BE e PS que­rem obri­gar os ban­cos a re­fle­tir a Eu­ri­bor ne­ga­ti­va nos cré­di­tos à ha­bi­ta­ção

O Par­ti­do So­ci­a­lis­ta (PS) e o Blo­co de Es­quer­da (BE) que­rem ins­ti­tuir a obri­ga­to­ri­e­da­de das ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as re­fle­ti­rem a des­ci­da da Eu­ri­bor nos con­tra­tos de crédito à ha­bi­ta­ção e ao con­su­mo. A me­di­da, a ser apro­va­da, não te­rá efei­tos re­tro­a­ti­vos.

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Ce­quei­ra

Qua­se três anos de­pois da Eu­ri­bor ter che­ga­do a ter­re­no ne­ga­ti­vo, o Pro­je­to de Lei n.º 90/XIII do gru­po par­la­men­tar do BE, apre­sen­ta­do em 2016, vol­ta a es­tar no cen­tro da dis­cus­são par­la­men­tar, ago­ra com o apoio do PS.

Es­te Pro­je­to de Lei vi­sa im­por uma re­gra às par­tes no con­tra­to de crédito, pe­la qual, quan­do o in­de­xan­te atin­ge va­lo­res ne­ga­ti­vos, es­ses va­lo­res te­rão de ser sem­pre re­fle­ti­dos na ta­xa de ju­ro efe­ti­va­men­te co­bra­da pe­lo ban­co o que po­de, em al­guns con­tra­tos, “anu­lar” o spre­ad e, even­tu­al­men­te, tra­du­zir-se num va­lor ne­ga­ti­vo de ta­xa de ju­ro. O ob­je­ti­vo des­ta al­te­ra­ção é, as­sim, “re­gu­lar e dis­ci­pli­nar a ati­tu­de das ins­ti­tui­ções de crédito, pro­te­gen­do os cli­en­tes ban­cá­ri­os, em par­ti­cu­lar os que con­traí­ram ou vi­rão a con­trair em­prés­ti­mos jun­to da ban­ca a ope­rar em Por­tu­gal”, po­de ler-se na ex­po­si­ção de mo­ti­vos da­que­le Pro­je­to de Lei. Pa­ra o efei­to, o di­plo­ma es­ta­be­le­ce “a obri­ga­ção de apli­ca­ção de ta­xa de ju­ro ne­ga­ti­va aos con­tra­tos de mú­tuo, ce­le­bra­dos no âm­bi­to do sis­te­ma de con­ces­são de crédito pa­ra aqui­si­ção, cons­tru­ção e re­a­li­za­ção de obras em ha­bi­ta­ção pró­pria per­ma­nen­te, se­cun­dá­ria ou pa­ra ar­ren­da­men­to e pa­ra aqui­si­ção de ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção pró­pria, quan­do for in­de­xa­da a um de­ter­mi­na­do ín­di­ce de re­fe­rên­cia e es­te as­su­ma va­lo­res ne­ga­ti­vos”.

En­tre­tan­to, o PS anun­ci­ou, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, atra­vés do seu por­ta-voz João Ga­lam­ba, ter che­ga­do a acor­do com o BE so­bre es­ta ma­té­ria. Na oca­sião, o de­pu­ta­do so­ci­a­lis­ta, ci­ta­do pe­lo Pú­bli­co, re­fe­riu ter-se che­ga­do a “uma so­lu­ção equi­li­bra­da, si­mul­ta­ne­a­men­te pre­ser­van­do a es­ta­bi­li­da­de da ban­ca em ma­té­ria de rá­ci­os de sol­va­bi­li­da­de e a sal­va­guar­da dos di­rei­tos dos cli­en­tes”. Uma das prin­ci­pais al­te­ra­ções ao tex­to ini­ci­al diz res­pei­to à cri­a­ção de um crédito de ju­ros do cli­en­te ban­cá­rio, que ape­nas se­rá aba­ti­do quan­do a Eu­ri­bor su­bir e vol­tar a ter­re­no po­si­ti­vo. “Es­ta so­lu­ção não ex­põe os ban­cos a uma per­da ime­di­a­ta, mas ga­ran­te que, quan­do os ju­ros su­bi­rem - e os ban­cos já ti­ve­rem um ju­ro po­si­ti­vo a co­brar -, o crédito an­te­ri­or­men­te cons­ti­tuí­do aba­te a es­se ju­ro”, ex­pli­cou o de­pu­ta­do so­ci­a­lis­ta.

Ban­cos re­ve­lam des­con­ten­ta­men­to com as no­vas re­gras

Quan­do a ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va deu en­tra­da na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Ban­cos, em se­de de au­di­ção par­la­men­tar pro­mo­vi­da pe­lo Gru­po de Tra­ba­lho da Comissão de Or­ça­men­to, Fi­nan­ças e Mo­der­ni­za­ção Ad­mi­nis­tra­ti­va, de­fen­deu que a re­gra de apli­car uma ta­xa de ju­ro ne­ga­ti­va quan­do o in­de­xan­te atin­ge va­lo­res ne­ga­ti­vos é “in­trin­se­ca­men­te in­com­pa­tí­vel com a na­tu­re­za do con­tra­to ce­le­bra­do – con­tra­to de mú­tuo one­ro­so – na me­di­da em que se tra­du­zi­ria na eli­mi­na­ção da con­tra­par­ti­da da ins­ti­tui­ção de crédito pe­la ce­dên­cia de fun­dos”. Ou se­ja, “a na­tu­re­za one­ro­sa do con­tra­to não ad­mi­te ta­xas de ju­ros ne­ga­ti­vas”. E acres­cen­ta que “o spre­ad é a con­tra­par­ti­da pe­lo ris­co da ope­ra­ção, pe­lo que não de­ve­rá ser com­pro­me­ti­do pe­la apli­ca­ção de um va­lor ne­ga­ti­vo do in­de­xan­te já que o ris­co da ope­ra­ção não se al­te­ra”.

A ser apro­va­do, o di­plo­ma não te­rá efei­tos re­tro­a­ti­vos, ou se­ja, as no­vas re­gras ape­nas se­rão apli­cá­veis aos con­tra­tos ce­le­bra­dos após a sua en­tra­da em vi­gor. Es­sa apli­ca­ção não re­tro­a­ti­va, na prá­ti­ca, aca­ba por li­mi­tar os seus efei­tos, dado que, além de não se apli­car aos con­tra­tos em cur­so, até à en­tra­da em vi­gor das no­vas re­gras po­de­rá de­cor­rer o tempo su­fi­ci­en­te pa­ra o in­de­xan­te, que já evi­den­cia si­nais de re­to­ma, evo­luir pa­ra va­lo­res po­si­ti­vos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.