Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na con­so­li­da-se co­mo “ver­da­dei­ro de­síg­nio na­ci­o­nal”

De­cor­re es­ta se­ma­na a V edi­ção da Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa, nu­ma al­tu­ra em que o se­tor atra­ves­sa “um no­vo ci­clo de con­so­li­da­ção da re­a­bi­li­ta­ção co­mo um ver­da­dei­ro de­síg­nio na­ci­o­nal”

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Ana Ta­va­res

O se­tor atra­ves­sa “um no­vo ci­clo de con­so­li­da­ção da re­a­bi­li­ta­ção co­mo um ver­da­dei­ro de­síg­nio na­ci­o­nal”, dis­se Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da CPCI - Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio, na aber­tu­ra da V edi­ção da Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa, que de­cor­re até 15 de abril na ca­pi­tal por­tu­gue­sa.

Ma­nu­el Reis Cam­pos re­fe­riu que “es­ta­mos no bom ca­mi­nho, Por­tu­gal en­ca­rou a re­a­bi­li­ta­ção co­mo um dos mo­to­res da pro­du­ti­vi­da­de ter­ri­to­ri­al e di­na­mi­za­do­ra eco­nó­mi­ca e so­ci­al”, e con­si­de­ra que “Lis­boa é ho­je uma me­tró­po­le cos­mo­po­li­ta que fi­gu­ra nos prin­ci­pais ro­tei­ros mun­di­ais”. Es­ta di­nâ­mi­ca “per­mi­te-nos afir­mar que é o mo­men­to cer­to pa­ra re­cu­pe­rar as ci­da­des, num mo­men­to re­ge­ne­ra­dor. Es­tá em cau­sa mais do que a re­cu­pe­ra­ção fí­si­ca do pa­tri­mó­nio cons­truí­do, mas tam­bém uma re­a­bi­li­ta­ção in­te­li­gen­te e sus­ten­tá­vel pa­ra a com­pe­ti­ti­vi­da­de ter­ri­to­ri­al”.

O pre­si­den­te da CPCI ad­mi­te que o aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to “con­ti­nua a ser uma das di­fi­cul­da­des”, com o in­ves­ti­men­to pri­va­do a ser no­tó­rio, mas tam­bém não dei­xou de re­fe­rir que “a dis­po­ni­bi­li­za­ção de re­cur­sos pú­bli­cos co­me­ça a ser uma re­a­li­da­de no ter­re­no, com Lis­boa a as­su­mir o seu pro­ta­go­nis­mo”.

Pa­ra es­te res­pon­sá­vel, é cla­ro que “as em­pre­sas as­su­mi­ram es­te de­sa­fio”. E de­vem ser apoi­a­das, apon­tan­do co­mo prin­ci­pais rep­tos ques­tões co­mo o tra­ba­lho clan­des­ti­no ou o já re­fe­ri­do aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to. “Há in­ter­ven­ções que não es­tão su­jei­tas a li­cen­ci­a­men­to e ou­tras es­ca­pam à fis­ca­li­da­de. Há tra­ba­lho clan­des­ti­no ao qual há que co­lo­car um fim”.

O pre­si­den­te men­ci­o­nou ain­da a mar­ca RU-IS - Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel, cu­jo “ní­vel de ade­são é re­gu­la­dor do seu in­te­res­se e im­por­tân­cia”, sen­do que “os do­nos de obra re­co­nhe­cem atri­bu­to à mar­ca do qual não que­rem pres­cin­dir pa­ra ga­ran­tir a qua­li­da­de má­xi­ma das su­as obras”.

Re­a­bi­li­ta­ção é cen­tral nas po­lí­ti­cas ur­ba­nas

A aber­tu­ra da Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção de Lis­boa con­tou com a pre­sen­ça de João Pe­dro Ma­tos Fer­nan­des, mi­nis­tro do Am­bi­en­te. Pa­ra o go­ver­nan­te, é tem­po de to­mar de- ci­sões na área da ha­bi­ta­ção. “Ho­je, a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na é um ob­je­ti­vo cen­tral das po­li­ti­cas ur­ba­nas”, e a sua con­tri­bui­ção pa­ra a pro­te­ção e qua­li­fi­ca­ção do meio am­bi­en­te “é es­sen­ci­al e con­sen­su­al”.

Re­al­çan­do a im­por­tân­cia do apoio e qua­li­fi­ca­ção das em­pre­sas, des­ta­cou pro­gra­mas co­mo o IFRRU, que já re­gis­ta “nú­me­ros im­pres­si­o­nan­tes”, o Ca­sa Efi­ci­en­te, que ve­rá um no­vo pro­to­co­lo as­si­na­do ain­da es­ta se­ma­na, ou a cons­ti­tui­ção do Fun­do Na­ci­o­nal de Re­a­bi­li­ta­ção do Edi­fi­ca­do, que fi­ca­rá pron­to “em me­nos de um mês”. Já o Re­a­bi­li­tar pa­ra Ar­ren­dar “es­tá em ve­lo­ci­da­de cru­zei­ro”.

