Me­di­a­ção mais se­gu­ra

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

To­dos os di­as nas­cem no­vas em­pre­sas de me­di­a­ção imo­bi­liá­ria em Por­tu­gal. Em 2017, li­cen­ci­a­ram-se 1.385 no­vas me­di­a­do­ras, mais 30% que no ano an­te­ri­or. Os nú­me­ros evi­den­ci­am a di­nâ­mi­ca do sec­tor imo­bi­liá­rio e o seu po­ten­ci­al de cres­ci­men­to (que em dois anos cres­ceu 50%), que tem cha­ma­do a aten­ção de in­ves­ti­do­res, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, alar­gan­do o le­que e opor­tu­ni­da­des que se abrem nos di­fe­ren­tes seg­men­tos de mer­ca­do, des­de a re­a­bi­li­ta­ção até ao alo­ja­men­to lo­cal.

Es­te cres­ci­men­to do imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal, é mui­to po­si­ti­vo pa­ra a Eco­no­mia e pa­ra o sec­tor, mas tem du­as fa­ces da mes­ma mo­e­da. Por um la­do, a pro­fis­si­o­na­li­za­ção dos agen­tes imo­bi­liá­ri­os, que es­tão cada vez mais pre­pa­ra­dos pa­ra atu­ar nes­te mer­ca­do, apos­ta­dos na sua for­ma­ção e em cum­prir a le­gis­la­ção que re­gu­la o sec­tor obe­de­cen­do à éti­ca e trans­pa­rên­cia que pro­mo­ve a cre­di­bi­li­da­de da clas­se e a de­fe­sa do con­su­mi­dor.

Por ou­tro la­do, a pro­li­fe­ra­ção de “em­pre­sas” e “agen­tes” que atu­am à mar­gem da lei, e se apro­vei­tam das di­nâ­mi­cas do mer­ca­do pa­ra ga­nhar di­nhei­ro sem obe­de­cer às re­gras de­cre­ta­das pa­ra a ati­vi­da­de, no­me­a­da­men­te no que diz res­pei­to ao com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais.

O ce­ná­rio mu­dou com­ple­ta­men­te des­de a cri­se que aba­lou o sec­tor. Pas­sá­mos de um pa­no­ra­ma em que a pro­cu­ra do­mi­na­va a ofer­ta, pa­ra um mo­men­to em que é a ofer­ta que do- mi­na o mer­ca­do, tal é a au­sên­cia de stock que se co­me­ça a sen­tir. E is­so tem fei­to com que al­guns “agen­tes” per­cam com­ple­ta­men­te o con­cei­tos de éti­ca pro­fis­si­o­nal que de­ve­ria pre­do­mi­nar.

A me­di­a­ção imo­bi­liá­ria tem ho­je um va­lor ine­gá­vel no pa­no­ra­ma eco­nó­mi­co. Os agen­tes são res­pon­sá­veis por uma boa par­te do PIB na­ci­o­nal e is­so acar­re­ta al­gu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de. Co­mo tal, es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve ser as­su­mi­da, e por is­so é ne­ces­sá­rio que ha­ja uma fis­ca­li­za­ção mais aten­ta a quem exer­ce me­di­a­ção imo­bi­liá­ria sem es­tar de­vi­da­men­te ates­ta­do pa­ra tal. A de­fe­sa do con­su­mi­dor é tão im­por­tan­te pa­ra a pro­cu­ra co­mo pa­ra a ofer­ta, e é por is­so que os pro­fis­si­o­nais que atu­am le­gi­ti­ma­men­te nes­te ter­re­no, são aque­les que me­lhor po­dem as­ses­so­rar o mer­ca­do.

Nes­te pa­no­ra­ma, a APEMIP reú­ne as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra as­su­mir es­ta res­pon­sa­bi­li­da­de, e as em­pre­sas de me­di­a­ção já o re­co­nhe­ce­ram, atra­vés de um inqué­ri­to que foi pro­mo­vi­do jun­to de­las no ano pas­sa­do. 90% do mer­ca­do exi­ge a au­tor­re­gu­la­ção da clas­se, e mos­tra que es­te ob­je­ti­vo é não só al­can­çá­vel co­mo de­se­já­vel.

Des­ta evi­dên­cia, re­sul­ta a le­gi­ti­mi­da­de de re­cla­mar com­pe­tên­ci­as acres­ci­das, atra­vés de uma au­tor­re­gu­la­ção que com­ba­ta a con­cor­rên­cia des­le­al, a fal­ta de éti­ca, a fal­ta de trans­pa­rên­cia e a fal­ta de pro­te­ção dos cli­en­tes. Me­lhor que nin­guém, a clas­se co­nhe­ce bem os pro­ble­mas que a atin­gem, e se­rá mais ágil e efi­caz na pro­mo­ção de uma fis­ca­li­za­ção fei­ta em par­ce­ria com o Es­ta­do, pro­mo­ven­do des­ta for­ma um sec­tor mais fi­de­dig­no e trans­pa­ren­te.

Tu­do is­to num pro­ces­so que, na­tu­ral­men­te, le­va­rá o seu tempo, mas que de­ve co­me­çar pe­la de­le­ga­ção de po­de­res à APEMIP que per­mi­tam a ve­ri­fi­ca­ção e su­per­vi­si­o­na­men­to do mer­ca­do.

Só as­sim im­pe­di­re­mos a mul­ti­pli­ca­ção de quem re­cor­re a es­tra­ta­ge­mas que des­cre­di­bi­li­zam os me­di­a­do­res.

A me­di­a­ção imo­bi­liá­ria tem ho­je um va­lor ine­gá­vel no pa­no­ra­ma eco­nó­mi­co. Os agen­tes são res­pon­sá­veis por uma boa par­te do PIB na­ci­o­nal e is­so acar­re­ta al­gu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de. Co­mo tal, es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve ser as­su­mi­da, e por is­so é ne­ces­sá­rio que ha­ja uma fis­ca­li­za­ção mais aten­ta a quem exer­ce me­di­a­ção imo­bi­liá­ria sem es­tar de­vi­da­men­te ates­ta­do pa­ra tal

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.