Fo­gos em licenciamento já cres­cem em mais de dois ter­ços dos con­ce­lhos por­tu­gue­ses

De­pois de anos de es­tag­na­ção, o in­ves­ti­men­to em ha­bi­ta­ção es­tá a cres­cer e já não se li­mi­ta a Lis­boa, Por­to e con­ce­lhos li­mí­tro­fes. Ain­da as­sim, o vo­lu­me de nova ofer­ta man­tém-se bai­xo

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

Da­dos da Con­fi­den­ci­al Imobiliário (Ci) pre­pa­ra­dos para o Pú­bli­co mos­tram que o nú­me­ro de fo­gos que en­trou em pro­ces­so de licenciamento em 2017 cres­ceu em mais de dois ter­ços dos cer­ca de 290 con­ce­lhos mo­ni­to­ri­za­dos no âm­bi­to das es­ta­tís­ti­cas do Pi­pe­li­ne Imobiliário, que ana­li­sam os pré- cer­ti­fi­ca­dos ener­gé­ti­cos emi­ti­dos pe­la ADENE e que fun­ci­o­nam co­mo um ba­ró­me­tro do in­ves­ti­men­to em pro­du­ção imo­bi­liá­ria. Se ex­cluir­mos Lis­boa e Por­to - on­de o mer­ca­do re­si­den­ci­al re­to­mou primeiro e de for­ma mais rá­pi­da - são pre­ci­sa­men­te 200 os con­ce­lhos on­de o in­ves­ti­men­to em ha­bi­ta­ção su­biu em 2017, dos quais mais de me­ta­de (102) com au­men­tos aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal, ou se­ja, su­pe­ri­o­res a 50% (em 2017 en­tra­ram em licenciamento 30.705 fo­gos a ní­vel na­ci­o­nal, +49% fa­ce a 2016). “Te­mos que ler es­tes au­men­tos no de­vi­do con­tex­to”, aler­ta, con­tu­do, Ri­car­do Guimarães, di­re­tor da Ci, já que “de­vi­do ao con­ge­la­men­to da pro­du­ção imo­bi­liá­ria nos úl­ti­mos anos, o pon­to de par­ti­da para o cres­ci­men­to é, em ge­ral, mui­to bai­xo”. Em cer­ca de 215 dos 290 con­ce­lhos, o pi­pe­li­ne de 2017 é in­fe­ri­or a 100 fo­gos, sen­do ape­nas 74 os con­ce­lhos on­de o vo­lu­me de nova ofer­ta su­pe­ra es­te pa­ta­mar. E mes­mo nes­te úl­ti­mo gru­po, mui­to mais de me­ta­de (i.e. 54 con­ce­lhos) não tem mais de 300 fo­gos em car­tei­ra, sen­do que ape­nas Lis­boa (3.333) e Por­to (2.926) su­pe­ram a bar­rei­ra dos qua­tro dí­gi­tos. Mas “é in­dis­cu­tí­vel que o lan­ça­men­to de nova ofer­ta ha­bi­ta­ci­o­nal ten­de­rá a re­fle­tir a cres­cen­te abran­gên­cia ge­o­grá­fi­ca da re­cu­pe­ra­ção dos pre­ços. As gran­des ci­da­des e zo­nas li­mí­tro­fes evi­den­ci­am es­ta evo­lu­ção de for­ma mais in­ten­sa e ime­di­a­ta, mas o con­tras­te da in­ten­si­fi­ca­ção da pro­cu­ra com a fal­ta de ofer­ta es­tá a ge­ne­ra­li­zar-se a to­do o país. Is­so, ali­a­do ao au­men­to na con­ces­são de cré­di­to e à me­lho­ria das con­di­ções eco­nó­mi­cas, irá cer­ta­men­te con­ti­nu­ar a im­pul­si­o­nar o in­ves­ti­men­to em no­vos pro­je­tos re­si­den­ci­ais”, co­men­ta o di­re­tor da Ci. Para Hu­go Santos Ferreira, vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Pro­mo­to­res e In­ves­ti­do­res Imo­bi­liá­ri­os (APPII), é cla­ro o “in­te­res­se de vá­ri­os pro­mo­to­res e in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os por no­vas lo­ca­li­za­ções que não ape­nas nas zo­nas prime, ha­ven­do até al­guns de­les que são vin­do a es­ten­der-se para ou­tras ge­o­gra­fi­as”, diz Ra­mi­ro Go­mes, su­bli­nhan­do que o Mil­len­nium bcp “tem vin­do a apoi­ar no­vos ne­gó­ci­os nes­ta área, fi­nan­ci­an­do pro­je­tos di­ver­sos”.

