Va­mos Re­a­bi­li­tar Por­tu­gal

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Sen­do ver­da­de que Por­tu­gal en­ca­rou, de for­ma unâ­ni­me, a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na co­mo um dos mo­to­res da pro­du­ti­vi­da­de ter­ri­to­ri­al e da es­tra­té­gia glo­bal de di­na­mi­za­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al, é cer­to que os bons re­sul­ta­dos al­can­ça­dos se ali­cer­ça­ram, qua­se em ex­clu­si­vo, no in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro. É, pois, fun­da­men­tal, com­ple­tar o ci­clo, pa­ra dar di­men­são na­ci­o­nal à Re­a­bi­li­ta­ção, cor­res­pon­den­do às ne­ces­si­da­des de to­do o País.

O fi­nan­ci­a­men­to, con­ti­nua a ser uma das mai­o­res di­fi­cul­da­des, so­bre­tu­do pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os que não dis­põem de re­cur­sos pa­ra pro­mo­ver as in­ter­ven­ções que os seus edi­fí­ci­os exi­gem. Por is­so, são ne­ces­sá­ri­os me­ca n i s mos que per­mi­tam a mo­bi­li­za­ção e dis­po­ni­bi­li­za­ção de re­cur­sos pú­bli­cos pa­ra pro­gra­mas es­pe­cí­fi­cos de fi­nan­ci­a­men­to.

Re a f i r m o , pois, a im­por­tân­cia de fer­ra­men­tas co­mo o “Pro­gra­ma Ca­sa Efi­ci­en­te 2020” – pro­mo­vi­do pe­lo Go­ver­no e pe­la CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio – des­ti­na­do a to­do o ti­po de pro­pri­e­tá­ri­os, in­de­pen­den­te­men­te da sua di­men­são e lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca, que irá ser apre­sen­ta­do na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra. De igual mo­do, é o ca­so do IFRRU, um ins­tru­men­to cen­tra­do nas Áre­as de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na e do FNRE - Fun­do Na­ci­o­nal de Re­a­bi­li­ta­ção do Edi­fi­ca­do, que irá apoi­ar ope­ra­ções de re­a­bi- li­ta­ção de edi­fí­ci­os, des­ti­na­dos ao ar­ren­da­men­to.

São cla­ra­men­te ins­tru­men­tos com­ple­men­ta­res que, fun­ci­o­nan­do em con­jun­to, mui­to po­de­rão con­tri­buir pa­ra o ar­ran­que de um “no­vo ci­clo” na re­a­bi­li­ta­ção. Es­te foi um dos as­pe­tos que fi­ca­ram pa­ten­tes na Ses­são de Aber­tu­ra da V Edi­ção da Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa. Pa­ra além de es­tar em cau­sa o di­rei­to fun­da­men­tal que é o aces­so à ha­bi­ta­ção, re­a­bi­li­tar é de­vol­ver as ci­da­des às pes­so­as e, ao mes­mo tem­po, é de­sen­vol­ver, de uma for­ma trans­ver­sal, a ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca e a cri­a­ção de em­pre­go.

As em­pre­sas cor­res­pon­de­ram aos de­sa­fi­os de um mer­ca­do com­ple­xo e com uma di­nâ­mi­ca ex­po­nen­ci­al, mas o seu es­for­ço tem de ser apoi­a­do. Bas­ta ver que os nú­me­ros apu­ra­dos pe­lo INE, re­la­ti­vos às li­cen­ças de obras de al­te­ra­ção emi­ti­das em 2017 re­fle­tem uma que­da de 0,5%, fa­ce a 2016, o que não cor­res­pon­de à re­a­bi­li­ta­ção que es­tá à vis­ta de to­dos. Se há in­ter­ven­ções que não es­tão su­jei­tas a li­cen­ci­a­men­to, ou­tras ha­ve­rá que es­ca­pam à ati­vi­da­de fis­ca­li­za­do­ra das en­ti­da­des com­pe­ten­tes. Es­tão em cau­sa si­tu­a­ções de tra­ba­lho clan­des­ti­no que de­cor­rem à mar­gem do mer­ca­do, às quais há que pôr fim.

Foi, por is­so, que a AICCOPN - As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas, cri­ou a mar­ca R.U.-I.S. e lan­çou uma cam­pa­nha na­ci­o­nal que aler­ta pa­ra os ris­cos as­so­ci­a­dos à in­for­ma­li­da­de e ile­ga­li­da­de e rei­te­ra a im­por­tân­cia de con­tra­tar em­pre­sas qua­li­fi­ca­das. Dis­tin­guir quem atua com cum­pri­men­to das re­gras exi­gi­das, é um con­tri­bu­to es­sen­ci­al pa­ra es­te de­sa­fio que é va­lo­ri­zar e qua­li­fi­car o te­ci­do em­pre­sa­ri­al e, si­mul­ta­ne­a­men­te, re­a­bi­li­tar as ci­da­des de for­ma in­te­li­gen­te e sus­ten­tá­vel.

O fi­nan­ci­a­men­to, con­ti­nua a ser uma das mai­o­res di­fi­cul­da­des, so­bre­tu­do pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os que não dis­põem de re­cur­sos pa­ra pro­mo­ver as in­ter­ven­ções que os seus edi­fí­ci­os exi­gem. Por is­so, são ne­ces­sá­ri­os me­ca­nis­mos que per­mi­tam a mo­bi­li­za­ção e dis­po­ni­bi­li­za­ção de re­cur­sos pú­bli­cos pa­ra pro­gra­mas es­pe­cí­fi­cos de fi­nan­ci­a­men­to

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Manuel Reis Campos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.