Mo­vi­men­to da re­a­bi­li­ta­ção alas­tra-se por to­da a ci­da­de de Lis­boa

O mo­vi­men­to da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na con­ti­nua a alas­trar-se por to­da a ci­da­de de Lis­boa, sain­do do cen­tro ru­mo a no­vas lo­ca­li­za­ções e con­ta­gi­an­do ca­da vez mais seg­men­tos de mer­ca­do. O re­sul­ta­do es­tá à vis­ta, com uma ci­da­de ca­da vez mais cri­a­ti­va e in­clu­si­va

Publico - Imobiliario - - Mercado E Financiamento Na Ru - Su­sa­na Cor­reia

Em­bo­ra se­ja ho­je re­co­nhe­ci­do co­mo a zo­na mais “pri­me” pa­ra in­ves­tir nes­te se­tor, pre­fe­ren­ci­al­men­te pa­ra pro­je­tos re­si­den­ci­ais na ga­ma al­ta e tu­rís­ti­cos, atu­al­men­te a apos­ta em re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na em Lis­boa já não es­tá ape­nas fo­ca­da no cen­tro his­tó­ri­co.

Fun­ci­o­nan­do co­mo um ba­ró­me­tro da eco­no­mia, o mer­ca­do de re­a­bi­li­ta­ção re­fle­te o atu­al po­si­ci­o­na­men­to de Lis­boa co­mo ci­da­de em­pre­en­de­do­ra, ino­va­do­ra e in­clu­si­va, sen­do pal­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de no­vos con­cei­tos e pro­du­tos imo­bi­liá­ri­os mais di­re­ci­o­na­dos pa­ra a no­va pro­cu­ra, con­du­zi­da pe­los jo­vens em­pre­en­de­do­res, pe­lo pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal e, so­bre­tu­do, pe­la ge­ra­ção “mil­len­ni­als”.

Con­cei­tos co­mo o ‘cowor­king’ ou o ‘stu­dent hou­sing’ são ho­je re­co­nhe­ci­dos e apre­ci­a­dos por um pú­bli­co ca­da vez mais vas­to, com a mai­or par­te do no­vo pro­du­to a sur­gir no mer­ca­do atra­vés de pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção de­sen­vol­vi­dos em zo­nas al­ter­na­ti­vas da ci­da­de, com des­ta­que pa­ra o ei­xo do Be­a­to e Mar­vi­la. E, pe­ran­te um mer­ca­do em mu­dan­ça, a ten­dên­cia é pa­ra que no fu­tu­ro pos­sa­mos tam­bém a as­sis­tir ao lan­ça­men­to de pro­je­tos re­si­den­ci­ais que apos­tem em no­vos mo­de­los de ar­ren­da­men­to ur­ba­no, sen­do a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na um cam­po fér­til pa­ra os mo­de­los de co-li­ving que, pas­so a pas­so, vão cres­cen­do lá fo­ra e que, ine­vi­ta­vel­men­te, to­ma­rão o seu ca­mi­nho até Por­tu­gal.

Cowor­king ex­pan­de-se na fren­te de rio

Em­bo­ra ain­da se en­con­tre nu­ma fa­se ini­ci­al com­pa­ra­ti­va­men­te a ou­tros mer­ca­dos eu­ro­peus, o cowor­king tem vin­do a cres­cer de mãos da­das com a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na em Lis­boa, en­con­tran­do nos an­ti­gos ar­ma­zéns e edi­fí­ci­os de ser­vi­ços na fren­te de rio um ter­re­no fér­til pa­ra a sua ex­pan­são. Pe­las con­tas da Cush­man & Wa­ke­fi­eld, atu­al­men­te Lis­boa con­ta com cer­ca de 40 cen­tros de co-wor­king que ofe­re­cem mais de 35.000 m² de es­cri­tó­ri­os par­ti­lha­dos. Um va­lor que pra­ti­ca­men­te du­pli­ca­rá no fi­nal des­te ano, gra­ças ao Hub Cri­a­ti­vo do Be­a­to.

De fren­te pa­ra o Te­jo, num es­pa­ço to­tal­men­te de­sa­ti­va­do des­de 2011 e que ser­viu, du­ran­te o Es­ta­do No­vo pa­ra a pro­du­ção de bens ali­men­ta­res pa­ra as For­ças Ar­ma­das, vai nas­cer um gi­gan­tes­co po­lo de em­pre­en­de­do­ris­mo e ino­va­ção, pro­mo­vi­do pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa e pe­la Star­tup Lis­boa, a quem a au­tar­quia con­fi­ou a di­na­mi­za­ção, pro­gra­ma­ção e ges­tão do es­pa­ço. O Hub Cri­a­ti­vo do Be­a­to ocu­pa­rá os 35.000 m² e as du­as de­ze­nas de edi­fí­ci­os que du­ran­te anos es­ti­ve­ram va­zi­os e de­gra­da­dos, dan­do lu­gar a um dos mai­o­res po­los de em­pre­en­de­do­ris­mo da Eu­ro­pa.

Be­a­to: o no­vo bair­ro cri­a­ti­vo da ci­da­de

A Fac­tory, a Mer­ce­des Benz, a Web Sum­mit e o Su­per Bock fo­ram os pri­mei­ros qua­tro ocu­pan­tes con­fir­ma­dos no Hub do Be­a­to, in­ves­tin­do na re­cu­pe­ra­ção dos edi­fí­ci­os on­de se ins­ta­la­rão já a par­tir do fi­nal des­te ano. E, pas­so a pas­so, tu­do apon­ta pa­ra que o Be­a­to se tor­ne no no­vo bair­ro cri­a­ti­vo de Lis­boa.

