Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio: eco­no­mia e em­pre­go

Publico - Imobiliario - - Opinião -

No fi­nal da se­ma­na pas­sa­da o Ban­co de Por­tu­gal di­vul­gou as “Pro­je­ções pa­ra a Eco­no­mia Por­tu­gue - sa: 2018-2020”. Con­cre­ti­za-se que, nes­te mo­men­to, a eco­no­mia já re­gres­sou a ní­veis an­te­ri­o­res à cri­se de 2008, ad­mi­tin­do-se, mes­mo que em 2020, o PIB, em ter­mos re­ais, se­ja su­pe­ri­or em 4,7%, ao re­gis­ta­do ao pe­río­do an­te­ri­or à cri­se fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal. As pre­vi­sões apon­tam pa­ra que eco­no­mia por­tu­gue­sa de­ve­rá man­ter uma tra­je­tó­ria de ex­pan­são até 2020 sus­ten­ta­da no for­te de­sem­pe­nho das ex­por­ta­ções de bens e ser­vi­ços e no di­na­mis­mo do in­ves­ti­men­to (FBCF).

Nes­te pon­to ga­nha des­ta­que o in­ves­ti­men­to em ha­bi­ta­ção, ou se­ja in­ves­ti­men­to par­ti­cu­lar, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro, que apre­sen­tou um cres­ci­men­to pró­xi­mo de 6% em 2017, re­fle­tin­do a ma­nu­ten­ção das con­di­ções de aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to, com bai­xas ta­xas de ju­ro, a pro­gres­si­va me­lho­ria do mer­ca­do de tra­ba­lho, o au­men­to da ta­xa de ren­di­bi­li­da­de re­la­ti­va­men­te a ou­tros in­ves­ti­men­tos de lon­go pra­zo, no­me­a­da­men­te de me­nor ris­co, e o au­men­to da pro­cu­ra por par­te de não re­si­den­tes. Con­clui-se, de igual mo­do, que o in­ves­ti­men­to to­tal de­ve­rá man­ter um rit­mo de cres­ci­men­to ele­va­do, em tor­no de uma mé­dia de 6%, sen­do cer­to que, pa­ra es­te pe­río­do se an­te­ci­pa que o in­ves­ti­men­to em ha­bi­ta­ção con­ti­nue o pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção, da­da a ma­nu­ten­ção dos prin­ci­pais fa­to­res de cres­ci­men­to.

Um ou­tro as­pe­to que me­re­ce des­ta­que, na aná­li­se fei­ta pe­lo Ban­co Cen­tral, diz res­pei­to à cri­a­ção de em­pre­go. De fac­to, é sig­ni­fi­ca­ti­vo re­fe­rir- se que se en­con­tra, nes­te mo­men­to, pró­xi­ma dos va­lo­res que são con­si­de­ra­dos co­mo de­sem­pre­go es­tru­tu­ral (en­tre 6% e 7%), me­lho­ria à qual não é alheio o pa­pel que, uma vez mais, foi de­sem­pe­nha­do pe­la Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio.

Não ha­ja dú­vi­das, a cons­tru­ção e o imo­bi­liá­rio de­sem­pe­nham um pa­pel es­sen­ci­al, en­quan­to mo­to­res do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e da cri­a­ção de em­pre­go. Há que o re­co­nhe­cer e as­su­mir, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce nos res­tan­tes paí­ses eu­ro­peus. O in­ves­ti­men­to pú­bli­co, que con­ti­nua a ní­veis de há 30 anos atrás, tem de ser pers­pe­ti­va­do co­mo a ne­ces­sá­ria ala­van­ca do in­ves­ti­men­to pri­va­do. En­ca­ra­do nu­ma óti­ca de pro­du­ti­vi­da­de e cres­ci­men­to, o in­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tru­tu­ran­te, tem de as­su­mir um po­si­ci­o­na­mento es­tra­té­gi­co, re­co­nhe­ci­do co­mo tal pe­los res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos do nos­so País. A com­pe­ti­ti­vi­da­de e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel da eco­no­mia, a co­e­são so­ci­al e ter­ri­to­ri­al, a mo­bi­li­da­de e aces­si­bi­li­da­de de pes­so­as e bens, e a com­por­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra do in­ves­ti­men­to pú­bli­co, são ob­je­ti­vos que se de­vem so­bre­por aos ci­clos po­lí­ti­cos. O Pacto de Re­gi­me que há mui­to vi­mos de­fen­den­do é es­sen­ci­al pa­ra que as em­pre­sas pos­sam con­ti­nu­ar a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel.

É por ma­té­ri­as, cu­ja im­por­tân­cia é con­sen­su­al­men­te re­co­nhe­ci­da por to­dos, co­mo a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, a co­e­são ter­ri­to­ri­al, os in­ves­ti­men­tos es­tru­tu­ran­tes em fer­ro­via, a mo­bi­li­da­de ur­ba­na, as ener­gi­as al­ter­na­ti­vas ou a apos­ta na sus­ten­ta­bi­li­da­de, que pas­sa o fu­tu­ro do nos­so País.

Não ha­ja dú­vi­das, a cons­tru­ção e o imo­bi­liá­rio de­sem­pe­nham um pa­pel es­sen­ci­al, en­quan­to mo­to­res do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e da cri­a­ção de em­pre­go. Há que o re­co­nhe­cer e as­su­mir, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce nos res­tan­tes paí­ses eu­ro­peus

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.