Es­cas­sez de es­cri­tó­ri­os em Lis­boa be­ne­fi­cia ei­xo Car­na­xi­de-Mi­ra­flo­res

Nu­ma al­tu­ra em que a bai­xa dis­po­ni­bi­li­da­de de es­pa­ços na ca­pi­tal ame­a­ça li­mi­tar a ati­vi­da­de de ocu­pa­ção de es­cri­tó­ri­os, o ei­xo Car­na­xi­de-Mi­ra­flo­res, bem jun­to a Lis­boa, po­de be­ne­fi­ci­ar da mi­gra­ção da pro­cu­ra.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

“Com mui­tas em­pre­sas a ex­pan­dir e a mu­dar de ins­ta­la­ções e a ou­tras a en­trar pe­la pri­mei­ra vez no mer­ca­do”, de acor­do com Mariana Ro­sa, da con­sul­to­ra JLL, o ano de 2017 foi um dos mais for­tes na ocu­pa­ção de es­cri­tó­ri­os em Lis­boa na úl­ti­ma dé­ca­da (mais de 166.000 m2 de ta­ke up). A eco­no­mia em re­cu­pe­ra­ção e a mai­or pro­je­ção da ca­pi­tal co­mo des­ti­no em­pre­sa­ri­al in­ter­na­ci­o­nal são in­di­ca­do­res de que a pro­cu­ra não irá abran­dar es­te ano, mas a ofer­ta dis­po­ní­vel não es­tá a apre­sen­tar ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta e “a fal­ta de pro­du­to irá per­du­rar ao lon­go de 2018”, no­ta a CBRE. A ofer­ta de no­vos es­cri­tó­ri­os apre­sen­ta “um cres­ci­men­to in­ci­pi­en­te des­de 2012”, diz a Cush­man & Wa­ke­fi­eld, e ape­sar de ter re­cu­pe­ra­do já no ano pas­sa­do, vai man­ter-se li­mi­ta­da nos pró­xi­mos anos. A con­sul­to­ra iden­ti­fi­ca ape­nas 9 pro­je­tos com con­clu­são pre­vis­ta até 2020, nu­ma área to­tal de 100.000 m2, dos quais gran­de par­te es­tá já com con­tra­to de pré-ar­ren­da­men­to (i.e,. com ocu­pa­ção garantida). Além dis­so, es­ta ofer­ta no­va su­jei­ta a préar­ren­da­men­to aca­ba por es­tar fo­ra do al­can­ce da mai­o­ria das PME’s, no­ta, por ou­tro la­do, a B.Pri­me, que es­ti­ma que o stock de es­cri­tó­ri­os no­vos dis­po­ní­veis em Lis­boa não che­gue a 1%. Com es­ta con­ju­ga­ção de fa­to­res, além da su­bi­da da ren­da pri­me (en­tre 3 e 5%, de acor­do com CBRE), as em­pre­sas ten­de­rão a mi­grar pa­ra ou­tras ci­da­des/con­ce­lhos. O Cor­re­dor Oes­te (no con­ce­lho de Oei­ras, in­cluin­do a fran­ja da A5, e on­de so­bres­sa­em o nú­cleo ur­ba­no Car­na­xi­de – Mi­ra­flo­res e um ou­tro com­pos­to pe­los gran­des par­ques de es­cri­tó­ri­os jun­to à au­to­es­tra­da), tem si­do uma das zo­nas que mais be­ne­fi­cia da es­cas­sez na ci­da­de de Lis­boa. Foi a zo­na com mai­or vo­lu­me de ab­sor­ção em 2017 (26% do to­tal) e a se­gun­da on­de as ren­das mais cres­ce­ram (cer­ca de 30% de €10 pa­ra €14,5/ m2/mês - da­dos JLL) des­de o mí­ni­mo do mer­ca­do (em 2013), con­ti­nu­an­do, não obs­tan­te, a apre­sen­tar os va­lo­res pri­me mais bai­xos do mer­ca­do.

