IMI de­ve ser pa­go até 30 de abril

Os pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis, não isen­tos, têm até ao fi­nal do mês de abril pa­ra re­a­li­zar o pa­ga­men­to do Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre Imó­veis (IMI).

Publico - Imobiliario - - Direito Imobiliário -

Es­ta é a pri­mei­ra pres­ta­ção do IMI, re­fe­ren­te a 2017, e pa­ra mui­tos con­tri­buin­tes se­rá a úni­ca. Só os con­tri­buin­tes cu­jo va­lor do im­pos­to a pa­gar se­ja su­pe­ri­or a 250 eu­ros é que po­de­rão op­tar por pa­gar o im­pos­to em du­as ou três pres­ta­ções, con­so­an­te os ca­sos. Se o va­lor do im­pos­to va­ri­ar en­tre 250 e 500 eu­ros, o con­tri­buin­te po­de­rá pa­gar em du­as pres­ta­ções, a re­a­li­zar nos me­ses de abril e no­vem­bro. Nos ca­sos em que o im­pos­to se­ja su­pe­ri­or a 500 eu­ros o con­tri­buin­te po­de­rá op­tar por pa­gar em três pres­ta­ções, nos me­ses a abril, ju­lho e no­vem­bro.

O IMI in­ci­de so­bre o va­lor pa­tri­mo­ni­al tri­bu­tá­rio dos pré­di­os ur­ba­nos e rús­ti­cos si­tu­a­dos em ter­ri­tó­rio por­tu­guês e é de­vi­do, em re­gra, pe­lo seu pro­pri­e­tá­rio, usu­fru­tuá­rio ou su­per­fi­ciá­rio.

Nos ca­sos em que o su­jei­to pas­si­vo não pa­gue o im­pos­to den­tro do pra­zo le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­do são de­vi­dos ju­ros de mo­ra. O im­pos­to po­de ser pa­go nos bal­cões dos CTT, nas te­sou­ra­ri­as dos Ser­vi­ços de Fi­nan­ças, aos bal­cões de ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as com pro­to­co­lo fir­ma­do com a Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT), atra­vés dos ser­vi­ços de ho­me ban­king, ou ain­da atra­vés da re­de de cai­xas mul­ti­ban­co. Es­te ano é tam­bém pos­sí­vel ade­rir ao pa­ga­men­to por dé­bi­to di­re­to, atra­vés do Por­tal Fi­nan­ças.

IMI já po­de ser pa­go por dé­bi­to di­re­to

Ou se­ja, es­tá dis­po­ní­vel no Por­tal das Fi­nan­ças a op­ção de pa­ga­men­to de al­guns im­pos­tos, en­tre os quais o Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre Imó­veis (IMI), por dé­bi­to di­re­to, uma me­di­da que se in­se­re no âm­bi­to do Pro­gra­ma Sim­plex +.

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças con­cluiu a ope­ra­ci­o­na­li­za­ção da me­di­da do Pro­gra­ma Sim­plex + que per­mi­te o pa­ga­men­to, por dé­bi­to di­re­to, do IMI, do Im­pos­to so­bre o Ren­di­men­to das Pes­so­as Sin­gu­la­res (IRS), do Im­pos­to so­bre o Ren­di­men­to das Pes­so­as Coletivas (IRC) e do Im­pos­to Úni­co de Cir­cu­la­ção (IUC). O Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) não es­tá in­cluí­do.

Pa­ra ade­rir bas­ta ace­der ao Por­tal das Fi­nan­ças, fa­zer a au­ten­ti­ca­ção no por­tal e cli­car em ‘Dé­bi­to Di­re­to – Pe­di­do de Ade­são’. Em alter­nati­va, a ade­são po­de tam­bém ser efe­tu­a­da di­re­ta­men­te jun­to de qual­quer re­par­ti­ção de Fi­nan­ças. O pa­ga­men­to por dé­bi­to di­re­to po­de evi­tar atra­sos na re­gu­la­ri­za­ção dos im­pos­tos e a con­se­quen­te apli­ca­ção de coi­mas e de ju­ros.

A no­va mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to, que tam­bém po­de ser uti­li­za­da em pla­nos pres­ta­ci­o­nais, jun­ta-se à apli­ca­ção mó­vel da Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT), re­cen­te­men­te lan­ça­da, que per­mi­te pa­gar im­pos­tos e con­sul­tar re­em­bol­sos. Na ce­ri­mó­nia de apre­sen­ta­ção des- tas no­vas fun­ci­o­na­li­da­des, o mi­nis­tro das fi­nan­ças, Má­rio Cen­te­no, re­fe­riu que o Sim­plex po­de tam­bém tor­nar-se um “pou­pex”, na me­di­da em que o cus­to pa­ra o Es­ta­do as­so­ci­a­do a uma ope­ra­ção por dé­bi­to di­re­to se­rá de 20 cên­ti­mos, po­den­do mes­mo não ter qual­quer cus­to, ao pas­so que o cus­to as­so­ci­a­do a uma co­bran­ça nor­mal é de cer­ca de 86 cên­ti­mos.

Pa­ra ade­rir ao dé­bi­to di­re­to o con­tri­buin­te de­ve­rá se­le­ci­o­nar, no Por­tal das Fi­nan­ças, o ti­po de pa­ga­men­to que pre­ten­de fa­zer, ou se­ja, se se­rá ‘re­cor­ren­te’ ou ‘pon­tu­al’, e a fi­na­li­da­de do pa­ga­men­to, is­to é, qual o im­pos­to que quer pa­gar de en­tre as al­ter­na­ti­vas pos­sí­veis. No­te­se que, é ne­ces­sá­rio fa­zer um pe­di­do de ade­são por cada im­pos­to que se pre­ten­da as­so­ci­ar ao dé­bi­to di­re­to. De­pois de se­le­ci­o­na­do o im­pos­to, o con­tri­buin­te po­de ain­da de­fi­nir o mon­tan­te má­xi­mo de dé­bi­to e a da­ta li­mi­te da au­to­ri­za­ção. Con­cluí­do o pe­di­do de ade­são, é ge­ra­do au­to­ma­ti­ca­men­te um do­cu­men­to que re­pro­duz to­das as op­ções an­te­ri­or­men­te se­le­ci­o­na­das, o qual de­ve­rá ser con­fir­ma­do me­di­an­te no­va au­ten­ti­ca­ção no por­tal.

O con­tri­buin­te tem a pos­si­bi­li­da­de de ge­rir per­ma­nen­te­men­te as su­as au­to­ri­za­ções, po­den­do can­ce­lá-las ou al­te­rá-las a qual­quer mo­men­to. Por ou­tro la­do, se ocor­rer al­gum dé­bi­to in­de­vi­do, o con­tri­buin­te tem um pra­zo de oi­to se­ma­nas, a con­tar da da­ta do dé­bi­to, pa­ra so­li­ci­tar ao ban­co o re­em­bol­so do mon­tan­te in­de­vi­da­men­te de­bi­ta­do.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.