Mer­ca­dos es­tão mais re­ce­ti­vos a pro­du­tos de va­lor acres­cen­ta­do

Os con­su­mi­do­res es­tão a afas­tar-se dos pro­du­tos es­tri­ta­men­te low-cost, dis­se ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio Li­na Sou­sa, ges­to­ra de co­mu­ni­ca­ção da Sa­ni­ta­na, em­pre­sa que se de­di­ca à pro­du­ção de ar­ti­gos sa­ni­tá­ri­os

Publico - Imobiliario - - Casas De Banho -

“Acre­di­ta­mos que os mer­ca­dos em que tra­ba­lha­mos – so­bre­tu­do Por­tu­gal, PALOP’s e Mé­dio Ori­en­te - es­tão ca­da vez mais re­ce­ti­vos a pro­du­tos de va­lor acres­cen­ta­do», es­cla­re­ceu Li­na Sou­sa, ges­to­ra de co­mu­ni­ca­ção da Sa­ni­ta­na. A res­pon­sá­vel ad­mi­te que a va­lo­ri­za­ção de to­dos es­tes paí­ses en­quan­to des­ti­nos tu­rís­ti­cos pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te por uma di­fe­ren­ci­a­ção na ex­pe­ri­ên­cia de con­su­mo. “A nos­sa co­le­ção sa­ni­tá­ria Be You, por exem­plo, é uma ga­ma de­se­nha­da ten­do em con­ta a per­so­na­li­za­ção da ex­pe­ri­ên­cia do es­pa­ço de ba­nho”.

Por ou­tro la­do, Li­na Sou­sa de­fen­de que as pre­o­cu­pa­ções am­bi­en­tais são ca­da vez mais pre­men­tes. “O con­su­mi­dor es­tá mais cons­ci­en­te e in­for­ma­do, pro­cu­ran­do pro­du­tos mais in­te­li­gen­tes e ca­pa­zes de res­pon­der às su­as ne­ces­si­da­des”. Ten­do is­so em con­ta, a Sa­ni­ta­na tem pro­cu­ra­do equi­par os pro­du­tos com sis­te­mas de pou­pan­ça de água e ener­gia mais efi­ci­en­tes e, num fu­tu­ro pró­xi­mo, con­tam tam­bém po­der ofe­re­cer so­lu­ções com tec­no­lo­gi­as mais pró­xi­mas às ex­pe­ri­ên­ci­as co­muns do dia-a-dia.

Os de­sa­fi­os

Os de­sa­fi­os co­lo­ca­dos ao mer­ca­do de ar­ti­gos sa­ni­tá­ri­os pren­dem-se, se­gun­do a ges­to­ra de co­mu­ni­ca­ção da Sa­ni­ta­na, com uma mai­or exi­gên­cia, tan­to da re­de de em­pre­sas que com­pra e dis­tri­bui os pro­du­tos co­mo dos pró­pri­os con­su­mi­do­res. “As ca­dei­as de va­lor são ca­da vez mais com­ple­xas, pe­lo que acre­di­ta­mos que a for­ma de con­ti­nu­ar­mos a ser uma em­pre­sa com­pe­ti­ti­va pas­sa pe­la me­lho­ria dos nos­sos ní­veis de or­ga­ni­za­ção, não só ao ní­vel da ges­tão, mas tam­bém na pres­ta­ção de in­for­ma­ção e na­tu­ral­men­te na ofer­ta de pro­du­to”.

Es­te úl­ti­mo ní­vel é, aliás, um dos mo­to­res fun­da­men­tais de di­na­mi­za­ção do mer­ca­do, diz Li­na Sou­sa. “À se­me­lhan­ça do que já te­mos fei­to em anos an­te­ri­o­res, con­ti­nu­a­re­mos a evo­luir a nos­sa ofer­ta, não só ao ní­vel do va­lor, mas tam­bém na for­ma co­mo res­pon­de às ne­ces­si­da­des de ca­da pes­soa”.

A di­re­to­ra con­gra­tu­la-se com o fac­to do ne­gó­cio da em­pre­sa da Ana­dia se ter de­sen­vol­vi­do mui­to fa­vo­ra­vel­men­te nos úl­ti­mos anos. “Ho­je em dia pro­du­zi­mos um vo­lu­me mai­or de pro­du­tos e a nos­sa ofer­ta e mix têm-se alar­ga­do e di­fe- ren­ci­a­do a ca­da ano. O cres­ci­men­to das ven­das – tan­to no mer­ca­do na­ci­o­nal co­mo nos mer­ca­dos de ex­por­ta­ção – tem si­do cons­tan­te. Do ano tran­sa­to pa­ra es­te con­se­gui­mos um cres­ci­men­to de 2,3 mi­lhões de eu­ros – um nú­me­ro par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te pa­ra a nos­sa área de ne­gó­cio”.

