“É ur­gen­te atrair mais e me­lhor in­ves­ti­men­to pa­ra as nos­sas ci­da­des”

Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da AICCOPN, aler­ta que ape­sar dos re­sul­ta­dos po­si­ti­vos con­se­gui­dos em cer­tos es­pa­ços ur­ba­nos é ne­ces­sá­rio ga­nhar uma di­men­são na­ci­o­nal e apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des que a atu­al con­jun­tu­ra tem pro­por­ci­o­na­do

Publico - Imobiliario - - Mercado E Financiamento Na Ru - Su­sa­na Mar­vão

Fa­lar de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na é fa­lar de sus­ten­ta­bi­li­da­de, de efi­ci­ên­cia tec­no­ló­gi­ca e am­bi­en­tal, de oti­mi­za­ção de re­cur­sos na­tu­rais, de ino­va­ção e em­pre­en­de­do­ris­mo e de qua­li­da­de. Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas, ad­mi­te que, pa­ra dar res­pos­ta a es­tes de­sa­fi­os, as em­pre­sas têm de as­su­mir a sua iden­ti­da­de pe­la di­fe­ren­ci­a­ção no mer­ca­do. “Os ní­veis de ati­vi­da­de têm me­lho­ra­do. Po­rém, fe­nó­me­nos co­mo a con­cor­rên­cia des­le­al e a ile­ga­li­da­de, par­ti­cu­lar­men­te gra­ves em seg­men­tos co­mo a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, co­lo­cam em cau­sa to­das as em­pre­sas cum­pri­do­ras e que apos­tam na qua­li­fi­ca­ção e na va­lo­ri­za­ção dos seus ser­vi­ços e re­cur­sos”, dis­se ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio.

Exa­ta­men­te por es­te mo­ti­vo, a AICCOPN cri­ou a mar­ca R.U.- I.S. – Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel, “a pen­sar nas pes­so­as e pa­ra as pes­so­as, dis­tin­guin­do quem atua com cum­pri­men­to das re­gras exi­gi­das, dá um con­tri­bu­to es­sen­ci­al pa­ra es­te de­sa­fio que é va­lo­ri­zar e qua­li­fi­car o te­ci­do em­pre­sa­ri­al”. Ex­pli­ca Reis Cam­pos que, a exem­plo do que se pas­sa nos prin­ci­pais paí­ses eu­ro­peus, va­lo­res co­mo a con­fi­an­ça, a se­gu­ran­ça ou a qua­li­da­de são re­qui­si­tos exi­gi­dos pe­los do­nos de obra e é ne­ces­sá­rio afas­tar o ris­co de re­cor­rer a en­ti­da­des que pro­mo­vem a clan­des­ti­ni­da­de, o tra­ba­lho ile­gal e não cum­prem re­qui­si­tos bá­si­cos.

Mer­ca­do de 24 mil mi­lhões de eu­ros

Se­gun­do da­dos da AICCOPN, es­ti­ma­se que o cus­to das in­ter­ven­ções mais re­le­van­tes ao ní­vel do edi­fi­ca­do ha­bi­ta­ci­o­nal as­cen­dam aos 24 mil mi­lhões de eu­ros sen­do que, nas pa­la­vras do pre­si­den­te, “o par­que ha­bi­ta­ci­o­nal por­tu­guês con­ti­nua pro­fun­da­men­te de­gra­da­do”. E ex­pli­ca: “bas­ta ver que, de um to­tal de qua­se seis mi­lhões fo­gos exis­ten­tes, um mi­lhão e meio, ne­ces­si­tam de con­ser­va­ção”.

De res­to, é no seg­men­to da re­a­bi­li­ta­ção on­de se têm ob­ser­va­do as ta­xas de cres­ci­men­to mais ele­va­das do se­tor, re­gis­tan­do-se um cres­ci­men­to mé­dio do va­lor bru­to da pro­du­ção de 9,1% nos úl­ti­mos três anos. Pa­ra 2018, as pre­vi­sões des­ta as­so­ci­a­ção apon­tam pa­ra um au­men­to de 9,7%, em ter­mos ho­mó­lo­gos. “São ta­xas de cres­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vas, mas que re­fle­tem, tam­bém, a di­men­são des­te mer­ca­do e o seu enor­me po­ten­ci­al”, co­men­tou Reis Cam­pos.

Atrair mais e me­lhor in­ves­ti­men­to

Em al­gu­mas en­tre­vis­tas, Ma­nu­el Reis Cam­pos já ha­via co­men­ta­do o fac­to de, ape­sar de os “nú­me­ros” da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na se­rem ani­ma­do­res, ain­da es­ta­rem mui­to aquém do seu po­ten­ci­al. O que fal­ta, en­tão? Pa­ra o pre­si­den­te, mais do que tu­do, é ne­ces­sá­rio atrair mais e me­lhor in­ves­ti­men­to pa­ra as ci­da­des e, em par­ti­cu­lar, pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na. “É que ape­sar dos re­sul­ta­dos po­si­ti­vos con­se­gui­dos, em es­pe­ci­al, em cer­tos es­pa­ços ur­ba­nos co­mo é o ca­so de Lis­boa e do Por­to, a ver­da­de é que, por um la­do, é ne­ces­sá­rio ga­nhar uma di­men­são na­ci­o­nal e, por ou­tro, apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des que a atu­al con­jun­tu­ra tem pro­por­ci­o­na­do”.

