Ur­gên­cia no re­gres­so à cons­tru­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Lima

Uma das mai­o­res em­pre­sas de cons­tru­ção chi­ne­sas, a Chi­na Sta­te Cons­truc­ti­on En­gi­ne­e­ring Cor­po­ra­ti­on (CSEC), abriu no iní­cio do ano, uma su­cur­sal em Por­tu­gal.

Es­ta com­pa­nhia que é uma das mai­o­res do mun­do, che­ga a Por­tu­gal nu­ma al­tu­ra em que o sec­tor imo­bi­liá­rio vi­ve uma di­nâ­mi­ca ine­gá­vel, e em que a ne­ces­si­da­de de re­gres­sar à cons­tru­ção no­va se tor­na ca­da mais im­pe­ra­ti­va.

Em 2017, fo­ram li­cen­ci­a­dos 13.918 fo­gos pa­ra cons­tru­ção no­va, pra­ti­ca­men­te 1/10 do nú­me­ro de fo­gos li­cen­ci­a­dos em 2001, e a ne­ces­si­da­de de re­no­var o stock imo­bi­liá­rio é ca­da vez mais ur­gen­te, so­bre­tu­do no cen­tro das ci­da­des em que a pro­cu­ra se tem so­bre­pos­to à ofer­ta exis­ten­te, mo­ti­van­do um au­men­to de pre­ços que es­tão de­sa­de­qua­dos às ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra da gran­de mai­o­ria das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

É por is­so in­dis­pen­sá­vel que se cons­trua, no­me­a­da­men­te nas zo­nas li­mí­tro­fes das ci­da­des, por for­ma a ser pos­sí­vel su­prir as ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra que não pa­ra de cres­cer. Uma cons­tru­ção que de­ve pen­sa­da e res­pon­sá­vel, e que te­nha em con­ta os cri­té­ri­os da pro­cu­ra.

Tal não sig­ni­fi­ca que a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na não con­ti­nue a ser in­dis­pen­sá­vel. É, mas já não che­ga pa­ra dar res­pos­ta as ca­rên­ci­as que ho­je exis­tem, que se pren­dem com a ne­ces­si­da­de de co­lo­car no mer­ca­do ati­vos que pos­sam ser su­por­ta­dos pe­la clas­se mé­dia/mé­dia bai­xa, que se vê com ca­da vez mais di­fi­cul­da­des em en­con­trar so­lu­ções de ha­bi­ta­ção.

Es­tou cer­to que há pro­ble­mas que nun­ca se­rá o mer­ca­do a re­sol­ver por ele mes­mo, e um des­tes pro­ble­mas é a di­fi­cul­da­de que es­tes jo­vens e fa­mí­li­as ho­je em en­fren­tam, não só pa­ra quem quer pa­ra com­prar, mas tam­bém pa­ra ar­ren­dar ca­sa. A so­lu­ção tem que pas­sar obri­ga­to­ri­a­men­te pe­la mão do Es­ta­do, quer por via do Po­der Cen­tral, quer por via das Au­tar­qui­as, que nun­ca ti­ve­ram tan­ta re­cei­ta fis­cal li­ga­da ao imo­bi­liá­rio co­mo ho­je.

Por is­so, es­ta “ár­vo­re das pa­ta­cas” que é o sec­tor imo­bi­liá­rio, po­de e de­ve ser di­ri­gi­da pa­ra o apoio a quem mais ne­ces­si­ta, atra­vés da dis­po­ni­bi­li­za­ção de in­cen­ti­vos à cons­tru­ção e à co­lo­ca­ção des­tes ati­vos no mer­ca­do a pre­ços aces­sí­veis.

A re­po­si­ção de stock imo­bi­liá­rio é im­pe­ra­ti­va, e se­rá po­si­ti­va pa­ra o pró­prio mer­ca­do que te­rá me­lho­res con­di­ções pa­ra ali­vi­ar os pre­ços que es­tão a ser pra­ti­ca­dos, con­se­guin­do afas­tar even­tu­ais “bo­lhi­nhas” es­pe­cu­la­ti­vas, e fa­ci­li­tan­do a exis­tên­cia de um cres­ci­men­to mais sus­ten­ta­do que não com­pro­me­ta o bom mo­men­to que ho­je vi­ve­mos.

Não de­ve­mos es­que­cer um pas­sa­do bem re­cen­te em que, con­tra to­das as pre­vi­sões con­se­gui­mos pas­sar “en­tre os pin­gos da chu­va” de uma even­tu­al bo­lha imo­bi­liá­ria. Uma bo­lha que não exis­tiu, co­mo sem­pre dis­se, mas que não sig­ni­fi­ca que não ve­nha a cri­ar-se em de­ter­mi­na­das zo­nas, não pe­la des­va­lo­ri­za­ção for­ça­da dos pre­ços mas sim pe­lo seu cres­ci­men­to abrup­to.

Di­fi­cil­men­te vi­ve­re­mos um ce­ná­rio de uma ver­da­dei­ra bo­lha imo­bi­liá­ria, até por­que as di­nâ­mi­cas imo­bi­liá­ri­as no nos­so país são mui­to di­fe­ren­tes de nor­te a sul, mas es­tas “mi­cro-bo­lhi­nhas” que se vão cri­an­do nas prin­ci­pais ci­da­des são pre­o­cu­pan­tes pa­ra quem, co­mo eu, gos­ta­va de ver o mer­ca­do a cres­cer sem eu­fo­ri­as des­me­di­das e de uma for­ma sus­ten­ta­da.

É por is­so in­dis­pen­sá­vel que se cons­trua, no­me­a­da­men­te nas zo­nas li­mí­tro­fes das ci­da­des, por for­ma a ser pos­sí­vel su­prir as ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra que não pa­ra de cres­cer.

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.