Ci­da­des e ter­ri­tó­ri­os in­te­li­gen­tes

Publico - Imobiliario - - Opinião -

As áre­as ur­ba­nas ocu­pam, nos di­as de ho­je, cer­ca de 2% da su­per­fí­cie do pla­ne­ta, al­ber­gan­do 50% da po­pu­la­ção to­tal. Es­ti­ma-se que os flu­xos mi­gra­tó­ri­os das áre­as ru­rais au­men­ta­rão a po­pu­la­ção ur­ba­na dos atu­ais 50% pa­ra 80% do to­tal, nos pró­xi­mos 25 anos. Is­to sig­ni­fi­ca que nos pró­xi­mos 35 anos, as ci­da­des do mun­do au­men­ta­rão sua po­pu­la­ção em 2,5 bi­liões de pes­so­as, nu­ma ten­dên­cia que en­vol­ve­rá, em di­fe­ren­tes ve­lo­ci­da­des, a ge­ne­ra­li­da­de dos paí­ses do mun­do. Exi­ge-se, por is­so, pla­ne­a­men­to e ca­pa­ci­da­de de an­te­ci­pa­ção, que per­mi­ta dar a res­pos­ta ade­qua­da às po­pu­la­ções. Qua­li­da­de de vi­da, oti­mi­za­ção de re­cur­sos na­tu­rais, efi­ci­ên­cia tec­no­ló­gi­ca, am­bi­en­tal e mo­bi­li­da­de, são as­pe­tos que te­rão de ser con­si­de­ra­dos no pen­sa­men­to e de­sen­vol­vi­men­to atu­al das “no­vas” ci­da­des.

Uti­li­za-se o con­cei­to de “Ci­da­de In­te­li­gen­te” pa­ra iden­ti­fi­car a ine­vi­ta­bi­li­da­de do ca­mi­nho a se­guir. As ci­da­des as­su­mem uma no­va re­a­li­da­de, fru­to da ne­ces­si­da­de de com­bi­nar edi­fí­ci­os e in­fra­es­tru­tu­ras sus­ten­tá­veis, ofer­ta ha­bi­ta­ci­o­nal di­ver­si­fi­ca­da, es­pa­ços ver­des e res­pei­to pe­lo am­bi­en­te, se­gu­ran­ça, saú­de, edu­ca­ção, jus­ti­ça e equi­pa­men­tos so­ci­ais que se jun­ta, en­quan­to ri­que­za en­dó­ge­na, o pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co e cul­tu­ral, o des­por­to, re­creio e la­zer, co­mér­cio e ser­vi­ços, restauração e ca­pa­ci­da­de ho­te­lei­ra. Es­tá em cau­sa, uma eco­no­mia lo­cal ori­en­ta­da por e pa­ra ob­je­ti­vos con­cre­tos, uma ges­tão e or­ga­ni­za­ção in­te­gra­da, uma re­de tec­no­ló­gi­ca ino­va­do­ra e mo­de­los de go­ver­nan­ça co­nhe­ce­do­res das re­a­li­da­des lo­cais com res­pos­tas rá­pi­das e ade­qua­das aos pro­ble­mas e de­sa­fi­os que se co­lo­cam nos es­pa­ços ur­ba­nos.

Ou se­ja, têm de ser es­pa­ços di­nâ­mi­cos, aber­tos, com ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção a con­tex­tos em per­ma­nen­te mu­dan­ça, que, me­di­an­te um pla­ne­a­men­to es­tra­té­gi­co e a com­bi­na­ção de in­ves­ti­men­to pú­bli­co e pri­va­do, con­tri­bu­am de­ci­si­va­men­te pa­ra o su­ces­so e a qua­li­da­de de vi­da dos seus ci­da­dãos.

A im­por­tân­cia das ci­da­des é evi­den­te e, num País co­mo Por­tu­gal, mais re­le­van­te se tor­na. Es­ta­mos a fa­lar de um ter­ri­tó­rio que, da cos­ta à fron­tei­ra in­te­ri­or, tem cer­ca de 200 qui­ló­me­tros e cu­jas as­si­me­tri­as, pro­vo­ca­das pe­la cha­ma­da in­te­ri­o­ri­da­de, de­ve­rão ser ate­nu­a­das. Não so­mos um País mui­to gran­de em di­men­são ge­o­grá­fi­ca, mas o nos­so ter­ri­tó­rio é enor­me na sua di­ver­si­da­de e iden­ti­da­de, ati­vos en­dó­ge­nos va­li­o­sos e que de­vem ser pre­ser­va­dos. Mas tam­bém não po­de­mos ig­no­rar fa­to­res crí­ti­cos co­mo a bai­xa den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal e o fra­co de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co de mui­tos dos nos­sos es­pa­ços, pe­lo que há que pen­sar as ci­da­des em re­de, as­su­min­do a sua com­ple­men­ta­ri­da­de, pers­pe­ti­van­do a co­e­são ter­ri­to­ri­al de uma for­ma in­te­gra­do­ra e in­te­li­gen­te. Es­tá em cau­sa a pre­ser­va­ção de uma ri­que­za na­ci­o­nal, da nos­sa iden­ti­da­de co­le­ti­va, his­tó­ri­ca e cul­tu­ral.

Nes­te con­tex­to, es­ta­mos pe­ran­te uma opor­tu­ni­da­de úni­ca. Da­da a di­nâ­mi­ca que o mer­ca­do imo­bi­liá­rio es­tá a co­nhe­cer, es­te é o mo­men­to cer­to pa­ra dar di­men­são às “ci­da­des in­te­li­gen­tes”, de­sen­ca­de­an­do um ver­da­dei­ro pro­ces­so de “Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel”. A sus­ten­ta­bi­li­da­de, a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, a boa Ges­tão do Es­pa­ço Ur­ba­no e do Sis­te­mas de Mo­bi­li­da­de, ener­gia, água, re­sí­du­os e a in­cor­po­ra­ção de Tec­no­lo­gi­as que per­mi­tem re­du­zir Cus­tos de Con­tex­to e, in­clu­si­va­men­te, fo­men­tar o em­pre­en­de­do­ris­mo, a ino­va­ção e a par­ti­ci­pa­ção cí­vi­ca. Es­te é um de­sa­fio pa­ra o pre­sen­te que de­ve­rá com­bi­nar a vi­são pre­ten­di­da pe­la “No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas de Ha­bi­ta­ção” e as pri­o­ri­da­des a con­cre­ti­zar no no­vo ci­clo de pro­gra­ma­ção dos Fun­dos Co­mu­ni­tá­ri­os, no de­ba­te que es­tá a ser fei­to pa­ra o pe­río­do pós 2020.

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.