Aces­sos, pro­xi­mi­da­de a Lis­boa e pre­ço são atra­ti­vos

A dis­po­ni­bi­li­da­de de áre­as de gran­de di­men­são fa­ce a uma pro­cu­ra com ne­ces­si­da­de mar­ca­da des­te ti­po de es­pa­ço tem si­do um dos ar­gu­men­tos des­ta zo­na, mas a pro­xi­mi­da­de a Lis­boa e uma ocu­pa­ção a va­lo­res bas­tan­te mais bai­xos pro­me­tem tam­bém atrair cada vez mais em­pre­sas, es­pe­ci­al­men­te no ei­xo de Car­na­xi­deMi­ra­flo­res.

“A ape­nas um qui­ló­me­tro de dis­tân­cia, te­mos pre­ços que são qua­se o do­bro”, co­me­ça por no­tar Nu­no Mar­ques, da Easy­gest Mi­ra­flo­res, a pro­pó­si­to de um edi­fí­cio de es­cri­tó­ri­os si­tu­a­do na zo­na da Por­te­la de Car­na­xi­de e que a me­di­a­do­ra es­tá a co­mer­ci­a­li­zar em ex­clu­si­vo pa­ra o Mil­len­nium bcp. O imó­vel si­tua-se na Es­tra­da da Aju­da, na Por­te­la de Car­na­xi­de, to­ta­li­zan­do 47 fra­ções de es­cri­tó­ri­os dis­tri­buí­das por qua­tro pi­sos, com áre­as en­tre 100 e 276 m2; e 8 lo­jas no pi­so tér­reo com áre­as en­tre as 66 e os 152 m2, bem co­mo es­ta­ci­o­na­men­to em ca­ve (3 pi­sos). Tra­ta-se de “uma zo­na pró­xi­ma da ca­pi­tal”, com bons aces­sos aos prin­ci­pais ei­xos viá­ri­os (CRIL, CREL e A5) e com o no­vo tro­ço da VLN (en­tre a No­va Car­na­xi­de e a Ro­tun­da da Pi­nhol) tem uma cir­cu­la­ção ain­da mais di­re­ta e fa­ci­li­ta­da. Com “es­ta no­va via pou­pa­mos 20 mi­nu­tos no per­cur­so” ga­ran­te Nu­no Mar­ques. Na pers­pe­ti­va de Car­los Nu­nes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Re­ta­lho Sul da Di­re­ção de Negócio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, a lo­ca­li­za­ção “é mag­ní­fi­ca”, pois “não sen­do o cen­tro de Lis­boa, pe­la pro­xi­mi­da­de e aces­sos aca­ba por ser até mais atra­ti­vo do que es­tar den­tro da ci­da­de, des­de lo­go pe­la com­po­nen­te pre­ço”. Por is­so, tan­to po­de ser uma opor­tu­ni­da­de pa­ra em­pre­sas que “se vêm im­pe­di­das de es­tar em Lis­boa pe­la dis­po­ni­bi­li­da­de de es­pa­ços ou pe­los va­lo­res pra­ti­ca­dos”, co­mo pa­ra em­pre­sas que quei­ram apro­xi­mar-se da Gran­de Lis­boa, “sem que te­nham que pa­gar os va­lo­res aí pra­ti­ca­dos”. De acor­do com Nu­no Mar­ques, o va­lor de ven­da des­tes es­cri­tó­ri­os ron­da os €1.000/m2, um “pre­ço mui­to in­te­res­san­te”. Mes­mo pa­ra ar­ren­dar, “não se con­se­gue en­con­trar na­da abai­xo dos €6-€7 por m2 na zo­na e se nos afas­tar­mos mais um pou­co, as ren­das qua­se du­pli­cam”, ga­ran­te.