Pro­xi­mi­da­de di­ta di­fe­ren­ça

Uma mai­or pro­xi­mi­da­de jun­to dos di­ver­sos agen­tes que atu­am no mer­ca­do é o que di­fe­ren­cia a Sa­ni­ta­na dos seus con­cor­ren­tes, as­se­gu­ra Li­na Sou­sa, afi­an­çan­do que em­bo­ra se­ja ao con­su­mi­dor que a em­pre­sa di­ri­ge uma boa par­te das ações de mar­ke­ting, é com as par­ce­ri­as es­ta­be­le­ci­das com ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes – se­jam eles ar­qui­te­tos, pro­je­tis­tas, pros­pe­to­res, dis­tri­bui­do­res, ins­ta­la­do­res, e de­mais as­so­ci­a­ções li­ga­das ao se­tor - que con­se­guem mui­tas ve­zes se­di­men­tar ca­da vez mais o in­te­res­se na mar­ca e pro­du­tos. “Por ou­tro la­do, sem­pre nos pre­o­cu­pá­mos em par­ti­lhar o co­nhe­ci­men­to que é es­pe­cí­fi­co des­ta área de mer­ca­do, pro­mo­ven­do ações for­ma­ti­vas com to­dos os que tra­ba­lham con­nos­co. Is­to acon­te­ce não só na ver­ten­te téc­ni­ca – co­nhe­cen­do com de­ta­lhe tan­to o pro­ces­so de pro­du­ção co­mo os pro­du­tos - co­mo tam­bém nu­ma pers­pe­ti­va mais re­la­ci­o­na­da com o con­su­mo, atra­vés da co­mu­ni­ca­ção da adap­ta­bi­li­da­de dos nos­sos pro­du­tos”.

Por­tu­gal re­pre­sen­ta um ter­ço da fa­tu­ra­ção

Com o mer­ca­do na­ci­o­nal a re­pre­sen­tar cer­ca de um ter­ço do vo­lu­me de fa­tu­ra­ção da em­pre­sa, Li­na Sou­sa acre­di­ta que é o se­tor da re­a­bi­li­ta­ção li­ga­da ao tu­ris­mo que es­tá a im­pul­si­o­nar, e mui­to, a su­bi­da dos ín­di­ces de ati­vi­da­de do mer­ca­do. “As opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio são mais evi­den­tes nes­te ti­po de ati­vi­da­de, em­bo­ra re­pre­sen­tem por ca­da opor­tu­ni­da­de um me­nor vo­lu­me de fa­tu­ra­ção, têm si­do fe­liz­men­te bas­tan­tes. Nes­te cam­po, te­mos ti­do uma res­pos­ta bas­tan­te po­si­ti­va do mer­ca­do tan­to ao ní­vel do con­su­mo pri­va­do, co­mo na re­a­bi­li­ta­ção de em­pre­en­di­men­tos – ho­téis, pou­sa­das e si­mi­la­res – fru­to tam­bém dos es­for­ços que a nos­sa equi­pa co­mer­ci­al tem fei­to pa­ra cap­tar es­ses ne­gó­ci­os”.

A res­pon­sá­vel acres­cen­ta ain­da que exis­te “uma mai­or con­fi­an­ça nos in­di­ca­do­res ma­cro­e­co­nó­mi­cos, o que tem im­pe­li­do mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os a op­tar por fa­zer re­no­va­ções nes­ta área da ca­sa”. Por ou­tro la­do, “cre­mos que o mo­men­to atu­al aca­ba por ser tam­bém pro­mo­vi­do pe­la mai­or pro­cu­ra de Por­tu­gal en­quan­to des­ti­no tu­rís­ti­co. Is­to ali­a­do às leis vi­gen­tes que fa­vo­re­cem a ini­ci­a­ti­va pri­va­da nes­ta ma­té­ria, tem im­pul­si­o­na­do mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os a re­qua­li­fi­car os seus imó­veis.”

Pa­ra 2018, a Sa­ni­ta­na es­pe­ra con­se­guir, uma vez mais, um cres­ci­men­to con­so­li­da­do. “A as­sis­tir es­sa ta­re­fa en­con­tra­mos na­tu­ral­men­te uma en­vol­ven­te fi­nan­cei­ra re­la­ti­va­men­te fa­vo­rá­vel, que be­ne­fi­cia os ne­gó­ci­os no mer­ca­do na­ci­o­nal co­mo nos mer­ca­dos de ex­por­ta­ção. É um de­sa­fio tra­ba­lhar com es­tas du­as re­a­li­da­des em men­te, aten­den­do a que exi­gem ti­pos de atu­a­ção mui­to dis­tin­tos, mas te­mos fe­liz­men­te en­con­tra­do es­tra­té­gi­as pa­ra li­dar com uma no­va for­ma de es­tar no mer­ca­do”.

Pa­ra 2018, a Sa­ni­ta­na es­pe­ra con­se­guir, uma vez mais, um cres­ci­men­to con­so­li­da­do

DR

A co­le­ção sa­ni­tá­ria Be You é uma ga­ma de­se­nha­da ten­do em con­ta a per­so­na­li­za­ção da ex­pe­ri­ên­cia do es­pa­ço de ba­nho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.