Mil­len­nium bcp le­va €6,6 mi­lhões em imó­veis in­dus­tri­ais a con­cur­so por car­ta fe­cha­da

Ban­co pro­mo­ve ação com apoio da Eu­ro Es­ta­tes. São cin­co ar­ma­zéns e um ter­re­no in­dus­tri­al nos dis­tri­tos de Leiria, Setúbal, Lisboa, San­ta­rém e Fa­ro, com va­lo­res de €650 mil a €1,5 mi­lhões.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

Nu­ma al­tu­ra em que a ofer­ta do mer­ca­do de imo­bi­liá­rio lo­gís­ti­co e in­dus­tri­al co­me­ça a mos­trar-se li­mi­ta­da pe­ran­te uma pro­cu­ra im­pul­si­o­na­da pe­las me­lho­ri­as na ati­vi­da­de de pro­du­ção in­dus­tri­al e no cres­ci­men­to do co­mér­cio a re­ta­lho, o Mil­len­nium bcp es­tá a pro­mo­ver, com o apoio da Eu­ro Es­ta­tes, a ven­da de vá­ri­os imó­veis des­te ti­po atra­vés de con­cur­so por car­ta fe­cha­da. Se­rão al­vo des­ta ação, cin­co ar­ma­zéns e um ter­re­no si­tu­a­dos em zo­nas in­dus­tri­ais de re­fe­rên­cia nos dis­tri­tos de Lisboa, Setúbal, Fa­ro, San­ta­rém e Leiria, com pre­ços (va­lor de saí­da) que va­ri­am en­tre os €650 mil (ca­so do ter­re­no) e os €1,5 mi­lhões, e áre­as bru­tas pri­va­ti­vas en­tre 3.000 e 10.800 m2, além do ter­re­no que per­mi­te uma área bru­ta de cons­tru­ção de 21.450 m2.

A me­câ­ni­ca des­te ti­po de ini­ci­a­ti­va é sim­ples, con­for­me ex­pli­ca Di­o­go Pit­ta Li­vé­rio, Di­re­tor Co­mer­ci­al da Eu­ro Es­ta­tes, que di­na­mi­za e or­ga­ni­za to­do o pro­ces­so de ven­da. Os in­te­res­sa­dos de­ve­rão re­me­ter (pa­ra os es­cri­tó­ri­os da Eu­ro Es­ta­tes) uma pro­pos­ta de va­lor em car­ta fe­cha­da até às 18h do dia an­te­ri­or mar­ca­do pa­ra a aber­tu­ra das car­tas, que se­rão o dia 10 de abril, (às 18h) na su­cur­sal do Ban­co em Olhão, pa­ra o imó­vel si­tu­a­do nes­te con­ce­lho al­gar­vio; e o dia 11 de abril (igual­men­te às 18 h) no Ho­tel Vip Gran­de Lisboa no ca­so de qua­tro ar­ma­zéns e do ter­re­no. Ain­da as­sim, no pró­prio dia da ses­são pú­bli­ca de aber­tu­ra das car­tas, po­dem tam­bém ser en­tre­gues pro­pos­tas no lo­cal (até às 17h). ”Os pro­po­nen­tes se­rão en­tão con­vi­da­dos a as­sis­ti­rem à aber­tu­ra das pro­pos­tas”, po­den­do se­guir-se, ime­di­a­ta­men­te, um lei­lão pre­sen­ci­al, se “fa­ce à me­lhor pro­pos­ta, se ve­ri­fi­car a exis­tên­cia de ou­tras vá­li­das com o mes­mo va­lor ou di­fe­ren­ça igual ou in­fe­ri­or a 10%”, ex­pli­ca Di­o­go Pit­ta Li­vé­rio. “Nes­te ca­so, a ven­da se­rá ad­ju­di­ca­da ao li­ci­tan­te que ofe­re­ça o va­lor mais ele­va­do. Se a me­lhor pro­pos­ta co­brir o va­lor pretendido pe­lo Ban­co, po­de­rá ser ime­di­a­ta­men­te ar­re­ma­ta­do”, diz es­te pro­fis­si­o­nal.

