Pre­ço de ha­bi­ta­ção evo­lui abai­xo da in­fla­ção

O pre­ço de ven­da das ca­sas em Por­tu­gal Con­ti­nen­tal au­men­tou 12,8% em de­zem­bro de 2017 fa­ce ao mes­mo mês do ano an­te­ri­or. No en­tan­to, man­te­ve-se abai­xo da evolução da in­fla­ção

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O pre­ço de ven­da das ca­sas em Por­tu­gal au­men­tou 12,8% em de­zem­bro do ano pas­sa­do, quan­do com­pa­ra­do com o mes­mo mês do ano an­te­ri­or, se­gun­do os da­dos do Ín­di­ce de Pre­ços Re­si­den­ci­ais (IPR) da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio. No en­tan­to, ape­sar des­ta re­cu­pe­ra­ção acen­tu­a­da, os pre­ços man­ti­ve­ram-se abai­xo da evolução da in­fla­ção. “Te­mos que sa­ber ver os re­sul­ta­dos à luz do que te­ria si­do uma evolução na­tu­ral dos pre­ços”, co­men­tou Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio (Ci). “Se o mer­ca­do ti­ves­se pros­se­gui­do uma tra­je­tó­ria de va­lo­ri­za­ção con­for­me a ta­xa de in­fla­ção (ou se­ja, va­lo­ri­za­ção re­al nu­la), não ten­do si­do atin­gi­do pe­la cri­se das dí­vi­das so­be­ra­nas”. Nes­se ce­ná­rio, en­fa­ti­za o di­re­tor, os pre­ços es­ta­ri­am ho­je num pa­ta­mar cer­ca de 13,6% “aci­ma do ob­ser­va­do efe­ti­va­men­te”, acres­cen­tou.

No co­mu­ni­ca­do apre­sen­ta­do à im­pren­sa, a Ci ex­pla­na que es­te re­sul­ta­do ob­ti­do no fi­nal do ano foi “for­te­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­lo com­por­ta­men­to dos me­ses de ju­nho e de­zem­bro de 2017, nos quais a su­bi­da men­sal de pre­ços atin­giu 2,4% e 1,6% res­pe­ti­va­men­te, as mai­o­res do úl­ti­mo ano”.

De acor­do com o IPR da Ci, os pre­ços têm vin­do a su­bir de for­ma inin­ter­rup­ta des­de ju­lho de 2016, ou se­ja, ao lon­go dos úl­ti­mos 18 me­ses. “A úl­ti­ma sé­rie com­pa­rá­vel de va­lo­ri­za­ção acon­te­ceu en­tre o fi­nal de 2002 e o co­me­ço de 2005, com um ci­clo de 26 me­ses se­gui­dos de au­men­to dos pre­ços de ven­da da ha­bi­ta­ção”. No en­tan­to, a Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio res­sal­va no do­cu­men­to en­vi­a­do à im­pren­sa que nes­se pe­río­do os pre­ços ob­ser­va­vam va­ri­a­ções mui­to con­ti­das, com va­lo­ri­za­ção ho­mó­lo­gas abai­xo de 1,5%, re­dun­dan­do nu­ma su­bi­da acu­mu­la­da de ape­nas 2,1%. “Pe­lo con­trá­rio, des­de ju­lho de 2016, os pre­ços apre­sen­tam uma su­bi­da acu­mu­la­da de 16,3%, dan­do se­gui­men­to e apro­fun­dan­do o pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção do mer­ca­do ini­ci­a­do no se­gun­do se­mes­tre de 2013, an­tes do qual os pre­ços ha­vi­am des­ci­do 21,7%”.

“A va­ri­a­ção ho­mó­lo­ga de de­zem­bro de 2017 não só é a mai­or do pre­sen­te sé­cu­lo, co­mo é mes­mo ne­ces­sá­rio re­cu­ar mais de 25 anos, mais con­cre­ta­men­te a ju­lho de 1992, pa­ra en­con­trar um re­gis­to equi­va­len­te. E por is­so, che­gan­do ao fi­nal de 2017, os pre­ços es­tão 0,9% abai­xo do pi­co má­xi­mo atin­gi­do no mer­ca­do, o que acon­te­ceu há mais de dez anos atrás, em se­tem­bro de 2007”, ex­pli­cou Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio.

O Ín­di­ce de Pre­ços Re­si­den­ci­ais (IPR) da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio é apu­ra­do a par­tir da in­for­ma­ção so­bre pre­ços efe­ti­vos de tran­sa­ções efe­ti­vos cap­ta­dos no âm­bi­to do SIR-Sis­te­ma de In­for­ma­ção Re­si­den­ci­al.

DR

De acor­do com o IPR da Ci, os pre­ços têm vin­do a su­bir de for­ma inin­ter­rup­ta des­de ju­lho de 2016, ou se­ja, ao lon­go dos úl­ti­mos 18 me­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.