Ma­to­si­nhos mais que du­pli­ca fo­gos em li­cen­ci­a­men­to, mas ofer­ta con­ti­nua bai­xa

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

Em 2017 en­tra­ram em li­cen­ci­a­men­to 370 no­vos fo­gos dis­tri­buí­dos por 142 pro­je­tos no con­ce­lho de Ma­to­si­nhos (da­dos da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio), o que re­ve­la cres­ci­men­tos fa­ce a 2016 de, res­pe­ti­va­men­te, 148% e 109%. Es­tes fo­ram mes­mo os au­men­tos mais ex­pres­si­vos na Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to (AMP) – ape­nas su­pe­ra­do pe­la su­bi­da do nú­me­ro de fo­gos em Va­lon­go (313% pa­ra 233 uni­da­des). Es­te rit­mo é tam­bém mui­to mais ace­le­ra­do do que a mé­dia me­tro­po­li­ta­na, on­de o pi­pe­li­ne de no­vos fo­gos em 2017 cres­ceu 63% (pa­ra 5.855 uni­da­des) e o nú­me­ro de pro­je­tos au­men­tou 36% (pa­ra 237). O di­na­mis­mo de Ma­to­si­nhos re­sul­tou no au­men­to do seu pe­so no to­tal da ofer­ta da re­gião, com o nú­me­ro de fo­gos em li­cen­ci­a­men­to no con­ce­lho em 2017 a pe­sar 6,3% do pi­pe­li­ne me­tro­po­li­ta­no, quan­do em 2016 es­se pe­so era de 4,1%.

Ain­da as­sim, o con­ce­lho, à se­me­lhan­ça, do que acon­te­ce por to­do o país, con­ti­nua a so­frer de um de­se­qui­lí­brio en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra. Na ver­da­de, “pre­ci­sa­ría­mos do tri­plo da ofer­ta que es­tá no mer­ca­do. Há um gran­de dé­fi­ce de ca­sas. A pro­cu­ra é mui­to ele­va­da e a ofer­ta não a sa­tis­faz”, diz Do­min­gos Sil­va, ge­ren­te da me­di­a­do­ra Pre­di­al Par­que, que es­tá a apoi­ar o Mil­len­nium bcp nu­ma ação de ven­da por car­ta fe­cha­da de um Lo­te pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção mul­ti­fa­mi­li­ar no em­pre­en­di­men­to No­vaFa­car, em Le­ça da Pal­mei­ra. “Os pro­je­tos no­vos, mes­mo com um ci­clo de pro­du­ção mais lon­go que o da re­a­bi­li­ta­ção, es­tão a ga­nhar no­va atra­ti­vi­da­de jun­to dos pro­mo­to­res/cons­tru­to­res”, ten­do em con­ta a con­so­li­da­ção da pro­cu­ra e tam­bém a ra­pi­dez de co­lo­ca­ção do pro­du­to, com “pro­je­tos ven­di­dos na fun­da­ção”.

Cons­tru­ção re­cu­pe­ra

Não é de es­tra­nhar, por is­so, que a ati­vi­da­de de cons­tru­ção es­te­ja tam­bém a re­a­gir po­si­ti­va­men­te. Aliás, es­ta ação pro­mo­vi­da pe­lo Mil­len­nium bcp vi­sa “es­tar em li­nha e cor­res­pon­der à ten­dên­cia de cres­ci­men­to do se­tor da cons­tru­ção em Por­tu­gal e, em es­pe­ci­al na re­gião do Gran­de Por­to, on­de o ní­vel de vi­da tem vin­do a be­ne­fi­ci­ar de bo­as me­lho­ri­as e on­de o tu­ris­mo tem cres­ci­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te”, con­si­de­ra Nu­no Mar­çal, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do ban­co. De acor­do com os da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), a pro­du­ção na cons­tru­ção em Por­tu­gal au­men­tou 3% em ja­nei­ro (fa­ce a ja­nei­ro de 2017), ace­le­ran­do fa­ce ao mês an­te­ri­or. Da mes­ma for­ma, tam­bém o em­pre­go nes­te se­tor apre­sen­tou um cres­ci­men­to ho­mó­lo­go de 2,2% pe­lo ter­cei­ro mês con­se­cu­ti­vo e as re­mu­ne­ra­ções au­men­ta­ram 2,9%, ace­le­ran­do fa­ce aos 1,6% re­gis­ta­dos em de­zem­bro. O se­tor da cons­tru­ção tem si­do mes­mo um dos que mais se des­ta­ca na cri­a­ção de em­pre­sas es­te ano, apre­sen­tan­do, no acu­mu­la­do dos dois pri­mei­ros me­ses, uma das mai­o­res su­bi­das no nú­me­ro de em­pre­sas cons­ti­tuí­das (da­dos In­for­maD&B), em cer­ca de 30,8% (ou se­ja, mais 222 nas­ci­men­tos pa­ra 942). O rit­mo de cri­a­ção de em­pre­sas (to­tal de to­dos os se­to­res) nes­te pe­río­do foi de 12,1%. De acor­do com es­ta fon­te, exis­ti­rão cer­ca de 38.883 em­pre­sas de cons­tru­ção ati­vas em fe­ve­rei­ro de 2018

ISTOCK.COM/BALDO81

Ma­to­si­nhos foi o con­ce­lho da Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to on­de o pi­pe­li­ne de ha­bi­ta­ção mais cres­ceu em 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.