Pa­ra já, “te­mos po­ten­ci­ais cli­en­tes que de­mons­tram in­te­res­se” nes­tes ati­vos, co­men­ta Di­o­go Pit­ta Li­vé­rio, que con­si­de­ra que “o principal cli­en­te pos­sa ser o uti­li­za­dor fi­nal, uma vez que se tra­ta de um pro­du­to mui­to es­pe­cí­fi­co com um mer­ca­do mui­to di­re­ci­o­na­do”. Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das - Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Ban­co, acres­cen­ta que “pa­ra aqui­si­ção di­re­ta, des­ta­ca-se o uni­ver­so em­pre­sa­ri­al com al­gu­ma di­men­são, so­bre­tu­do de em­pre­sas de dis­tri­bui­ção por gros­so e ar­ma­ze­nis­tas de se­to­res di­ver­sos”. Ain­da as­sim, o res­pon­sá­vel con­si­de­ra que “exis­te tam­bém es­pa­ço pa­ra aqui­si­ção por in­ves­ti­do­res com vis­ta ao ar­ren­da­men­to, até por­que al­gu­mas em­pre­sas, na­ci­o­nais mas so­bre­tu­do in­ter­na­ci­o­nais, pre­fe­rem cla­ra­men­te es­ta op­ção de ocu­pa­ção”, diz.

As pers­pe­ti­vas re­la­ti­va­men­te à ven­da dos imó­veis por via de con­cur­so por car­ta fe­cha­da são en­ca­ra­das com oti­mis­mo. Te­mos “ex­pe­ta­ti­vas for­tes de bons re­sul­ta­dos”, ten­do em con­ta “a ex­pe­ri­ên­cia do nos­so par­cei­ro”, no­ta Ra­mi­ro Go­mes, mas tam­bém pe­lo fac­to do mo­de­lo em cau­sa “dei­xar a hi­pó­te­se a to­dos os in­te­res­sa­dos de fa­ze­rem a sua me­lhor pro­pos­ta sem as di­vul­ga­rem ao mer­ca­do e aos seus con­cor­ren­tes, co­lo­can­do-os em com­pe­ti­ção pe­lo imó­vel”, diz.

O con­cur­so de dia 10, em Olhão, con­tem­pla pro­pos­tas pa­ra um ar­ma­zém com­pos­to por cin­co fra­ções, si­tu­a­do na fre­gue­sia de Pe­chão, na EN125, en­tre Olhão e Fa­ro, nu­ma zo­na on­de exis­tem edi­fí­ci­os si­mi­la­res com co­mér­cio va­ri­a­do e bons aces­sos. O va­lor de saí­da des­te imó­vel é de €1.500.000, o mais ele­va­do do con­jun­to de ati­vos que se­rão al­vo des­te pro­ce­di­men­to por car­ta fe­cha­da.

No con­cur­so de dia 11, em Lisboa, es­tá en­vol­vi­da, uma ins­ta­la­ção in­dus­tri­al em Pa­tai­as (Al­co­ba­ça), na zo­na in­dus­tri­al de Bu­ri­nho­sa, que con­ju­ga vá­ri­as naves num to­tal de 10.812 m2 , a que acres­cem cer­ca de 5.000 m2 de lo­gra­dou­ro, com um va­lor de saí­da na or­dem dos €1.365.000. No dis­tri­to de Setúbal, es­tá um ati­vo em Pal­me­la, na zo­na in­dus­tri­al Va­le do Ale­crim, com uma área de 4.380 m2 , com um va­lor de saí­da de €850.000; bem co­mo um ter­re­no com 71.500 m2 (que per­mi­te uma área bru­ta de cons­tru­ção de 21.450 m2 ) si­tu­a­do na zo­na in­dus­tri­al da Mi­tre­na, jun­to ao rio Sa­do, com um va­lor da saí­da de €650.000. No dis­tri­to de Lisboa, in­clui-se um edi­fí­cio si­tu­a­do na zo­na in­dus­tri­al de San­ta Iria da Azóia (Lou­res), per­to da es­ta­ção de com­boi­os e da EN10, em ven­da por €1.116.000 e uma área apro­xi­ma­da de 3.000 m2 e 450 m2 de lo­gra­dou­ro, com pos­sí­vel uso pa­ra es­cri­tó­ri­os e co­mér­cio. Ain­da in­te­gra­do nes­ta ação de dia 11, es­tá um imó­vel com cer­ca de 3.300 m2 , a que acres­cem cer­ca de 2.100 m2 de lo­gra­dou­ro, si­tu­a­do na zo­na in­dus­tri­al da Quin­ta do Mo­cho, em San­ta­rém, em ven­da por um va­lor ba­se de €1.150.000.

MIL­LEN­NIUM BCP

A ven­da dos ati­vos por car­ta fe­cha­da te­rá lu­gar nos di­as 10 e 11 de abril.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.