In­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio co­mer­ci­al na Eu­ro­pa bateu no­vo re­cor­de

A Worx di­vul­gou um es­tu­do do BNP Pa­ri­bas Re­al Es­ta­te so­bre o no­vo re­cor­de de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio co­mer­ci­al na Eu­ro­pa, que atin­giu os 259 mil mi­lhões de eu­ros.

Publico - Imobiliario - - Novos Projetos Imobiliários Na Ru -

O vo­lu­me to­tal de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio co­mer­ci­al na Eu­ro­pa atin­giu os 259 mil mi­lhões de eu­ros em 2017, mon­tan­te 11% aci­ma do ve­ri­fi­ca­do em 2016 e que ul­tra­pas­sou igual­men­te o ano his­tó­ri­co de 2015 (252 mil mi­lhões de eu­ros), di­vul­gou a Worx, ci­tan­do um es­tu­do do BNP Pa­ri­bas Re­al Es­ta­te so­bre o no­vo re­cor­de de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio co­mer­ci­al na Eu­ro­pa.

Se­gun­do es­ta con­sul­to­ra, o mer­ca­do be­ne­fi­ci­ou de uma con­jun­tu­ra per­fei­ta de fa­to­res, as­sen­te nu­ma me­lho­ria ge­ne­ra­li­za­da do con­tex­to eco­nó­mi­co, do au­men­to das ta­xas de ocu­pa­ção e do vo­lu­me de li­qui­dez do mer­ca­do.

O do­cu­men­to ex­pres­sa que o seg­men­to de es­cri­tó­ri­os man­te­ve a sua pri­ma­zia nas pre­fe­rên­ci­as dos in­ves­ti­do­res, com a ven­da de ati­vos em­ble­má­ti­cos co­mo o Co­eur Dé­fen­se em Pa­ris, Wal­kie-tal­kie e Che­e­se­gra­ter em Lon­dres e tam­bém o Sony Cen­ter em Ber­lim a to­mar lu­gar em 2017. Diz ain­da o es­tu­do que o seg­men­to in­dus­tri­al foi a gran­de re­ve­la­ção do ano, com o seu vo­lu­me de tran­sa­ções a ser im­pul­si­o­na­do (+56%) por tran­sa­ções de port­fo­li­os de peso, co­mo foi o ca­so da Lo­gi­cor no mon­tan­te glo­bal de 12 mil mi­lhões de eu­ros.

Já os mer­ca­dos ale­mães fo­ram apon­ta­dos co­mo os lí­de­res da per­for­man­ce no­tá­vel do mer­ca­do, com Ber­lim (+46%) a ocu­par o pri­mei­ro lu­gar do ran­king. No que con­cer­ne ao mer­ca­do lon­dri­no, “as pre­o­cu­pa­ções re­la­ti­vas ao pro­ces­so Bre­xit pa­re­cem ter-se des­va­ne­ci­do”, lê-se no do­cu­men­to. “A Zo­na Cen­tral de Lon­dres re­cu­pe­rou o pri­mei­ro lu­gar no ran­king das ci­da­des eu­ro­pei­as, ve­ri­fi­can­do um mon­tan­te to­tal de in­ves­ti­men­to na or­dem dos 22.5 mil mi­lhões de eu­ros.”

Já o mer­ca­do Cen­tral de Pa­ris, que ocu­pa ago­ra o se­gun­do lu­gar da ta­be­la, ve­ri­fi­cou uma des­ci­da de 18%, jus­ti­fi­ca­da pe­la es­cas­sez de ati­vos pa­ra ven­da. Ape­sar do in­te­res­se por es­te mer­ca­do, os in­ves­ti­do­res es­tão a sen­tir di­fi­cul­da­des em en­con­trar no­vos ati­vos, he­si­tan­do na ho­ra de in­ves­tir.

O do­cu­men­to ex­pla­na ain­da que os va­lo­res de yi­eld, pa­ra to­dos os seg­men­tos, con­ti­nu­a­ram a re­gis­tar uma ten­dên­cia de for­te com­pres­são, com o ano de 2017 a atin­gir ní­veis his­to­ri­ca­men­te bai­xos. A pri­me yi­eld de es­cri­tó­ri­os no mer­ca­do de Ber­lim des­ceu da mar­ca dos 3.0% e atin­giu no fi­nal de 2017 os 2.9%, as­su­min­do­se co­mo o va­lor mais bai­xo re­gis­ta­do em to­do o mer­ca­do eu­ro­peu. Tam­bém os mer­ca­dos de Mu­ni­que (3.0%), Pa­ris (3.05%) e Ma­drid (3.25%) re­gis­ta­ram a mes­ma ten­dên­cia de com­pres­são dos va­lo­res de yi­eld.

Mer­ca­do na­ci­o­nal

Já o mer­ca­do por­tu­guês de in­ves­ti­men­to, tam­bém con­tem­pla­do nes­te es­tu­do, atin­giu os 2 mil mi­lhões de eu­ros em 2017, va­lor que re­me­te pa­ra o his­tó­ri­co ano de 2015. “Com yi­elds aci­ma das ob­ser­va­das nou­tras ci­da­des eu­ro­pei­as, o mer­ca­do na­ci­o­nal tem si­do uma boa apos­ta pa­ra di­ver­sos in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais, com o mer­ca­do a li­ber­tar bo­as opor­tu­ni­da­des”. Pa­ra 2018, pre­vê-se que se­ja atin­gin­do um no­vo re­cor­de his­tó­ri­co, aci­ma dos 2 mil mi­lhões de eu­ros, com os seg­men­tos de re­ta­lho e es­cri­tó­ri­os a li­de­ra­rem a ta­be­la.

DR

Se­gun­do a Worx, o mer­ca­do be­ne­fi­ci­ou de uma con­jun­tu­ra per­fei­ta de fa­to­res, as­sen­te nu­ma me­lho­ria ge­ne­ra­li­za­da do con­tex­to eco­nó­mi­co, do au­men­to das ta­xas de ocu­pa­ção e do vo­lu­me de li­qui­dez do mer­ca­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.