Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na em Lis­boa de­ve in­cluir re­for­ço an­tis­sís­mi­co

Es­pe­ci­a­lis­tas de­fen­dem que a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na na ca­pi­tal de­ve in­cluir um re­for­ço dos edi­fí­ci­os

Publico - Imobiliario - - Mercado E Financiamento Na Ru -

Um de­ba­te que de­cor­reu na As­sem­bleia Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, sob pro­pos­ta do CDS-PP, jun­tou es­pe­ci­a­lis­tas que de­fen­dem que a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na na ca­pi­tal de­ve in­cluir um re­for­ço dos edi­fí­ci­os, no­me­a­da­men­te an­tis­sís­mi­co.

Pre­sen­te no even­to, o vi­ce-pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to de En­ge­nha­ria de Es­tru­tu­ras, Ter­ri­tó­rio e Cons­tru­ção do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co, Má­rio Lo­pes, co­me­çou por afir­mar que “é im­por­tan­te in­cor­po­rar a re­sis­tên­cia sís­mi­ca na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na”, sob o ris­co de es­ta­rem a ser fei­tas “obras que são ar­ma­di­lhas mor­tais”, di­vul­gou a agên­cia Lu­sa.

Na opi­nião do en­ge­nhei­ro, “o grau de exi­gên­cia exi­gi­do na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na con­ti­nua a ser ze­ro”, e “is­to con­ti­nua a ser fei­to com a cum­pli­ci­da­de do Go­ver­no, da Câ­ma­ra de Lis­boa e das en­ti­da­des com res­pon­sa­bi­li­da­de na ma­té­ria”, avan­ça a Lu­sa. Um dos exem­plos é a “des­trui­ção da gai­o­la pom­ba­li­na”, co­mum na bai­xa da ca­pi­tal, que Má­rio Lo­pes con­si­de­rou ser “um cri­me cul­tu­ral”. “Lis­boa é a pri­mei­ra ci­da­de do mun­do cons­truí­da pa­ra re­sis­tir a sis­mos, e so­mos nós pró­pri­os que a es­ta­mos a des­truir”, acres­cen­tou.

Já o di­re­tor da Fa­cul­da­de de Ar­qui­te­tu­ra da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, João Par­dal Mon­tei­ro, deu o exem­plo de ha­bi­ta­ções que fi­cam fra­gi­li­za­das de­vi­do à união de di­vi­sões. “Te­mos que men­ta­li­zar as pes­so­as de que não se po­dem fa­zer in­ter­ven­ções nes­te ti­po de edi­fí­ci­os sem téc­ni­cos qua­li­fi­ca­dos pa­ra as fa­zer”, de­fen­deu o ar­qui­te­to, ex­pli­can­do que es­tas in­ter­ven­ções vão “ti­rar as ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra re­sis­tir aos sis­mos”.

Par­dal Mon­tei­ro sa­li­en­tou que “as in­ter­ven­ções na ci­da­de, pa­ra que is­to não se tor­ne um ba­ra­lho de car­tas pron­to a cair ao pri­mei­ro sis­mo, têm de ser fei­tas com téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos”.

Tam­bém Vas­co Ap­ple­ton, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Por­tu­gue­sa, ad­vo­gou que “a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na de­ve­ria im­pli­car uma in­ter­ven­ção de re­for­ço an­tis­sís­mi­co, is­to de­ve­ria ser ób­vio”.

A en­cer­rar o de­ba­te, a ve­re­a­do­ra da Ha­bi­ta­ção da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, Pau­la Mar­ques, pre­ci­sou que o mu­ni­cí­pio “tem es­ta­do a de­sen­vol­ver vá­ri­os ins­tru­men­tos nes­ta ma­té­ria”, co­mo “a atu­a­li­za­ção da car­ta de so­los, ín­di­ce de re­si­dên­cia sís­mi­ca, e um ma­nu­al de bo­as prá­ti­cas na re­a­bi­li­ta­ção”.

Pa­ra os par­ti­dos que in­ter­vi­e­ram na ses­são, a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de­ve ter um pa­pel im­por­tan­te nes­ta ques­tão, ao ní­vel da in­for­ma­ção à po­pu­la­ção, da fis­ca­li­za­ção das obras e da pre­ven­ção atra­vés do or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio.

DR

Des­ta­que Um de­ba­te que de­cor­reu na As­sem­bleia Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, sob pro­pos­ta do CDSPP, jun­tou es­pe­ci­a­lis­tas que de­fen­dem que a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na na ca­pi­tal de­ve in­cluir um re­for­ço dos edi­fí­ci­os, no­me­a­da­men­te an­tis­sís­mi­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.