In­dús­tria na­ci­o­nal foi a que mais au­men­tou pro­du­ção na Eu­ro­pa

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

A pro­du­ção das fá­bri­cas por­tu­gue­sas au­men­tou 2,5% em ja­nei­ro (fa­ce ao mês an­te­ri­or), re­gis­tan­do o mai­or cres­ci­men­to na Eu­ro­pa, de acor­do com os da­dos mais re­cen­tes do Eu­ros­tat. A per­for­man­ce do se­tor in­dus­tri­al na­ci­o­nal es­te­ve mes­mo em con­tra­ci­clo à mé­dia Eu­ro­peia, que re­gis­tou des­ci­das quer no con­tex­to da União Eu­ro­peia (UE), quer da Zo­na Eu­ro, com recuos men­sais de 0,7% e 1,0% no pri­mei­ro mês do ano. Tam­bém em ter­mos ho­mó­lo­gos, as fá­bri­cas na­ci­o­nais au­men­ta­ram a sua pro­du­ção (+2,3% fa­ce a ja­nei­ro de 2017), em­bo­ra nes­te ca­so se man­te­nham ali­nha­das li­gei­ra­men­te em bai­xa com a re­a­li­da­de eu­ro­peia, com­pa­ran­do com o cres­ci­men­to agre­ga­do de 2,7% na Zo­na Eu­ro e 3,0% na UE. De acor­do com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), tam­bém o vo­lu­me de ne­gó­ci­os ge­ra­do na in­dús­tria na­ci­o­nal au­men­tou em ja­nei­ro, avan­çan­do 3,4% fa­ce ao mes­mo mês de 2017, so­bre­tu­do in­flu­en­ci­a­do pe­las ven­das pa­ra os mer­ca­dos ex­ter­nos, que au­men­ta­ram 5,9% (4,2% no mês an­te­ri­or), já que no mer­ca­do in­ter­no, o cres­ci­men­to ho­mó­lo­go abran­dou (de 3,1% em de­zem­bro pa­ra 1,7% em ja­nei­ro). O se­tor das ener­gi­as foi o úni­co que re­cu­ou nes­te mês (-12,6%), já que quer nos bens de con­su­mo, quer nos in­ter­mé­di­os e de in­ves­ti­men­to, as ven­das cres­ce­ram, com es­te úl­ti­mo a au­men­tar a dois dí­gi­tos (24,8%).

O mo­men­to de cres­ci­men­to da in­dús­tria na­ci­o­nal tem vin­do a cap­tar o in­te­res­se de in­ves­ti­do­res, com o in­ves­ti­men­to pa­ra pro­du­ção in­dus­tri­al an­ga­ri­a­do pe­la AICEP a dis­pa­rar 85% em 2017, pa­ra “o má­xi­mo em se­te anos, nos 1.550 mi­lhões de eu­ros”, de acor­do com o pre­si­den­te des­te or­ga­nis­mo, Luís Cas­tro Hen­ri­ques, em de­cla­ra­ções à agên­cia Reuters.

O di­na­mis­mo da ati­vi­da­de na in­dús­tria, a par do cres­ci­men­to do con­su­mo e do co­mér­cio on­li­ne (e, por es­sa via, das ne­ces­si­da­des de ar­ma­ze­na­men­to e dis­tri­bui­ção), de­vem tam­bém co­me­çar a re­fle­tir­se na pro­cu­ra de es­pa­ços imo­bi­liá­ri­os, so­bre­tu­do es­te ano, já que até “à da­ta o mer­ca­do imo­bi­liá­rio in­dus­tri­al não tem re­fle­ti­do a for­te ati­vi­da­de ao ní­vel em­pre­sa­ri­al”, no­ta a Cush­man & Wa­ke­fi­eld (C&W) num re­la­tó­rio re­cen­te. De acor­do com es­ta con­sul­to­ra, “os anos de crise re­sul­ta­ram nu­ma ocu­pa­ção por par­te dos pro­pri­e­tá­ri­os e ope­ra­do­res lo­gís­ti­cos mui­to abai­xo das to­tais ca­pa­ci­da­des dos imó­veis, o que per­mi­tiu um cres­ci­men­to da ati­vi­da­de no pós-crise sem re­cur­so a no­vos ar­ren­da­men­tos”. Pa­ra­le­la­men­te, a promoção des­te ti­po de imó­veis tam­bém es­tag­nou fa­ce à des­ci­da da pro­du­ção in­dus­tri­al e do con­su­mo até 2013, mas che­ga­dos a 2017, os da­dos apon­tam pa­ra “uma pos­sí­vel vi­ra­gem no ci­clo, com um au­men­to da pro­cu­ra e dos es­pa­ços tran­sa­ci­o­na­dos”. Por is­so, no atu­al ce­ná­rio de es­cas­sez de ofer­ta, “as em­pre­sas de­ve­rão en­cai­xar-se nos es­pa­ços exis­ten­tes ou pro­cu­rar o ar­ren­da­men­to de ar­ma­zéns de se­gun­da li­nha”, acres­cen­ta a con­sul­to­ra CBRE nou­tro es­tu­do. Nes­te con­tex­to, os pro­du­tos na car­tei­ra da Ban­ca, por es­ta­rem dis­po­ní­veis pa­ra uso ime­di­a­to, po­dem ser uma “opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­to mui­to atra­ti­va, es­pe­ci­al­men­te pa­ra o com­pra­dor- ocu­pan­te”, no­ta Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, em cu­ja car­tei­ra de de­sin­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio os imó­veis in­dus­tri­ais/ar­ma­zéns têm um pe­so de 3% e, “se so­mar­mos os ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção, so­be pa­ra 24,5%”. O Ban­co es­tá ago­ra a pro­mo­ver uma ação de pro­pos­tas por car­ta fe­cha­da pa­ra um con­jun­to de imó­veis ( des­te ti­po de uso, des­ta­can­do que “se tra­tam de ati­vos com uma ex­ce­len­te lo­ca­li­za­ção fa­ce aos prin­ci­pais ei­xos ro­do­viá­ri­os e fer­ro­viá­ri­os, e não mui­to dis­tan­tes de gran­des ci­da­des co­mo Lisboa, Leiria, San­ta­rém, Setúbal ou Fa­ro”. E, aci­ma de tu­do, que “es­tão dis­po­ní­veis pa­ra ocu­pa­ção, sen­do al­ter­na­ti­vas mui­to in­te­res­san­tes à cons­tru­ção de raiz pa­ra os po­ten­ci­ais in­te­res­sa­dos em de­sen­vol­ver uma ati­vi­da­de in­dus­tri­al, até ten­do em con­ta os cus­tos e os pro­ces­sos bu­ro­crá­ti­cos que en­vol­ve uma cons­tru­ção no­va “, ter­mi­na Ra­mi­ro Go­mes.

ver tex­to pag. 6)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.