­as que pos­si­bi­li­tam a in­ter­li­ga­ção en­tre o mun­do fí­si­co e o di­gi­tal, te­rão im­pac­to em to­das as áre­as de ati­vi­da­de, eco­no­mi­as e in­dús­tri­as, de­sig­na­da­men­te na Cons­tru­ção.

A for­ma­ção pro­fis­si­o­nal não po­de con­ti­nu­ar a evo­luir em con­tra­ci­clo. Quan­do as em­pre­sas têm ne­ces­si­da­des não te­mos ofer­ta de téc­ni­cos pa­ra as col­ma­tar. Es­tas vêem-se con­fron­ta­das com o ris­co de não po­de­rem cor­res­pon­der ao acrés­ci­mo de ati­vi­da­de que se ve­ri­fi­ca. A for­ma­ção tem de acom­pa­nhar a eco­no­mia, sob pe­na de as em­pre­sas por­tu­gue­sas se­rem ul­tra­pas­sa­das por em­pre­sas de ou­tros paí­ses, se­ja no mer­ca­do in­ter­no, se­ja nos mer­ca­dos ex­ter­nos.

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.