Re­gi­me tran­si­tó­rio de sus­pen­são dos des­pe­jos ha­bi­ta­ci­o­nais em fa­se fi­nal de apro­va­ção

O Pro­je­to de Lei n.º 854/XIII, do gru­po par­la­men­tar do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta (PS), es­ta­be­le­ce um re­gi­me ex­tra­or­di­ná­rio e tran­si­tó­rio de pro­te­ção de pes­so­as ido­sas ou com de­fi­ci­ên­cia que se­jam ar­ren­da­tá­ri­os e re­si­dam no mes­mo lo­cal há mais de 15 anos

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O Pro­je­to de Lei foi ob­je­to de pro­pos­tas de al­te­ra­ção na es­pe­ci­a­li­da­de, as quais, após vo­ta­ção in­di­ciá­ria, de­ram ori­gem ao tex­to de subs­ti­tui­ção, que de­ve­rá ser apre­ci­a­do pe­lo ple­ná­rio es­ta se­ma­na. O di­plo­ma apli­car-se-á a con­tra­tos de ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção cu­jo ar­ren­da­tá­rio, à da­ta da sua en­tra­da em vi­gor, re­si­da há mais de 15 anos no lo­ca­do e te­nha ida­de igual ou su­pe­ri­or a 65 anos ou grau com­pro­va­do de de­fi­ci­ên­cia igual ou su­pe­ri­or a 60%, “pro­ce­den­do nes­tes ca­sos à sus­pen­são tem­po­rá­ria dos pra­zos de de­nún­cia e opo­si­ção à re­no­va­ção pe­los se­nho­ri­os de con­tra­tos de ar­ren­da­men­to”. Du­ran­te o pe­río­do tran­si­tó­rio fi­xa­do pe­lo di­plo­ma, o se­nho­rio só po­de­rá opor-se à re­no­va­ção, ou pro­ce­der à de­nún­cia, do con­tra­to de ar­ren­da­men­to, pa­ra dar res­pos­ta a ne­ces­si­da­de de ha­bi­ta­ção pe­lo pró­prio ou pe­los seus des­cen­den­tes em 1.º grau. Ex­ce­tu­an­do es­tas si­tu­a­ções, fi­cam tem­po­ra­ri­a­men­te sus­pen­sas, pa­ra aque­les in­qui­li­nos, as de­nún- ci­as, ou a opo­si­ção à re­no­va­ção, já efe­tu­a­das pe­lo se­nho­rio, quan­do a pro­du­ção de efei­tos des­sas co­mu­ni­ca­ções ocor­ra já du­ran­te a vi­gên­cia da no­va lei. E, nos ca­sos em que se ve­ri­fi­ca a sus­pen­são, se ti­ver si­do pro­mo­vi­do pro­ce­di­men­to es­pe­ci­al de des­pe­jo, ou ac­ção ju­di­ci­al de des­pe­jo, o juiz com­pe­ten­te, con­for­me os ca­sos, de­ter­mi­na­rá a sus­pen­são da res­pe­ti­va tra­mi­ta­ção no bal­cão na­ci­o­nal do ar­ren­da­men­to ou a sus­pen­são da ins­tân­cia.

O re­gi­me tran­si­tó­rio não se apli­ca­rá aos ca­sos em que te­nha ha­vi­do lu­gar ao pa­ga­men­to de in­dem­ni­za­ção ao ar­ren­da­tá­rio pe­la não re­no­va­ção ou pe­la de­nún­cia do con­tra­to de ar­ren­da­men­to, quan­do te­nha si­do ce­le­bra­do con­tra­to en­vol­ven­do pa­ga­men­to des­sa in­dem­ni­za­ção, ou quan­do te­nha si­do de­ter­mi­na­da a ex­tin­ção do con­tra­to de ar­ren­da­men­to por de­ci­são ju­di­ci­al tran­si­ta­da em jul­ga­do.

Na ex­po­si­ção de mo­ti­vos do Pro­je­to de Lei n.º 854/XIII, os de­pu­ta­dos do Gru­po Par­la­men­tar do PS ex­pli­cam que se tra­ta de um “re­gi­me es­tri­ta­men­te tran­si­tó­rio e ex­tra­or­di­ná­rio”, cu­jo ob­je­ti­vo é “acau­te­lar a pro­te­ção das categorias mais fra­gi­li­za­das dos in­qui­li­nos num mo­men­to de pres­são sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra o qual a le­gis­la­ção em vi­gor não ofe­re­ce res­pos­tas sa­tis­fa­tó­ri­as”.

Sus­pen­são dos des­pe­jos de­ve­rá vi­go­rar até 31 de mar­ço de 2019

No que con­cer­ne ao pra­zo de vi­gên­cia do re­gi­me tran­si­tó­rio, o Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês (PCP) vo­tou con­tra o pra­zo de 31 de de­zem­bro de 2018, pro­pos­to pe­lo PS, e de­fen­deu que o pra­zo fos­se es­ten­di­do até 31 de de­zem­bro de 2019. Pos­te­ri­or­men­te, o PS apre­sen­tou à co­mis­são par­la­men­tar uma pro­pos­ta no sen­ti­do de fi­xar es­se li­mi­te em 31 de mar­ço de 2019, pro­pos­ta que foi fi­nal­men­te apro­va­da com o apoio do Blo­co de Es­quer­da e do PCP.

De acor­do com a pro­pos­ta de al- te­ra­ção apro­va­da, o re­fe­ri­do pra­zo li­mi­te po­de­rá “ser an­te­ci­pa­do com a en­tra­da em vi­gor de lei que pro­mo­va a re­vi­são do re­gi­me do ar­ren­da­men­to ur­ba­no e que ve­nha a cri­ar um qua­dro de­fi­ni­ti­vo de pro­te­ção dos in­qui­li­nos em fun­ção da ida­de e de­fi­ci­ên­cia e re­vo­gue o pre­sen­te di­plo­ma”.

ALP con­si­de­ra pro­je­to do PS in­cons­ti­tu­ci­o­nal

A As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os (ALP) ma­ni­fes­tou sé­rio des­con­ten­ta­men­to com o pro­je­to do Gru­po Par­la­men­tar do PS, que con­si­de­ra “uma cla­ra vi­o­la­ção” dos prin­cí­pi­os da se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e da pro­te­ção da con­fi­an­ça, uma me­di­da “in­cons­ti­tu­ci­o­nal” e que irá “ar­ra­sar” o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to. Em co­mu­ni­ca­do, ci­ta­do pe­la SIC no­tí­ci­as, a ALP afir­ma que “se vai ba­ter de for­ma in­can­sá­vel nas ins­tân­ci­as com­pe­ten­tes em de­fe­sa dos pro­pri­e­tá­ri­os le­sa­dos por es­tas su­ces­si­vas ini­ci­a­ti­vas in­cons­ti­tu­ci­o­nais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.