Seg­men­to mé­dio/al­to con­ti­nua a ser um dos mais ati­vos em Por­tu­gal

A Quin­te­la e Pe­nal­va te­ve um ano de 2017 de cres­ci­men­to acen­tu­a­do, com um au­men­to de 69% fa­ce ao ano an­te­ri­or. Uma ten­dên­cia que os só­ci­os Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la acre­di­tam ir ter con­ti­nui­da­de em 2018

Publico - Imobiliario - - Casas De Luxo -

O mer­ca­do imo­bi­liá­rio tem vin­do a evo­luir de for­ma sus­ten­ta­da, com ex­ce­len­tes in­di­ca­do­res a cur­to e mé­dio pra­zo. E a Quin­te­la e Pe­nal­va não po­dia es­tar a apro­vei­tar es­te mo­men­to da me­lhor for­ma: 2017 foi de cres­ci­men­to acen­tu­a­do, com um au­men­to de 69% fa­ce ao ano an­te­ri­or. Uma ten­dên­cia que os só­ci­os Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la acre­di­tam ir ter con­ti­nui­da­de em 2018.

Mas ape­sar do ano se avi­zi­nhar ex­ce­len­te, os dois só­ci­os ad­mi­tem que vai igual­men­te ser de­sa­fi­an­te, até por­que, “ao con­trá­rio do ano que pas­sou, a ofer­ta vai au­men­tar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te e to­dos os cli­en­tes que an­tes não ti­nham tan­ta es­co­lha, vão pas­sar a ter, daí o de­sa­fio dos me­di­a­do­res ser mai­or”. Por ou­tro la­do, ad­mi­tem que, atu­al­men­te, há que dar res­pos­ta a um le­que mui­to mais abran­gen­te do ti­po de in­ves­ti­do­res, mais exi­gen­tes e ino­va­do­res.

“A bus­ca cons­tan­te pe­la me­lho­ria dos nos­sos ser­vi­ços é tam­bém um de­sa­fio diá­rio que nos des­ta­ca pe­la di­fe­ren­ci­a­ção fa­ce à con­cor­rên­cia”.

A di­fe­ren­ci­a­ção

Pre­ci­sa­men­te pa­ra se di­fe­ren­ci­ar da con­cor­rên­cia, a Quin­te­la e Pe­nal­va usa va­lo­res que as­sen­tam na con­fi­an­ça, na ex­ce­lên­cia e no mé­ri­to. “So­mos mui­to fo­ca­dos na per­so­na­li­za­ção dos nos­sos ser­vi­ços e es­ta­mos mui­to aten­tos às ne­ces­si­da­des dos nos­sos cli­en­tes. O fac­to de ser­mos uma em­pre­sa 100% por­tu­gue­sa per­mi­te-nos dar res­pos­ta ime­di­a­ta às ten­dên­ci­as e exi­gên­ci­as do mer­ca­do”. Des­te mo­do, a apos­ta da em­pre­sa é na di­fe­ren­ci­a­ção, na pro­a­ti­vi­da­de e na qua­li­da­de dos ser­vi­ços. “Um ex­ce­len­te exem­plo dis­so é o nos­so de­par­ta­men­to de Con­ci­er­ge & Re­lo­ca­ti­on, que ofe­re­ce aos cli­en­tes que quei­ram vi­ver ou in­ves­tir em Por­tu­gal uma sé­rie de ser­vi­ços per­so­na­li­za­dos, ino­va­do­res e de ex­ce­lên­cia”.

Por ou­tro la­do, Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la en­fa­ti­zam o fac­to de te­rem os me­lho­res pro­fis­si­o­nais. “Te­mos vin­do a apos­tar mui­to na for­ma­ção e na cap­ta­ção de no­vos ta­len­tos. Es­ta­mos a cons­truir uma equi­pa mui­to con­sis­ten­te, de pes­so­as pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os se­to­res de ati­vi­da­de, que nos en­ri­que­cem e da qual mui­to nos or­gu­lha­mos”.

Por­to em ex­pan­são

O seg­men­to mé­dio/al­to con­ti­nua a ser um dos mais ati­vos em Por­tu­gal, di­zem am­bos os só­ci­os, ex­pli­can­do que apre­sen­ta va­lo­ri­za­ção de pre­ços até 20% nas prin­ci­pais zo­nas de Lis­boa, co­mo a Av. da Li­ber­da­de, Chi­a­do ou Prín­ci­pe Re­al. “O Por­to tam­bém es­tá em ex­pan­são e com mai­or ofer­ta do que em Lis­boa. Os cli­en­tes por­tu­gue­ses con­ti­nu­am a li­de­rar nes­te seg­men­to, res­pon­sá­veis por cer­ca de 60% das nos­sas tran­sa­ções”.