Nes­te con­tex­to de abran­gên­cia ge­o­grá­fi­ca, es­te res­pon­sá­vel des­ta­ca que as co­mo­di­da­des de ca­da zo­na em ter­mos de ofer­ta co­mer­ci­al, ser­vi­ços, es­co­las e hospitais, além das aces­si­bi­li­da­des, são fa­to­res de di­fe­ren­ci­a­ção dos lo­tes para cons­tru­ção. “Nem to­dos os pro­je­tos têm de ser ne­ces­sa­ri­a­men­te no cen­tro da ci­da­de ou da vi­la, mas sim in­se­ri­dos em zo­nas com um con­jun­to de ca­ra­te­rís­ti­cas atra­ti­vas para fi­xa­ção de re­si­den­tes”, ex­pli­ca. É o ca­so de al­guns lo­tes para cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção mul­ti­fa­mi­li­ar que o ban­co tem atu­al­men­te em venda no En­tron­ca­men­to, Mon­ti­jo e Ca­ma­ra­te (Loures) – Ver CAI­XA. Si­tu­a­dos pró­xi­mo do cen­tro das res­pe­ti­vas vi­las/ ci­da­des, em áreas de bons aces­sos e pró­xi­mos de di­ver­sas fa­ci­li­ti­es, es­tes lo­tes es­tão em zo­nas “que têm cres­ci­do bas­tan­te ao lon­go dos úl­ti­mos anos, cri­an­do no­vas ne­ces­si­da­des por par­te da pro­cu­ra”, diz Di­o­go Pit­ta Li­vé­rio, Di­re­tor Co­mer­ci­al da Eu­ro Es­ta­tes, que es­tá a pro­mo­ver a ação de co­mer­ci­a­li­za­ção com o ban­co. No ca­so do En­tron­ca­men­to, que tem vin­do a su­bir em di­ver­sos ran­kings de qua­li­da­de de vi­da (de acor­do com o ín­di­ce da Mark­test, es­te con­ce­lho sal­tou cer­ca de 40 po­si­ções en­tre 2017 e 2018 nes­te in­di­ca­dor), já se co­me­ça a no­tar a apos­ta em nova ha­bi­ta­ção, sen­do mes­mo um dos qua­tro con­ce­lhos na­ci­o­nais on­de o nú­me­ro de fo­gos mais au­men­tou no pas­sa­do (cres­ceu cer­ca de 6 ve­zes, de 8 para 47 fo­gos), sen­do ape­nas su­pe­ra­do em ter­mos re­la­ti­vos por Vi­la Vi­ço­sa (com uma ba­se tam­bém bas­tan­te bai­xa), Por­ti­mão e Ama­do­ra, o lí­der de cres­ci­men­to (com um au­men­to de 10 ve­zes para per­to de 200 fo­gos em 2017). Além des­te úl­ti­mo con­ce­lho, en­tre os ou­tros três em tor­no de Lis­boa – Oeiras, Odi­ve­las e Loures – é es­te úl­ti­mo (on­de se si­tua Ca­ma­ra­te), que apre­sen­ta mai­or evo­lu­ção do pi­pe­li­ne (281%) e tam­bém uma das mai­o­res car­tei­ras de fo­gos a ní­vel na­ci­o­nal (717). Des­ta­que ain­da para a fren­te ri­bei­ri­nha a Sul do Te­jo, on­de o Mon­ti­jo, um dos con­ce­lhos mais pró­xi­mos da tra­ves­sia da pon­te Vas­co da Ga­ma e on­de o po­ten­ci­al de atra­ti­vi­da­de pro­me­te au­men­tar bas­tan­te de­vi­do à lo­ca­li­za­ção do ae­ro­por­to, au­men­tou o pi­pe­li­ne em cer­ca de 50% para os 200 fo­gos.

FREEIMAGES.COM/MAR­CE­LO TERRAZA

Tal co­mo a re­cu­pe­ra­ção dos pre­ços, a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção co­me­ça a dar si­nais de retoma por to­do o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.