Mer­ca­do lu­cra com “ex­plo­são” do in­ves­ti­men­to em imo­bi­liá­rio

O mer­ca­do do imo­bi­liá­rio, que “ali­men­ta” o das ca­sas de ba­nho, tem vin­do a re­gis­tar re­cor­des de in­ves­ti­men­to, o que cla­ra­men­te be­ne­fi­cia o se­tor

Publico - Imobiliario - - Casas De Banho -

Só nos úl­ti­mos di­as fo­ram vá­ri­as as no­tí­ci­as que po­dem ser al­ta­men­te be­né­fi­cas pa­ra o se­tor das ca­sas de ba­nho. Uma de­las é o fac­to da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lisboa ter co­lo­ca­do 100 fo­gos do cen­tro his­tó­ri­co no mer­ca­do, aos quais os can­di­da­tos po­dem con­cor­rer até 5 de maio.

Es­tas ha­bi­ta­ções des­ti­nam-se à po­pu­la­ção “mais ca­ren­te e em ris­co de per­da com­pro­va­da de ha­bi­ta­ção”, sen­do que po­dem con­cor­rer “pes­so­as que re­si­dam nas qua­tro fre­gue­si­as, es­te­jam em si­tu­a­ção de per­da de ha­bi­ta­ção com­pro­va­da, e tam­bém em si­tu­a­ção de ren­di­men­tos mais vul­ne­rá­vel. Po­de­rão tam­bém ace­der pes­so­as que te­nham si­do já des­pe­ja­das ou saí­do das su­as ca­sas por não re­no­va­ção de con­tra­to nos úl­ti­mos 12 me­ses”, po­de ler-se no co­mu­ni­ca­do da CML.

“Na ba­se do lan­ça­men­to des­te con­cur­so es­tá a si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca que se vi­ve no cen­tro his­tó­ri­co, sen­tin­do­se os efei­tos da apli­ca­ção da lei das ren­das e do cres­ci­men­to tu­rís­ti­co. Es­ta com­bi­na­ção de fa­to­res, com es­pe­ci­al in­ci­dên­cia nes­tas zo­nas, es­tá a pro­vo­car a saí­da de mo­ra­do­res que ali re­si­dem há mui­tos anos”, ci­ta ain­da o Ide­a­lis­ta. A me­di­da é con­si­de­ra­da “ex­ce­ci­o­nal e tran­si­tó­ria”.

Es­tão em cau­sa as fre­gue­si­as de San­ta Ma­ria Mai­or, San­to An­tó­nio, São Vi­cen­te e Mi­se­ri­cór­dia. As can­di­da­tu­ras po­dem ser apre­sen­ta­das nas jun­tas de fre­gue­sia res­pe­ti­vas, e no Cen­tro de Aten­di­men­to ao Mu­ní­ci­pe, no Cam­po Gran­de.

In­ves­ti­men­to ba­te re­cor­de

Ou­tra no­tí­cia apon­ta que nun­ca se in­ves­tiu tan­to em imo­bi­liá­rio. No ano pas­sa­do, fo­ram in­ves­ti­dos 1,6 bi­liões de dó­la­res no imo­bi­liá­rio glo­bal, um no­vo má­xi­mo his­tó­ri­co e um cres­ci­men­to de 13,2% fa­ce ao ano an­te­ri­or.

Os nú­me­ros cons­tam da mais re­cen­te pu­bli­ca­ção da Cush­man & Wa­ke­fi­eld, “Glo­bal In­vest­ment Atlas 2018”, se­gun­do a qual es­te ano de­ve­rá vol­tar a ser de cres­ci­men­to e de no­vos re­cor­des.

Os EUA con­ti­nu­a­ram a ser o pa- ís on­de mais se in­ves­tiu em imo­bi­liá­rio em to­do o mun­do. Con­tu­do, a Chi­na li­de­ra o ran­king ten­do em con­ta o in­ves­ti­men­to em pro­je­tos de promoção. Por ou­tro la­do, os paí­ses eu­ro­peus ga­ran­ti­ram “uma pre­sen­ça re­le­van­te no top das pre­fe­rên­ci­as dos in­ves­ti­do­res”, se­gun­do a con­sul­to­ra, com o Rei­no Uni­do, Ale­ma­nha e Es­pa­nha, em 5º lu­gar, a ocu­par os lu­ga­res se­guin­tes nes­ta lis­ta.

Por­tu­gal, por seu la­do, ga­ran­tiu a 25ª po­si­ção no que con­cer­ne o vo­lu­me to­tal de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio, de 2.100 mi­lhões de eu­ros tran­sa­ci­o­na­dos, mais 61% que no ano an­te­ri­or.

Fa­zen­do uma aná­li­se por ci­da­des, Lon­dres e Ma­drid des­ta­cam­se, ocu­pan­do o 1º e 2º lu­gar, res­pe­ti­va­men­te. A ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca é a mais pro­cu­ra­da pe­los in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros, ape­sar do Bre­xit e da in­se­gu­ran­ça que ge­rou. Por ou­tro la­do, Ma­drid su­biu do 45º lu­gar do ran­king pa­ra o se­gun­do. Es­cri­tó­ri­os e re­ta­lho per­de­ram quo­ta de mer­ca­do, com os ati­vos in­dus­tri­ais e os ter­re­nos pa­ra promoção a re­gis­tar mai­or cres­ci­men­to, no­ta a C&W.