Den­tro do mer­ca­do de lu­xo, re­a­bi­li­tar con­ti­nua a ser uma ten­dên­cia. “O se­tor de lu­xo tem-se vin­do a apri­mo­rar de­vi­do à exi­gên­cia dos cli­en­tes, es­pe­ci­al­men­te in­ter­na­ci­o­nais, no que con­cer­ne aos layouts dos apar­ta­men­tos e pré­di­os ou aos seus aca­ba­men­tos que já en­tram co­mo sen­do pre­mium”.

Aliás, Por­tu­gal é ‘trendy’, di­zem Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la. “Es­ta­mos fi­nal­men­te no ma­pa e te­mos um país mui­to atra­ti­vo: com imen­sa his­tó­ria ar­qui­te­tó­ni­ca e di­ver­si­da­de; boa gas­tro­no­mia; um cli­ma ame­no; se­gu­ran­ça e, ob­vi­a­men­te,

Os cli­en­tes por­tu­gue­ses con­ti­nu­am a li­de­rar o seg­men­to mé­dio/al­to, sen­do res­pon­sá­veis por cer­ca de 60% das tran­sa­ções da Quin­te­la e Pe­nal­va

be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais. To­dos es­tes fa­to­res po­ten­ci­am ine­vi­ta­vel­men­te a pro­cu­ra aos mais di­ver­sos per­fis de in­ves­ti­do­res e na­ci­o­na­li­da­des”.

In­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros cres­cem

Ape­sar dos in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais as­se­gu­ra­rem a mai­or fa­tia do mer­ca­do, os in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais fo­ram res­pon­sá­veis, na Quin­te­la e Pe­nal­va, por 40% das tran­sa­ções em 2017, o que re­pre­sen­tou mais 13% que no ano an­te­ri­or, “dan­do a re­le­vân­cia me­re­ci­da ao nos­so de­par­ta­men­to in­ter­na­ci­o­nal, as­sim co­mo o de Con­ci­er­ge e Re­lo­ca­ti­on, que tem vin­do a tra­zer mai­or qua­li­da­de de ser­vi­ço aos nos­sos cli­en­tes, prin­ci­pal­men­te os es­tran­gei­ros”.

Os só­ci­os re­ve­la­ram es­ta­rem a tra­ba­lhar mai­o­ri­ta­ri­a­men­te com cli­en­tes de na­ci­o­na­li­da­de chi­ne­sa, bra­si­lei­ra, tur­ca, ame­ri­ca­na, in­gle­sa, fran­ce­sa e tam­bém do Mé­dio Ori­en­te.

De res­to, no en­ten­der de Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la, as pes­so­as já per­ce­be­ram que, atu­al­men­te, in­ves­tir em ati­vos imo­bi­liá­ri­os em Por­tu­gal é mais atra­ti­vo e se­gu­ro, em ter­mos de ren­di­men­tos, do que in­ves­tir em ati­vos fi­nan­cei­ros. “A ins­ta­bi­li­da­de ge­o­po­lí­ti­ca e do se­tor fi­nan­cei­ro faz com que ca­da vez mais in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros e por­tu­gue­ses apos­tem em ati­vos re­ais, co­mo é o ca­so do imo­bi­liá­rio”.

Ob­je­ti­vos pa­ra 2018

Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la acre­di­tam no fu­tu­ro pro­mis­sor do imo­bi­liá­rio por­tu­guês mas, aci­ma de tu­do, acre­di­tam na de­di­ca­ção e no com­pro­mis­so da Quin­te­la e Pe­nal­va. “Qu­e­re­mos cres­cer de for­ma sus­ten­ta­da e so­bre­tu­do qua­li­ta­ti­va! De den­tro pa­ra fo­ra. Man­ter e in­ten­si­fi­car a qua­li­da­de dos nos­sos ser­vi­ços as­sim co­mo o da nos­sa equi­pa, de for­ma a res­pon­der de for­ma úni­ca às ne­ces­si­da­des dos nos­sos cli­en­tes”.

DR

Car­los Pe­nal­va e Fran­cis­co Quin­te­la, só­ci­os da Pe­nal­va e Quin­te­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.