Pro­mo­to­res apre­sen­tam ao Go­ver­no pro­pos­tas pa­ra a ha­bi­ta­ção na Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção

Ama­nhã, 12 de abril, de­cor­re no âm­bi­to da V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa a “Con­fe­rên­cia da Pro­mo­ção Imo­bi­liá­ria – Os fa­ze­do­res de Ci­da­des”, uma ini­ci­a­ti­va da APPII e da Vi­da Imo­bi­liá­ria

Publico - Imobiliario - - Mercado E Financiamento Na Ru - Ana Ta­va­res

A “Con­fe­rên­cia da Pro­mo­ção Imo­bi­liá­ria – Os fa­ze­do­res de Ci­da­des”, que se re­a­li­za ama­nhã, no âm­bi­to da V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa ser­vi­rá pa­ra a APPII - As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Pro­mo­to­res e In­ves­ti­do­res Imo­bi­liá­ri­os apre­sen­tar pe­ran­te a Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, Ana Pi­nho, os seus con­tri­bu­tos às pro­pos­tas e es­tra­té­gi­as con­ti­das no pro­gra­ma da “No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas da Ha­bi­ta­ção”. Pro­gra­ma pre­pa­ra­do por um gru­po de tra­ba­lho cri­a­do pa­ra o efei­to na as­so­ci­a­ção, li­de­ra­do por Fer­nan­do San­to, ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo do Mon­te­pio Ges­tão de Ati­vos Imo­bi­liá­ri­os ACE e pre­si­den­te da As­sem­bleia-Ge­ral da APPII. Es­tas pro­pos­tas fo­ram dis­cu­ti­das em reu­nião de as­so­ci­a­dos, pro­mo­to­res e in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os ati­vos no imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal.

Hu­go San­tos Fer­rei­ra, vi­ce-pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da APPII, co­men­ta que es­tas pro­pos­tas co­me­çam por “iden­ti­fi­car as prin­ci­pais opor­tu­ni­da­des que Por­tu­gal e em es­pe­ci­al es­te mer­ca­do ho­je apre­sen­tam, sen­do al­gu­mas de­las ver­da­dei­ras be­né­fi­cas no­vi­da­des, de on­de des­ta­ca­ria, por um la­do, a opor­tu­ni­da­de que re­pre­sen­ta e que não de­ve se des­per­di­ça­da de um cres­ci­men­to da pro­cu­ra de ha­bi­ta­ção por es­tran­gei­ros, pa­ra tu­ris­mo ou pa­ra re­si­dên­cia tem­po­rá­ria com fins fis­cais ou le­gais com a con­se­quen­te re­ten­ção de in­ves­ti­men­to que tal re­pre­sen­ta, as­sim co­mo a no­tá­vel atra­ção dos jo­vens e fa­mí­li­as pe­los cen­tros das ci­da­des, in­ver­ten­do a ten­dên­cia das úl­ti­mas dé­ca­das (con­tra­ri­a­men­te ao que se tem que­ri­do fa­zer pas­sar jun­to da opi­nião pú­bli­ca)”.

Por ou­tro la­do, o vi­ce-pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da APPII des­ta­ca “a exis­tên­cia de cen­te­nas de ha­bi­ta­ções de­vo­lu­tas, ao mes­mo tem­po que as­sis­ti­mos a um au­men­to da pro­cu­ra de ha­bi­ta­ções pa­ra ar­ren­da­men­to, in­ver­ten­do tam­bém aqui a ten­dên­cia das úl­ti­mas dé­ca­das, fac­tos es­tes que de­vem ser to­tal­men­te apro­vei­ta­do e em har­mo­ni­za­ção com os pri­mei­ros”.

A con­fe­rên­cia acon­te­ce no Pá­tio da Ga­lé, a par­tir das 10 ho­ras e con­ta com o apoio da EY, BCP, Cai­xi­a­ve, MLGTS e Vic­to­ria Se­gu­ros.

Ini­ci­a­ti­va da Vi­da Imo­bi­liá­ria e da Pro­me­vi, a Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de Lis­boa de­cor­re des­de o dia 9, até ao pró­xi­mo dia 15 de abril, no Pá­tio da Ga­lé.

