Fu­tu­ro es­tra­té­gi­co Por­tu­gal/Áfri­ca

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Por­tu­gal e os paí­ses afri­ca­nos de lín­gua ofi­ci­al Por­tu­gue­sa par­ti­lham, não ape­nas um idi­o­ma co­mum, mas tam­bém uma his­tó­ria, uma iden­ti­da­de e uma for­te li­ga­ção en­tre os seus po­vos. E se es­te é o mo­men­to pa­ra se re­for­çar a li­ga­ção en­tre as em­pre­sas de todos os paí­ses des­ta co­mu­ni­da­de, a ver­da­de é que a cons­tru­ção e o imo­bi­liá­rio de­sem­pe­nha um pa­pel par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te, nes­te do­mí­nio.

O Se­tor é fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, a com­pe­ti­ti­vi­da­de e pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das po­pu­la­ções. Es­te é um fac­to am­pla­men­te re­co­nhe­ci­do e pe­ran­te o des­fa­sa­men­to dos ci­clos eco­nó­mi­cos dos paí­ses que in­te­gram es­ta co­mu­ni­da­de, es­ta ati­vi­da­de po­de e de­ve as­su­mir­se co­mo uma im­por­tan­te ala­van­ca pa­ra in­ten­si­fi­car as re­la­ções co­mer­ci­ais e eco­nó­mi­cas en­tre todos. À vo­la­ti­li­da­de dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros e do pre­ço das ma­té­ri­as-pri­mas e aos pe­ri­gos de po­lí­ti­cas pro­te­ci­o­nis­tas e po­pu­lis­tas que se es­tão a es­pa­lhar pe­lo Mun­do, só se po­de res­pon­der com o for­ta­le­ci­men­to de re­la­ções es­tra­té­gi­cas en­tre os nos­sos paí­ses, de for­ma a que, jun­tos, pos­sa­mos su­pe­rar uma con­jun­tu­ra com­ple­xa.

Por ou­tro la­do, há que re­co­nhe­cer que os es­for­ços le­va­dos a ca­bo pe­las di­plo­ma­ci­as na­ci­o­nais de­ram um im­por­tan­te con­tri­bu­to pa­ra o que es­pe­ra­mos ser uma “nor­ma­li­za­ção de re­la­ções”, com paí­ses co­mo An­go­la e Mo­çam­bi­que, que con­ti­nu­am a fi­gu­rar en­quan­to nos­sos par­cei­ros co­mer­ci­ais pri­vi­le­gi­a­dos. Efe­ti­va­men­te, e não obs­tan­te a pre­sen­ça das em­pre­sas por­tu­gue­sas es­tar se­di­men­ta­da nu­ma óti­ca de lon­go pra­zo, as di­fi­cul­da­des con­jun­tu­rais não po­dem ser ig­no­ra­das e é tem­po de, gra­du­al­men­te, ca­mi­nhar ao la­do dos paí­ses afri­ca­nos, no sen­ti­do de en­con­trar tra­je­tó­ri­as de cres­ci­men­to sustentado.

As em­pre­sas que­rem con­ti­nu­ar a per­ten­cer ao fu­tu­ro de des­tes paí­ses e a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos em­pre­sá­ri­os por­tu­gue­ses con­ti­nua a ma­ni­fes­tar con­fi­an­ça nes­tes mer­ca­dos. Es­ta­mos a fa­lar de um país ir­mão, com um enor­me po­ten­ci­al, on­de as em­pre­sas por­tu­gue­sas es­tão im­plan­ta­das e de on­de nun­ca saí­ram. Con­ti­nu­am a pers­pe­ti­var, es­tas ge­o­gra­fi­as e de­sig­na­da­men­te o mer­ca­do an­go­la­no co­mo uma pri­o­ri­da­de, en­ca­ran­do-as, ago­ra e co­mo sem­pre, nu­ma óti­ca de mé­dio e lon­go pra­zo, pe­lo que, com a sua ati­vi­da­de, con­ti­nu­a­rão a con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­tas eco­no­mi­as.

As em­pre­sas da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio são o veí­cu­lo ide­al pa­ra for­ta­le­cer es­se per­cur­so co­mum. Es­ta­mos, não só, a fa­lar de to­da a ati­vi­da­de que de­sen­vol­ve­mos, do em­pre­go ge­ra­do e da ca­pa­ci­da­de de atra­ção de in­ves­ti­men­to, do­mí­nio em que o imo­bi­liá­rio por­tu­guês tem si­do apon­ta­do co­mo um exem­plo a se­guir. A Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio por­tu­gue­sa, re­pre­sen­ta, um vo­lu­me anu­al de 10,1 mil mi­lhões de eu­ros de fa­tu­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e es­tá pre­sen­te em pra­ti­ca­men­te to­do o Mun­do. As par­ce­ri­as en­tre as nos­sas em­pre­sas e os seus con­gé­ne­res dos paí­ses de lín­gua ofi­ci­al por­tu­gue­sa per­mi­tem, tam­bém, a es­ses paí­ses, de­sen­vol­ver as su­as es­tra­té­gi­as de cres­ci­men­to e de afir­ma­ção à es­ca­la glo­bal.

A Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio por­tu­gue­sa re­pre­sen­ta um vo­lu­me anu­al de 10,1 mil mi­lhões de eu­ros de fa­tu­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e es­tá pre­sen­te em pra­ti­ca­men­te to­do o Mun­do

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.