O pa­ra­do­xo do por­tu­guês

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

É sur­pre­en­den­te a ca­pa­ci­da­de que nós, por­tu­gue­ses, te­mos de es­que­cer o pas­sa­do, mes­mo que es­te se­ja mui­to re­cen­te. An­tó­nio Va­ri­a­ções can­ta­va “es­ta in­sa­tis­fa­ção, não con­si­go com­pre­en­der” e de fac­to, é in­com­pre­en­sí­vel que não es­te­ja­mos nun­ca sa­tis­fei­tos com a nos­sa re­a­li­da­de, mes­mo quan­do apre­sen­ta me­lho­ri­as em re­la­ção ao dia de on­tem.

Es­ti­ve re­cen­te­men­te na Gré­cia, um dos paí­ses que ali­nha­vam ao la­do de Por­tu­gal nos “PIGS”, si­gla usa­da pa­ra iden­ti­fi­car os qua­tros paí­ses da zo­na eu­ro (Por­tu­gal, Itá­lia, Gré­cia e Es­pa­nha) com um ele­va­do de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas e ele­va­das ta­xas de de­sem­pre­go. E, ape­sar das me­lho­ri­as que se re­gis­ta­ram des­de es­te “ba­tis­mo”, a ver­da­de é que, ao ver com os meus olhos a re­a­li­da­de gre­ga, em que a po­bre­za e o am­bi­en­te ain­da são hos­tis, não pu­de dei­xar de me sen­tir or­gu­lho­so pe­la for­ma co­mo Por­tu­gal, com to­das as di­fi­cul­da­des e in­cer­te­zas que ain­da atra­ves­sa, con­se­guiu dar de cer­ta for­ma a “vol­ta”, com a pre­ci­o­sa aju­da do Tu­ris­mo e da sua “união de fac­to” com o Imo­bi­liá­rio.

Mas a “tu­ris­ti­fi­ca­ção” de Por­tu­gal pa­re­ce não agra­dar a nin­guém, ou pe­lo me­nos é es­sa a ima­gem que se trans­mi­te, no­me­a­da­men­te quan­do a nos­sa im­pren­sa pas­sa fre­quen­te­men­te um re­fle­xo agres­si­vo dos ma­le­fí­ci­os que o tu­ris­mo e o imo­bi­liá­rio es­tão a tra­zer aos por­tu­gue­ses, ig­no­ran­do com­ple­ta­men­te que, na ba­lan­ça, os be­ne­fí­ci­os são mui­to su­pe­ri­o­res a quais­quer cons­tran­gi­men­tos que pos­sam exis­tir.

Nes­te mo­men­to, em que o Tu­ris- mo é um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­lo nos­so de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e em que o imo­bi­liá­rio tem de­sem­pe­nha­do um pa­pel im­por­tan­tís­si­mo na cri­a­ção de em­pre­go, fa­zen­do me­xer múl­ti­plas ati­vi­da­des, a mon­tan­te e a ju­san­te do sec­tor, in­sis­te-se na ideia de que o alo­ja­men­to lo­cal es­tá no cen­tro dos pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais exis­ten­tes, quan­do por ou­tro la­do, es­te­ve no cen­tro da re­cu­pe­ra­ção das ci­da­des, e das su­as di­nâ­mi­cas eco­nó­mi­cas.

Re­cor­do um pas­sa­do bem re­cen­te, em que, por exem­plo, a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na era apon­ta­da co­mo um de­síg­nio na­ci­o­nal, que aca­bou por se con­cre­ti­zar, le­va­da a ca­bo mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por pri­va­dos, que in­ves­ti­ram nos cen­tros das ci­da­des, até en­tão de­vo­lu­tos e sem con­di­ções, pa­ra pro­mo­ver uma apos­ta num seg­men­to que se apre­sen­ta­va com gran­de po­ten­ci­al de va­lo­ri­za­ção.

De­vi­do ao im­pac­to que o Alo­ja­men­to Lo­cal te­ve em du­as ou três fre­gue­si­as da Ca­pi­tal, e uma ou du­as da In­vic­ta, dis­cu­tem-se ago­ra pro­pos­tas de lei que irão ma­tar es­te mer­ca­do, ig­no­ran­do com­ple­ta­men­te os be­ne­fí­ci­os que es­tá a tra­zer a ou­tras ci­da­des do País, atra­vés do in­ves­ti­men­to que cap­ta e do em­pre­go que ge­ra.

Não nos po­de­mos dar ao lu­xo de vol­tar a por tu­do em cau­sa, por um mer­ca­do que es­tá a fun­ci­o­nar im­pe­ca­vel­men­te e que tem la­va­do a ca­ra des­te nos­so Por­tu­gal. O im­pac­to ne­ga­ti­vo que even­tu­ais me­xi­das na le­gis­la­ção do alo­ja­men­to lo­cal te­rão no mer­ca­do, se­rá mui­to mai­or do que aqui­lo que se pos­sa pre­ver. É mui­ta in­ge­nui­da­de pen­sar que ao tra­var o alo­ja­men­to lo­cal se cri­a­rá mais e me­lho­res so­lu­ções ha­bi­ta­ci­o­nais pa­ra os por­tu­gue­ses. Is­so não acon­te­ce­rá. As con­sequên­ci­as se­rão mais de­sas­tro­sas do que be­né­fi­cas.

Não po­de­mos con­ti­nu­ar a vi­ver nes­te pa­ra­do­xo, em que es­ta­mos in­sa­tis­fei­tos com o que é ne­ga­ti­vo e com o que é po­si­ti­vo. Quan­do sur­gem opor­tu­ni­da­des, te­mos que sa­ber apro­vei­tá-las em vez de as ame­a­çar­mos.

Re­cor­do um pas­sa­do bem re­cen­te, em que, por exem­plo, a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na era apon­ta­da co­mo um de­síg­nio na­ci­o­nal, que aca­bou por se con­cre­ti­zar, le­va­da a ca­bo mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por pri­va­dos, que in­ves­ti­ram nos cen­tros das ci­da­des

Pre­si­den­te da APEMIP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.