Ur­ge me­lhor le­gis­la­ção e es­ta­bi­li­da­de fis­cal

No pas­sa­do mês de fe­ve­rei­ro, um es­tu­do ela­bo­ra­do pe­la EY e apre­sen­ta­do em con­jun­to com a APPII, ex­pla­na­va que o imo­bi­liá­rio por­tu­guês ain­da tem mui­to que me­lho­rar no que diz res­pei­to à le­gis­la­ção e es­ta­bi­li­da­de fis­cal na ho­ra de re­ce­ber in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro. A ins­ta­bi­li­da­de le­gis­la­ti­va ou as ele­va­das ta­xas de IRC são al­guns dos en­tra­ves que os in­ves­ti­do­res iden­ti­fi­ca­ram no es­tu­do.

Nos úl­ti­mos no­ve anos, a lei fis­cal mu­dou qua­se to­dos os anos, o que não abo­na a fa­vor da es­ta­bi­li­da­de tan­to de­se­ja­da por in­ves­ti­do­res e pe­lo imo­bi­liá­rio por­tu­guês. Es­tas fo­ram al­gu­mas das con­clu­sões do no­vo es­tu­do “Tax com­pe­ti­ti­ve­ness study in the re­al es­ta­te sec­tor”. Tam­bém a in­ci­dên­cia do Im­pos­to de Se­lo so­bre os fi­nan­ci­a­men­tos ou a gran­de bu­ro­cra­cia são al­guns dos pon­tos on­de Por­tu­gal po­de me­lho­rar, fa­ce a ou­tros paí­ses con­cor­ren­tes.

Es­te es­tu­do com­pa­rou Por­tu­gal com a Ho­lan­da, Ale­ma­nha, Itá­lia e Es­pa­nha, mas os res­pon­sá­veis ad­mi­tem ter si­do di­fí­cil en­con­trar mé­tri­cas com­pa­rá­veis en­tre os paí­ses. Na apre­sen­ta­ção do es­tu­do, Ti­a­go Ro­sa, Ma­na­ger, In­ter­na­ti­o­nal Tax Ser­vi­ces Re­al Es­ta­te, Hos­pi­ta­lity & Cons­truc­ti­on da EY ex­pli­cou que “a tri­bu­ta­ção agre­ga­da na aqui­si­ção de imó­veis em PT po­de­rá em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções mos­trar-se bas­tan­te me­nos one­ro­sa que nos res­tan­tes paí­ses ana­li­sa­dos. O IS po­de­rá con­subs­tan­ci­ar um fa­tor ne­ga­ti­vo em ter­mos de atra­ti­vi­da­de no que diz res­pei­to ao fi­nan­ci­a­men­to”. E con­clui que “exis­te tra­ba­lho a fa­zer no que diz res­pei­to ao IMT e ao IS, es­te im­pos­to es­tá aci­ma da mé­dia” dos ou­tros paí­ses.

Por ou­tro la­do, afir­mou na mes­ma con­fe­rên­cia que, pa­ra os in­ves­ti­do­res, “o IMT é mai­or pre­o­cu­pa­ção que o IMI. Ape­sar de os ter­mos de in­ci­dên­cia do IMI es­ta­rem em li­nha com prá­ti­cas nos ou­tros paí­ses, a tri­bu­ta­ção na fa­se de de­ten­ção a ní­vel de IRC es­tá a um ní­vel ele­va­do. A ele­va­da ta­xa agre­ga­da do IRC po­de­rá cons­ti­tuir um fa­tor ne­ga­ti­vo de atra­ti­vi­da­de”.

Hu­go San­tos Fer­rei­ra des­ta­ca a exis­tên­cia de cen­te­nas de ha­bi­ta­ções de­vo­lu­tas, ao mes­mo tem­po que as­sis­ti­mos a um au­men­to da pro­cu­ra de ha­bi­ta­ções pa­ra ar­ren­da­men­to, in­ver­ten­do tam­bém aqui a ten­dên­cia das úl­ti­mas dé­ca­das

DR

Há que apro­vei­tar o cres­ci­men­to da pro­cu­ra de ha­bi­ta­ção por es­tran­gei­ros, pa­ra tu­ris­mo ou pa­ra re­si­dên­cia tem­po­rá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.