A re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na na promoção imo­bi­liá­ria

Publico - Imobiliario - - Direito Imobiliário -

As ope­ra­ções ur­ba­nís­ti­cas de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na be­ne­fi­ci­am de um re­gi­me ju­rí­di­co es­pe­cí­fi­co que foi con­sa­gra­do no De­cre­to-Lei n.º 307/2009, de 23 de ou­tu­bro.

De acor­do com aque­le di­plo­ma, um dos ins­tru­men­tos mais re­le­van­tes de promoção da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na é a de­li­mi­ta­ção pe­los mu­ni­cí­pi­os das cha­ma­das Áre­as de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (ARU), que cor­res­pon­de à iden­ti­fi­ca­ção de uma zo­na do ter­ri­tó­rio mu­ni­ci­pal que, em vir­tu­de da de­gra­da­ção do edi­fi­ca­do, das in­fra­es­tru­tu­ras, dos equi­pa­men­tos pú­bli­cos e dos es­pa­ços ver­des, ca­re­ça de in­ter­ven­ção, pú­bli­ca e/ou pri­va­da, no sen­ti­do da sua re­a­bi­li­ta­ção.

A de­li­mi­ta­ção das ARUs im­pli­ca que se­jam fi­xa­dos, pe­lo res­pe­ti­vo mu­ni­cí­pio os be­ne­fí­ci­os fis­cais as­so­ci­a­dos às ope­ra­ções de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na no que con­cer­ne a im­pos­tos mu­ni­ci­pais, no­me­a­da­men­te o IMI e o IMT.

No­te-se, po­rém, que a ob­ten­ção de tais be­ne­fí­ci­os de­pen­de da ve­ri­fi­ca­ção de um con­jun­to de re­qui­si­tos que te­rão que ser re­co­nhe­ci­dos pe­la câ­ma­ra mu­ni­ci­pal e co­mu­ni­ca­dos à Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT).

As­sim, o pro­pri­e­tá­rio te­rá que re­que­rer à câ­ma­ra mu­ni­ci­pal que pro­ce­da à afe­ri­ção do es­ta­do de con­ser­va­ção do imó­vel an­tes e de­pois da ope­ra­ção de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na.

Atu­al­men­te, a isen­ção de IMI ape­nas se apli­ca às si­tu­a­ções em que o imó­vel re­a­bi­li­ta­do é, por sua vez, afe­to a ha­bi­ta­ção pró­pria per­ma­nen­te do pro­pri­e­tá­rio ou a ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te.

Por ou­tro la­do, em re­la­ção à isen­ção de IMT, exis­tem du­as si­tu­a­ções dis­tin­tas, na me­di­da em que tal isen­ção po­de ve­ri­fi­car-se na com­pra do imó­vel an­tes da re­a­bi­li­ta­ção ou na pri­mei­ra trans­mis­são do imó­vel após a sua re­a­bi­li­ta­ção.

Em am­bos os ca­sos, a isen­ção cor­res­pon­de ao re­em­bol­so do im­pos­to pa­go, já que ape­nas te­rá lu­gar após o pa­ga­men­to do res­pe­ti­vo IMT, em vez

Atu­al­men­te, a isen­ção de IMI ape­nas se apli­ca às si­tu­a­ções em que o imó­vel re­a­bi­li­ta­do é, por sua vez, afe­to a ha­bi­ta­ção pró­pria per­ma­nen­te do pro­pri­e­tá­rio ou a ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te

Rui Ri­bei­ro Lima

An­tó­nio Queiroz Mar­tins

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.