Acres­ce ain­da que se tra­tam de es­cri­tó­ri­os “com áre­as ge­ne­ro­sas e in­se­ri­dos num edi­fí­cio pre­pa­ra­do de raiz pa­ra ofe­re­cer aos seus pro­pri­e­tá­ri­os e a to­dos os cli­en­tes, con­for­to e ope­ra­ci­o­na­li­da­de”, diz Car­los Nu­nes, que de­ta­lha que se tra­ta de es­cri­tó­ri­os no­vos. “Pa­ra quem ne­ces­si­ta de áre­as de mai­or di­men­são, ten­do em con­ta que os es­pa­ços se en­con­tram em bru­to no in­te­ri­or, é re­la­ti­va­men­te fá­cil di­men­si­o­nar com a aqui­si­ção de vá­ri­as fra­ções. Po­de­mos ter cer­ca de 2.000 m2 por pi­so, já que cada pi­so tem 12 fra­ções”, diz Nu­no Mar­ques.

Além das em­pre­sas que pre­ten­dem es­pa­ço em Lis­boa e não en­con­trem e das em­pre­sas que que­rem apro­xi­mar-se da ci­da­de sem es­tar ne­la, a pro­xi­mi­da­de des­te edi­fí­cio às zo­nas in­dus­tri­ais/em­pre­sa­ri­ais de Car­na­xi­de e Al­fra­gi­de abre bo­as pers­pe­ti­vas pa­ra a ocu­pa­ção, já que “quem es­tá ins­ta­la­do nes­tas zo­nas com ar­ma­zéns, po­de en­con­trar aqui uma ex­ce­len­te op­ção pa­ra ins­ta­lar par­te dos seus ser­vi­ços de apoio e ex­pan­dir-se”, no­ta Nu­no Mar­ques. Dis­tan­do pou­co mais de 1 km des­tes im­por­tan­tes hubs em­pre­sa­ri­ais, o imó­vel es­tá si­tu­a­do nu­ma zo­na on­de pre­do­mi­na a ha­bi­ta­ção, o que po­de tam­bém ser uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a ins­ta­la­ção de em­pre­sas, já que “aqui fal­tam mui­tos ser­vi­ços”, ga­ran­te o me­di­a­dor da Easy­gest. Pa­ra Car­los Nu­nes, es­ta in­te­gra­ção em área re­si­den­ci­al “ga­ran­te um ou­tro ti­po de atra­ti­vi­da­de”, no­me­a­da­men­te “o am­bi­en­te com vi­da pró­pria, com co­mér­cio di­ver­so, ser­vi­ços e es­co­las”. Es­tes são igual­men­te fa­to­res a ter em con­ta pa­ra a ven­da dos es­pa­ços co­mer­ci­ais. Além da farmácia, ca­fé e mer­ce­a­ria já ins­ta­la­dos, o ra­mo da res­tau­ra­ção (in­cluin­do ca­fés, res­tau­ran­tes ou pi­za­ri­as) po­de ser mui­to in­te­res­san­te pois o imó­vel “dis­põe de um átrio pos­te­ri­or com uma di­men­são que con­vi­da à ins­ta­la­ção de zo­nas ex­te­ri­o­res de apoio, co­mo uma es­pla­na­da, com um in­te­res­san­te en­qua­dra­men­to pai­sa­gís­ti­co”. Mas o for­ma­to e ori­en­ta­ção fí­si­ca das lo­jas é tam­bém pro­pí­cio à ins­ta­la­ção de ati­vi­da­des li­ga­das à pres­ta­ção de ser­vi­ços, co­mo la­van­da­ri­as, ca­be­lei­ro ou cli­ni­cas de saú­de. So­bre­tu­do “co­mér­cio lo­cal, de pro­xi­mi­da­de e con­ve­ni­ên­cia”, ter­mi­na Nu­no Mar­ques. O Mil­len­nium bcp espera ven­der a to­ta­li­da­de das fra­ções até fi­nal do ano.

MIL­LEN­NIUM BCP

De­ti­do pe­lo Mil­len­nium bcp, o edi­fi­cio de es­cri­tó­ri­os na Es­tra­da da Aju­da, em Car­na­xi­de, des­ta­ca-se pe­la pro­xi­mi­da­de a Lis­boa, bons aces­sos e pre­ços com­pe­ti­ti­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.