O pre­si­den­te re­cor­dou, por exem­plo, as ques­tões de na­tu­re­za bu­ro­crá­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va que têm im­pe­di­do a atra­ção de in­ves­ti­do­res ao pro­gra­ma dos vis­tos “gold” e que a fal­ta de es­ta­bi­li­da­de do nos­so sis­te­ma fis­cal tem cri­a­do des­con­fi­an­ça jun­to de mui­tos po­ten­ci­ais in­te­res­sa­dos no Re­gi­me de Tri­bu­ta­ção de Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais. “Mes­mo no Alo­ja­men­to Lo­cal, que é um exem­plo de uma ati­vi­da­de que tem da­do um ex­ce­len­te con­tri­bu­to pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção do nos­so pa­tri­mó­nio e pa­ra a re­vi­ta­li­za­ção das ci­da­des, com efei­tos ine­gá­veis em di­ver­sos se­to­res de ati­vi­da­de, co­mo o co­mér­cio e o tu­ris­mo, a ne­ces­si­da­de de re­gu­lar es­ta ati­vi­da­de pa­re­ce que­rer pôr em cau­sa a sua con­ti­nui­da­de”.

Ex­pla­na Reis Cam­pos que o Alo­ja­men­to Lo­cal pre­ci­sa é de bom sen­so e de pon­de­ra­ção e não de uma in­de­fi­ni­ção, que afas­ta os po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res. “Fis­ca­li­da­de jus­ta e equi­li­bra­da, aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to, mais ofer­ta de ha­bi­ta­ção e um mer­ca­do do ar­ren­da­men­to com di­men­são, são ques­tões que pre­ci­sam de ser re­sol­vi­das”.

O im­pul­so dos ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros

Os ins­tru­men­tos de fi­nan­ci­a­men­to que fo­ram cri­a­dos – de­sig­na­da­men­te o “IFRRU 2020”, o “Re­a­bi­li­tar pa­ra Ar­ren­dar” e a “Ca­sa Efi­ci­en­te 2020”, que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio, co­mo en­ti­da­de di­na­mi­za­do­ra, e que de­ve­rá em bre­ve en­trar em fun­ci­o­na­men­to – são con­si­de­ra­das por Reis Cam­pos co­mo “uma opor­tu­ni­da­de pa­ra as ci­da­des e pa­ra as em­pre­sas, que se es­pe­ra ve­nham a dar um con­tri­bu­to sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra ga­nhar a di­men­são na­ci­o­nal que de­fen­de­mos pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na”. E as­su­me que es­tes ins­tru­men­tos da­rão, se­gu­ra­men­te, um gran­de im­pul­so ao mer­ca­do.

No en­tan­to, tam­bém não dei­xa de en­fa­ti­zar o fac­to da AICCOPN de­fen­der a ne­ces­si­da­de de ado­tar uma vi­são glo­bal que in­te­gre os di­fe­ren­tes ve­to­res es­tra­té­gi­cos des­te mer­ca­do. “A qua­li­fi­ca­ção e va­lo­ri­za­ção das em­pre­sas do se­tor, a tri­bu­ta­ção do imo­bi­liá­rio, a ne­ces­si­da­de de cri­ar um ver­da­dei­ro mer­ca­do do ar­ren­da­men­to são fa­to­res pri­o­ri­tá­ri­os que têm de ca­mi­nhar ao la­do des­tes ins­tru­men­tos, de for­ma a que se pos­sa con­cre­ti­zar a vi­são glo­bal que de­fen­de­mos pa­ra o mer­ca­do da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na”.

In­ves­ti­men­to es­tru­tu­ran­te

Pa­ra es­te ano, o pre­si­den­te da AICCOPN ape­la a um no­vo ci­clo ao ní­vel do in­ves­ti­men­to es­tru­tu­ran­te, as­sen­te num ver­da­dei­ro pac­to de re­gi­me. Cum­pri­do o pri­mei­ro tri­mes­tre, Reis Cam­pos ad­mi­te que “o ano es­tá no bom ca­mi­nho, uma vez que se es­pe­ra um cres­ci­men­to da ati­vi­da­de, com as es­ti­ma­ti­vas a apon­tar pa­ra uma va­ri­a­ção po­si­ti­va de 4,5% na pro­du­ção do se­tor, num con­tex­to em que as prin­ci­pais va­rá­veis ma­cro­e­co­nó­mi­cas se man­têm fa­vo­rá­veis”. No en­tan­to, aler­ta pa­ra o fac­to de re­la­ti­va­men­te a ques­tões de na­tu­re­za mais es­tru­tu­ral, co­mo a de­fi­ni­ção de um ade­qua­do pla­ne­a­men­to e ca­len­da­ri­za­ção do in­ves­ti­men­to es­tru­tu­ran­te, os pro­gres­sos, até ao mo­men­to, não te­rem si­do mui­to gran­des. “Os con­sen­sos em ma­té­ria de in­ves­ti­men­to exis­tem, e do­mí­ni­os co­mo os por­tos, ae­ro­por­tos, in­fra­es­tru­tu­ras fer­ro­viá­ri­as, ener­gia ou água, ape­nas pa­ra ci­tar al­guns exem­plos, são am­pla­men­te re­co­nhe­ci­dos co­mo es­sen­ci­ais. No en­tan­to, ain­da não exis­tem os ne­ces­sá­ri­os com­pro­mis­sos, que pos­sam ga­ran­tir que, in­de­pen­den­te­men­te dos ci­clos eco­nó­mi­cos ou das con­jun­tu­ras de cur­to-pra­zo, o País é ca­paz de con­cre­ti­zar os in­ves­ti­men­tos de que ca­re­ce”.

DR

É no seg­men­to da re­a­bi­li­ta­ção on­de se têm ob­ser­va­do as ta­xas de cres­ci­men­to mais ele­va­das do se­tor, re­gis­tan­do-se um cres­ci­men­to mé­dio do va­lor bru­to da pro­du­ção de 9,1% nos úl­ti­mos três anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.