O fal­so be­ne­fí­cio do ar­ren­da­men­to aces­sí­vel

Publico - Imobiliario - - Opinião -

As medidas ir­res­pon­sá­veis to­ma­das por es­ta mai­o­ria par­la­men­tar, co­mo a pror­ro­ga­ção do con­ge­la­men­to das ren­das e o lan­ça­men­to de um adi­ci­o­nal ao IMI que ape­nas in­ci­de so­bre pré­di­os de ha­bi­ta­ção pro­vo­ca­ram, co­mo se­ria de es­pe­rar, o co­lap­so do ar­ren­da­men­to para ha­bi­ta­ção. Efec­ti­va­men­te, es­sas medidas lan­ça­ram a des­con­fi­an­ça nos se­nho­ri­os, le­van­do-os a não co­lo­car as su­as ca­sas no mer­ca­do ou mes­mo a de­nun­ci­ar os con­tra­tos de ar­ren­da­men­to já exis­ten­tes. Em con­sequên­cia, a ofer­ta de ar­ren­da­men­to mos­tra-se in­su­fi­ci­en­te para sa­tis­fa­zer a pro­cu­ra, pe­lo que os pre­ços das ren­das dis­pa­ra­ram, dei­xan­do imen­sa gen­te sem aces­so à ha­bi­ta­ção.

Em vir­tu­de da sua pró­pria má cons­ci­ên­cia, o governo al­te­rou o seu dis­cur­so po­lí­ti­co, pas­san­do a con­si­de­rar a ha­bi­ta­ção uma pri­o­ri- da­de, pe­lo que cri­ou uma Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção na úl­ti­ma re­mo­de­la­ção. A Se­cre­tá­ria de Es­ta­do no­me­a­da de­ve­ria ter co­me­ça­do ime­di­a­ta­men­te por con­ven­cer o governo a re­ver­ter as medidas aci­ma re­fe­ri­das. Em vez dis­so, apre­sen­tou um pro­gra­ma de ar­ren­da­men­to aces­sí­vel, em que pro­me­teu aos se­nho­ri­os uma isen­ção to­tal de IRS se fi­xas­sem a ren­da num va­lor 20% abai­xo do va­lor mé­dio do mer­ca­do, es­pe­ran­do des­sa for­ma fa­zer bai­xar o va­lor das ren­das.

Nes­sa al­tu­ra dis­se­mos lo­go que es­sa me­di­da não ti­nha qual­quer atrac­ti­vo. O governo di­zia aos se­nho­ri­os que eles dei­xa­ri­am de pa­gar 28% de IRS se des­con­tas­sem 20% na ren­da. Pa­re­ce­ria ha­ver um ga­nho de 8%, mas es­se ga­nho se­ria fic­tí­cio, uma vez que se man­tém o adi­ci­o­nal ao IMI, que era de­du­tí­vel à co­lec­ta do IRS. Dei­xan­do de pa­gar IRS de­pois de per­de­rem 20% das ren­das, os se­nho­ri­os ain­da su­por­ta­ri­am o adi­cio- nal ao IMI, aca­ban­do por is­so por o be­ne­fí­cio não ter qual­quer in­te­res­se.

Ape­sar dis­so, o governo con­ti­nu­ou com es­se pro­gra­ma e ago­ra o INE apa­re­ceu a cal­cu­lar o va­lor da ren­da de re­fe­rên­cia. O pro­ble­ma é que, em vez de re­cor­rer à mé­dia do mer­ca­do, con­for­me o governo ti­nha anun­ci­a­do, o INE re­cor­reu an­tes à res­pec­ti­va me­di­a­na. A di­fe­ren­ça é que en­quan­to na mé­dia se so­mam o va­lor das ren­das de to­dos os con­tra­tos de ar­ren­da­men­to e se di­vi­de a so­ma pe­lo nú­me­ro de con­tra­tos, na me­di­a­na se es­co­lhe an­tes o va­lor que ocu­pa a po­si­ção cen­tral en­tre as du­as me­ta­des da amos­tra. Nes­te ca­so os re­sul­ta­dos atin­gi­dos co­lo­cam a me­di­a­na das ren­das num va­lor cer­ca de 10% in­fe­ri­or ao va­lor mé­dio das ren­das.

Da­qui re­sul­ta que o be­ne­fí­cio fis­cal ofe­re­ci­do pe­lo governo aca­ba na prá­ti­ca por se tra­du­zir num prejuízo para os se­nho­ri­os. O governo apre­sen­ta co­mo ren­da de re­fe­rên­cia uma ren­da que es­tá 10% abai­xo do va­lor mé­dio do mer­ca­do e ain­da pe­de que os se­nho­ri­os ain­da aba­tam 20% a es­se va­lor para não te­rem que pa­gar 28% de IRS. É ma­ni­fes­to que na prá­ti­ca es­se pre­ten­so be­ne­fí­cio fis­cal cons­ti­tui ver­da­dei­ra­men­te um prejuízo para os se­nho­ri­os. Is­to para já não fa­lar no fac­to de con­ti­nu­a­rem ain­da a ser es­ma­ga­dos pe­lo adi­ci­o­nal ao IMI.

As­sim, a ofer­ta do governo aos se­nho­ri­os no ar­ren­da­men­to aces­sí­veis tra­duz-se em dar com uma mão e ti­rar ain­da mais com a ou­tra. Se é com pro­pos­tas des­tas que o governo jul­ga que vai fa­zer os se­nho­ri­os re­cu­pe­rar a confiança no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, es­tá mui­to en­ga­na­do. Os se­nho­ri­os sa­bem mui­to bem fa­zer con­tas e já es­tão can­sa­dos de su­ces­si­vas po­lí­ti­cas que só lhes ga­ran­tem pre­juí­zos quan­do pre­ten­dem ar­ren­dar as su­as ca­sas.

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os

Luís Me­ne­zes Lei­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.