Re­ta­lho cap­tou in­ves­ti­men­to de 6,7 mi­lhões de eu­ros nos úl­ti­mos anos

O setor do re­ta­lho em Por­tu­gal, in­cluin­do os vá­ri­os ti­pos de ati­vos, atraiu um to­tal de 6,7 mi­lhões de eu­ros em in­ves­ti­men­to nos úl­ti­mos 15 anos, cer­ca de 50% do to­tal in­ves­ti­do em imobiliário co­mer­ci­al no país.

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Ana Ta­va­res

Os nú­me­ros são da C&W, que os di­vul­ga no seu primeiro “Por­tu­gal Re­ta­lho – Março 2018”, que faz uma aná­li­se do setor do re­ta­lho nes­te pe­río­do de tem­po. Se­gun­do a con­sul­to­ra, “a en­tra­da dos in­ves­ti­do­res deu-se pe­los cen­tros co­mer­ci­ais”, que nos úl­ti­mos anos per­ce­be­ram o po­ten­ci­al do co­mér­cio de rua de Lis­boa e Por­to, im­pul­si­o­na­do pe­las al­te­ra­ções à lei do ar­ren­da­men­to e pe­lo au­men­to do turismo. E são ca­da vez mais as na­ci­o­na­li­da­des que es­co­lhem in­ves­tir em Por­tu­gal. Até por­que o setor dos cen­tros co­mer­ci­ais no nos­so país é mui­to ma­du­ro, e a gran­de no­vi­da­de é mes­mo a rua.

“Com a an­ti­ga lei do ar­ren­da­men­to, po­de­mos di­zer que não ha­via co­mér­cio de rua. O turismo e a re­a­bi­li­ta­ção urbana, a par da ma­tu­ri­da­de dos cen­tros co­mer­ci­ais, deram uma nova di­nâ­mi­ca”, co­men­ta San­dra Cam­pos, He­ad of Re­tail da C&W, que aler­ta que “es­ta lei é po­de­ro­sa o su­fi­ci­en­te para por em cau­sa to­da a di­nâ­mi­ca de uma ci­da­de”.

En­tre 2015 e 2017, fo­ram re­gis­ta­das 1.600 ope­ra­ções no setor do re­ta­lho, 57% em cen­tros co­mer­ci­ais, im­pul­si­o­na­das pe­las no­vas aber­tu­ras de shop­pings co­mo o Évora Pla­za ou o MAR Shop­ping Al­gar­ve, e pe­la ex­pan­são do Co­lom­bo. Mas, na ver­da­de, “Não hou­ve mais pro­cu­ra nos shop­pings”, ex­pli­ca Mar­ta Esteves Cos­ta, As­so­ci­a­te e diretora de Re­se­ar­ch da C&W. Já as ren­das prime au­men­ta­ram cer­ca de 53% para o to­tal da ofer­ta des­de 2013, cer­ca de 100% na zo­na de Santa Catarina, no Por­to, 81% na Rua Au­gus­ta e 43% no con­jun­to dos cen­tros co­mer­ci­ais de Lis­boa.

Pro­va do di­na­mis­mo do co­mér­cio de rua em Lis­boa é que, de­pois de ter si­do su­pe­ra­da com o Co­lom­bo, a área co­mer­ci­al da Bai­xa su­pe­ra ago­ra es­te gran­de cen­tro co­mer­ci­al, com 91.000 m2, se­gun­do San­dra Cam­pos. “A li­ga­ção é mui­to mais con­tí­nua” no que diz res­pei­to à ofer­ta en­tre a Ave­ni­da da Li­ber­da­de e o rio, e tan­to Lis­boa co­mo o Por­to “es­tão no ma­pa da ex­pan­são dos re­ta­lhis­tas”.

A Bai­xa de Lis­boa con­cen­tra 46% da ofer­ta (m2) do co­mér­cio de rua da ci­da­de, se­gui­da pe­los 21% da Ave­ni­da da Li­ber­da­de, dos 20% do Chi­a­do e dos 13% da zo­na dos Res­tau­ra­do­res e Ros­sio. Mas foi na zo­na dos Res­tau­ra­do­res e Ros­sio que a ofer­ta mais cres­ceu en­tre 2007 e 2017, cer­ca de 50% em 10 anos. Só no ei­xo Flores/ Mou­zi­nho da Sil­vei­ra, no Por­to, abri­ram 170 no­vas lo­jas des­de 2015.

As zo­nas de co­mér­cio mais an­ti­gas da ci­da­de são as que têm um mai­or pe­so dos re­ta­lhis­tas tra­di­ci­o­nais. E o di­na­mis­mo do co­mér­cio de rua nas prin­ci­pais ar­té­ri­as tem ti­do “um efei­to de con­tá­gio” a ou­tras zo­nas. É o ca­so do Par­que das Nações, das Ave­ni­das No­vas, do Cais do So­dré ou do Prín­ci­pe Re­al, zo­nas com uma ofer­ta mui­to es­pe­cí­fi­ca. E “as pró­xi­mas zo­nas se­rão sem­pre as per­pen­di­cu­la­res e pa­ra­le­las das gran­des ar­té­ri­as co­mer­ci­ais de Lis­boa e Por­to”, co­mo a zo­na ri­bei­ri­nha do Bra­ço de Pra­ta, Santos, Al­cân­ta­ra ou a Ave­ni­da Al­mi­ran­te Reis, em Lis­boa, e a zo­na de Ce­do­fei­ta, no Por­to, no­ta San­dra Cam­pos.

A pro­cu­ra da pro­xi­mi­da­de é ou­tros dos fa­to­res que es­tá a pau­tar o mo­men­to do re­ta­lho em Por­tu­gal, im­pul­si­o­nan­do a pro­cu­ra pe­lo co­mér­cio de rua. Es­te é uma das no­vas ten­dên­ci­as que pa­re­ce es­tar para fi­car.

Os no­vos há­bi­tos de con­su­mo que fi­ca­ram de­pois da cri­se es­tão a ter um gran­de impacto na mu­dan­ça da ofer­ta de lo­jas, que “já não se li­mi­tam a ven­der o seu pro­du­to, mas tam­bém a as­so­ci­ar al­gu­ma ex­pe­ri­ên­cia”. Va­lo­ri­za-se “a ex­pe­ri­ên­cia in­di­vi­du­a­li­za­da den­tro do es­pa­ço fí­si­co”, nu­ma al­tu­ra em que “a fi­de­li­da­de à marca é me­nos im­por­tan­te que a ex­pe­ri­ên­cia”, no­ta San­dra Cam­pos. O la­zer e a pro­xi­mi­da­de são ou­tras com­po­nen­tes es­sen­ci­ais.

Uma nova “pre­o­cu­pa­ção com o sau­dá­vel ou sus­ten­tá­vel” tam­bém é vi­sí­vel nos no­vos con­cei­tos, bem co­mo o gran­de pe­so que a res­tau­ra­ção tem ago­ra na ofer­ta, do­mi­nan­do as no­vas aber­tu­ras de 2017, e mui­to li­ga­da tam­bém à ex­pe­ri­ên­cia. “Com a an­ti­ga lei do ar­ren­da­men­to, po­de­mos di­zer que não ha­via co­mér­cio de rua. O turismo e a re­a­bi­li­ta­ção urbana, a par da ma­tu­ri­da­de dos cen­tros co­mer­ci­ais, deram uma nova di­nâ­mi­ca”, co­men­ta San­dra Cam­pos, He­ad of Re­tail da C&W

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.