Es­te ano de 2018, a no­ta de­ve­rá ser de cres­ci­men­to pa­ra o vo­lu­me de in­ves­ti­men­to, mas de­ve­rá ser in­fe­ri­or a 1%, mais acen­tu­a­do na Amé­ri­ca La­ti­na, na Eu­ro­pa ou na Ásia, en­tre 2% a 5%. No Ve­lho Con­ti­nen­te, a Eu­ro­pa Cen­tral e de Les­te de­ve­rão cres­cer 14,5%, sen­si­vel­men­te. Lisboa e Por­to “tam­bém de­vem re­ce­ber aten­ção re­for­ça­da por par­te do ca­pi­tal es­tran­gei­ro, par­ti­cu­lar­men­te no se­tor de es­cri­tó­ri­os em Lisboa e de lo­gís­ti­ca no Gran­de Por­to”, des­ta­ca es­ta aná­li­se.

Es­ta di­nâ­mi­ca de­ve­rá con­ti­nu­ar a ser su­por­ta­da “por ní­veis de li­qui­dez ain­da sig­ni­fi­ca­ti­vos, com­por­ta­men­tos fa­vo­rá­veis das eco­no­mi­as e for­tes ex­pe­ta­ti­vas de in­ves­ti­men­to cor­po­ra­ti­vo num en­qua­dra­men­to de es­cas­sez de mão-de-obra qua­li­fi­ca­da que vai exi­gir es­tra­té­gi­as de re­ten­ção por par­te das em­pre­sas, no­me­a­da­men­te a ní­vel dos es­pa­ços de tra­ba­lho”. Te­rão mais po­ten­ci­al de pro­cu­ra se­to­res alternativos co­mo es­cri­tó­ri­os em for­ma­to par­ti­lha­do ou de cowor­king, ho­téis, re­si­dên­ci­as de es­tu­dan­tes, sé­ni­or, ou mes­mo da­ta cen­tres e par­ques de es­ta­ci­o­na­men­to, en­tre ou­tros.

Edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos cres­cem

Por úl­ti­mo, o fac­to de no ano pas­sa­do, o nú­me­ro de edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos e con­cluí­dos ter cres­ci­do 10,6% e 17,1%, res­pe­ti­va­men­te, pa­ra um to­tal de 18.500 e 12.400 edi­fí­ci­os.

No 4º tri­mes­tre do ano pas­sa­do, fo­ram li­cen­ci­a­dos 4.300 edi­fí­ci­os em Por­tu­gal, me­nos 2,4% que em igual pe­río­do de 2016. Do to­tal de edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos, 68,2% di­zem res­pei­to a cons­tru­ção no­va, 71,2% das quais ha­bi­ta­ção fa­mi­li­ar, num to­tal de 3.500 fo­gos. As obras li­cen­ci­a­das pa­ra cons­tru­ções no­vas cres­ce­ram 2% fa­ce ao pe­río­do ho­mó­lo­go, en­quan­to que as de re­a­bi­li­ta­ção caí­ram 12,4%.

Os Aço­res, a Área Me­tro­po­li­ta­na de Lisboa e o Nor­te re­gis­ta­ram as mai­o­res va­ri­a­ções no to­tal de edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos em ter­mos ho­mó­lo­gos, su­bi­das de 15%, 11,8% e 3,2%, res­pe­ti­va­men­te. Por opo­si­ção, es­ta per­cen­ta­gem caiu 21% na Ma­dei­ra. Os Aço­res re­gis­ta­ram tam­bém a va­ri­a­ção po­si­ti­va mais ele­va­da no que con­cer­ne o li­cen­ci­a­men­to pa­ra re­a­bi­li­ta­ção (13,9%).

Por ou­tro la­do, nes­te tri­mes­tre, o nú­me­ro to­tal de edi­fí­ci­os con­cluí­dos su­biu 19,6% pa­ra os 3.400 edi­fí­ci­os, 71,2% dos quais cons­tru­ção no­va e 67,3% ha­bi­ta­ção fa­mi­li­ar. As obras con­cluí­das de cons­tru­ção no­va au­men­ta­ram 23,4%, e as obras de re­a­bi­li­ta­ção 10,9%.

Os nú­me­ros ago­ra pu­bli­ca­dos pe­lo INE mos­tram que, na úl­ti­ma dé­ca­da, o nú­me­ro de edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos re­du­ziu-se em cer­ca de 20.500 edi­fí­ci­os, uma di­mi­nui­ção de 52,6% fa­ce aos 39.000 edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos em 2008. De 2013 a 2017 a re­du­ção nos li­cen­ci­a­men­tos foi de 43,1%, me­nos 62.500 edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos.

En­tre 2008 e 2017 fo­ram con­cluí­dos me­nos edi­fí­ci­os, nu­ma re­du­ção de 69,4%, cor­res­pon­den­do a me­nos 28.300 edi­fí­ci­os. Na 2ª me­ta­de da dé­ca­da, im­pul­si­o­na­da pe­lo pi­co de 2013 de -27%, a re­du­ção de obras li­cen­ci­a­das foi de 58,4%, me­nos 88.700 edi­fí­ci­os con­cluí­dos.

DR

Es­te ano de 2018, a no­ta de­ve­rá ser de cres­ci­men­to pa­ra o vo­lu­me de in­ves­ti­men­to, mas de­ve­rá ser in­fe­ri­or a 1%, mais acen­tu­a­do na Amé­ri­ca La­ti­na, na Eu­ro­pa ou na Ásia, en­tre 2% a 5%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.