E no­tou que “a po­lí­ti­ca de re­a­bi­li­ta­ção do Go­ver­no não aca­ba aqui. Qu­e­re­mos cri­ar con­di­ções pa­ra que a re­a­bi­li­ta­ção pas­se de ex­ce­ção à re­gra. A re­a­bi­li­ta­ção é um de­sa­fio par­ti­lha­do pe­lo Go­ver­no”. Além dis­so, “se­rá evi­den­te o pa­pel da re­a­bi­li­ta­ção nas no­vas po­lí­ti­cas de ha­bi­ta­ção, e o in­ver­so te­rá tam­bém de ser ver­da­dei­ro”, con­cluiu.

O mi­nis­tro ex­pli­cou na ses­são de aber­tu­ra que a cons­tru­ção e in­fra­es­tru­tu­ra­ção acar­re­tam um enor­me con­su­mo de re­cur­sos, pe­lo que “a ex­pan­são da ur­ba­ni­za­ção te­rá sem­pre im­pac­to”. E cla­ri­fi­cou que o edi­fi­ca­do é o con­su­mi­dor da mai­or quo­ta de ener­gia e “gran­de fon­te de re­sí­du­os”. Na sua opi­nião, a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (RU) pro­mo­ve a reu­ti­li­za­ção efi­ci­en­te dos re­cur­sos, em con­tra­pon­to ao aban­do­no da ex­pan­são dos cen­tros pa­ra as pe­ri­fe­ri­as. “Per­mi­te me­lho­rar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, uma das for­mas mais efi­ca­zes pa­ra dar cum­pri­men­to aos com­pro­mis­sos de re­du­ção de emis­sões”.

De res­to, João Pe­dro Ma­tos Fer­nan­des as­se­ve­ra que “con­fron­ta­mo­nos com um pro­ble­ma hu­ma­no”, até por­que “so­mos nós a ge­ra­ção fu­tu­ra do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel”. “En­ga­na­mo-nos se pen­sar­mos que a gé­ne­se do pro­ble­ma es­tá li­ga­da à ener­gia. Te­re­mos sem­pre fon­tes de ener­gia ao nos­so dis­por, mas os ma­te­ri­ais e as ma­té­ri­as-pri­mas vão mes­mo aca­bar”, exem­pli­fi­cou. “E a cons­tru­ção pre­ci­sa de mui­ta. Já ex­traí­mos da ter­ra to­dos os ma­te­ri­ais que pre­ci­sa­mos pa­ra re­a­bi­li­tar ou cons­truir nos pró­xi­mos anos. Re­cur­sos não se re­ge­ne­ram no tem­po das nos­sas ge­ra­ções”. Daí sa­li­en­tar ser fun­da­men­tal o bom uso das ma­té­ri­as-pri­mas e “apos­tar­mos de­cla­ra­da­men­te na Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na”.

O Go­ver­no e a RU

Mas a po­lí­ti­ca de RU do Go­ver­no não aca­ba aqui, ga­ran­te João Pe­dro Ma­tos Fer­nan­des. E pa­ra além da já re­fe­ri­da cri­a­ção de con­di­ções pa­ra que a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na pas­se de ex­ce­ção, o mi­nis­tro fa­lou ain­da na “con­fi­an­ça que os pro­gra­mas e me­di­das apre­sen­ta­dos mos­tram a apos­ta de­ci­si­va do Go­ver­no na RU”.

“A apos­ta na Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na é for­te e cla­ra na pro­cu­ra de ci­da­des mais den­sas e par­ti­lha­das, mais ca­pa­zes de ser­vir os ci­da­dãos a cus­tos bai­xos”. Mas João Pe­dro Ma­tos Fer­nan­des as­se­gu­ra que sua

Luís Cam­pos Reis, pre­si­den­te da CPCI, diz ha­ver in­ter­ven­ções que não es­tão su­jei­tas a li­cen­ci­a­men­to e ou­tras que es­ca­pam à fis­ca­li­da­de. “Há tra­ba­lho clan­des­ti­no ao qual há que co­lo­car um fim”

DR

Du­ran­te a aber­tu­ra do even­to, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, Fer­nan­do Me­di­na, anun­ci­ou que se­rá apre­sen­ta­do “ain­da no pri­mei­ro se­mes­tre” a no­va ope­ra­ção da zo­na de En­tre­cam­pos, in­cluin­do a an­ti­ga Fei­ra Po­pu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.