Vin­da de Ber­lim, a Fac­tory es­co­lheu o Be­a­to pa­ra a sua pri­mei­ra lo­ca­li­za­ção in­ter­na­ci­o­nal, mon­tan­do ain­da mais um es­pa­ço on­de start-ups e gran­des em­pre­sas po­de­rão tra­ba­lhar la­do a la­do. A tam­bém ale­mã Mer­ce­des Benz ins­ta­la­rá no Hub o seu pri­mei­ro cen­tro di­gi­tal a ní­vel mun­di­al, on­de pro­gra­ma­do­res por­tu­gue­ses e es­tran­gei­ros pas­sa­rão a de­sen­vol­ver os si­tes a apli­ca­ções da fa­bri­can­te au­to­mó­vel. A Web Sum­mit, por seu tur­no, vai trans­fe­rir pa­ra ali os seus atu­ais es­cri­tó­ri­os lo­ca­li­za­dos no Cais do So­dré. Já a Su­per Bock quer ali cri­ar uma mi­cro-cer­ve­jei­ra pa­ra pro­du­ção

A fren­te ri­bei­ri­nha e o ar­ren­da­men­to aces­sí­vel pa­re­cem ser, em ter­mos ge­o­grá­fi­cos e se­to­ri­ais, du­as das atu­ais pri­o­ri­da­des es­tra­té­gi­cas na atu­al fa­se do ci­clo da re­a­bi­li­ta­ção

de cer­ve­ja ar­te­sa­nal, mas tam­bém ex­plo­rar os ter­ri­tó­ri­os da mú­si­ca e ar­te ur­ba­na aos quais se tem vin­do a as­so­ci­ar ao lon­go dos anos.

A li­ga­ção à re­de de ci­clo­vi­as da ci­da­de, a ins­ta­la­ção de bi­ci­cle­tas par­ti­lha­das, a cri­a­ção de shut­tles de li­ga­ção per­ma­nen­te a San­ta Apo­ló­nia e à Ga­re do Ori­en­te, bem co­mo o re­for­ço das car­rei­ras da Car­ris (com no­vas pa­ra­gens na ave­ni­da In­fan­te D.Hen­ri­que) e a cons­tru­ção de es­ta­ci­o­na­men­to au­to­mó­vel fa­zem par­te dos pla­nos da au­tar­quia pa­ra me­lho­rar a aces­si­bi­li­da­de à zo­na do Be­a­to.

Re­qua­li­fi­ca­ção do es­pa­ço pú­bli­co avan­ça na fren­te rio com mais mo­bi­li­da­de par­ti­lha­da

Si­mul­ta­ne­a­men­te, pros­se­gue a es­tra­té­gia de re­qua­li­fi­ca­ção dos es­pa­ços pú­bli­cos le­va­da a ca­bo pe­la au­tar­quia, com o du­plo ob­je­ti­vo de me­lho­rar as con­di­ções exis­ten­tes e ofe­re­ci­das aos ci­da­dãos e de ala­van­car o in­ves­ti­men­to pri­va­do na re­a­bi­li­ta­ção das áre­as in­ter­ven­ci­o­na­das.

A Do­ca da Ma­ri­nha, que abran­ge to­da a área en­tre a an­ti­ga Es­ta­ção Flu­vi­al Sul e Su­es­te e o no­vo ter­mi­nal de cru­zei­ros, é o pró­xi­mo es­pa­ço da fren­te ri­bei­ri­nha que vai ter obras. O pro­to­co­lo as­si­na­do no pas­sa­do dia 21 de fe­ve­rei­ro pe­la au­tar­quia com a Ad­mi­nis­tra­ção do Por­to de Lis­boa e a Ma­ri­nha, vai per­mi­tir a re­qua­li­fi­ca­ção de to­do aque­le es­pa­ço, cum­prin­do a par­te que fal­ta­va do pro­je­to tra­ça­do pe­lo ar­qui­te­to João car­ri­lho da Gra­ça pa­ra a re­qua­li­fi­ca­ção do es­pa­ço pú­bli­co no Cam­po das Ce­bo­las, cu­jas obras es­tão, en­tre­tan­to, qua­se a aca­bar.

Ao abri­go des­ta in­ter­ven­ção, sur­gi­rá uma ala­me­da pe­do­nal re­ple­ta de ár­vo­res a la­de­ar a zo­na viá­ria da Ave­ni­da In­fan­te Dom Hen­ri­que, bem co­mo al­gu­mas cons­tru­ções no­vas.

Além dis­so, a li­nha de elé­tri­co vai en­trar na In­fan­te Dom Hen­ri­que já qua­se na ex­tre­mi­da­de da do­ca, per­mi­tin­do a li­ga­ção do Cais do So­dré a San­ta Apo­ló­nia, que ago­ra aca­ba abrup­ta­men­te na Rua Cais de San­ta­rém que, por sua vez, pas­sa­rá a ter pas­sei­os mais lar­gos, de­sa­pa­re­cen­do mui­tos dos atu­ais lu­ga­res de es­ta­ci­o­na­men­to.

DR

Hub Cri­a­ti­vo do Be­a­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.