No­va ge­ra­ção de cen­tros co­mer­ci­ais es­tá a sur­gir em Por­tu­gal

Os cen­tros co­mer­ci­ais por­tu­gue­ses es­tão a pas­sar por uma fa­se de pro­fun­da trans­for­ma­ção, e abrem ca­mi­nho ao sur­gi­men­to de uma no­va ge­ra­ção de shop­pings, que te­rá de se adap­tar a no­vos es­ti­los de vi­da

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Ana Tavares

Os cen­tros co­mer­ci­ais, tal co­mo os co­nhe­ce­mos nos úl­ti­mos 30 anos, vão aca­bar. Es­ta é uma das prin­ci­pais con­clu­sões do es­tu­do “Fim dos cen­tros co­mer­ci­ais, ou iní­cio de uma no­va ge­ra­ção?”, es­ta se­ma­na di­vul­ga­do pe­la CBRE. A aná­li­se ba­seia-se no fe­nó­me­no de en­cer­ra­men­to de vá­ri­os cen­tros co­mer­ci­ais nos EUA, um mer­ca­do, con­tu­do, mui­to di­fe­ren­te do eu­ro­peu e do por­tu­guês. A con­sul­to­ra não acre­di­ta que o mes­mo acon­te­ça no nos­so país, pe­lo con­trá­rio.

No ano pas­sa­do, as vendas nos cen­tros co­mer­ci­ais por­tu­gue­ses re­gis­ta­ram uma su­bi­da de 8,4%, en­quan­to que o nú­me­ro de vi­si­tan­tes au­men­tou 0,5% de­pois de 3 anos de que­bras. E o mer­ca­do de in­ves­ti­men­to nes­te seg­men­to de ati­vos nun­ca es­te­ve tão ati­vo: só no 1º tri­mes­tre des­te ano fo­ram tran­sa­ci­o­na­dos 4 cen­tros co­mer­ci­ais, num va­lor acu- mu­la­do de 673 mi­lhões de eu­ros. Es­tão atu­al­men­te em co­mer­ci­a­li­za­ção ou­tros 10 cen­tros, o que faz a con­sul­to­ra an­te­ver um no­vo re­cor­de de in­ves­ti­men­to em cen­tros co­mer­ci­ais no fe­cho de 2018.

Mas, pa­ra ter su­ces­so, os cen­tros co­mer­ci­ais por­tu­gue­ses te­rão de se adap­tar a um no­vo es­ti­lo de vi­da, so­bre­tu­do de­vi­do a ques­tões co­mo o co­mér­cio ele­tró­ni­co ou mu­dan­ças ra­di­cais de men­ta­li­da­des. Ape­nas os que se con­se­gui­rem adap­tar so­bre­vi­ve­rão nes­te “no­vo” mer­ca­do.

Cris­ti­na Arou­ca, di­re­to­ra do de­par­ta­men­to de Re­se­ar­ch da CBRE, ex­pli­ca que “as ca­ra­te­rís­ti­cas e a si­tu­a­ção do co­mér­cio nos Es­ta­dos Uni­dos são bas­tan­te di­fe­ren­tes da­que­las ve­ri­fi­ca­das no nos­so país, já que o grau do ex­ces­so de ofer­ta, da ob­so­les­cên­cia do stock e da pe­ne­tra­ção do co­mér­cio on­li­ne em Por­tu­gal é mui­to me­nor do que nos Es­ta­dos Uni­dos. Con­tu­do, ha­ve­rá de­sa­fi­os”.

“Não há dú­vi­da de que o co­mér- cio ele­tró­ni­co é uma for­ça dis­rup­ti­va que obri­ga a mu­dar o chip pa­ra man­ter a com­pe­ti­ti­vi­da­de”, con­ti­nua. “A in­ter­net tor­na ex­tre­ma­men­te con­ve­ni­en­te a com­pra a par­tir de ca­sa ou do lo­cal de tra­ba­lho e vai ser ca­da vez mais di­fí­cil con­ven­cer os con­su­mi­do­res a des­lo­ca­rem-se aos cen­tros co­mer­ci­ais. A es­te res­pei­to, a di­gi­ta­li­za­ção a ex­pe­ri­ên­cia de com­pra e no cen­tro e os ser­vi­ços de con­ve­ni­ên­cia são cha­ve pa­ra o fu­tu­ro do se­tor”.

A aná­li­se de Big Da­ta se­rá mui­to im­por­tan­te pa­ra que os re­ta­lhis­tas co­nhe­çam me­lhor os seus cli­en­tes, bem co­mo a im­ple­men­ta­ção de no­vas es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting mais per­so­na­li­za­das. In­cor­po­rar a com­pra on­li­ne nos cen­tros de­ve­rá ain­da fa­ci­li­tar o de­sen­vol­vi­men­to de es­tra­té­gi­as om­ni­ca­nal e for­ta­le­cer o ser­vi­ço ao cli­en­te.

Des­ta­que ain­da pa­ra a in­cor­po­ra­ção cres­cen­te de ofer­ta não re­ta­lho nos cen­tros co­mer­ci­ais, que vão além do la­zer ou da res­tau­ra­ção. Os cen­tros in­cor­po­ram ca­da vez mais um le­que de equi­pa­men­tos de con­ve­ni­ên­cia co­mo ser­vi­ços de saú­de, ser­vi­ços pú­bli­cos ou es­pa­ços de cowor­king.

Cris­ti­na Arou­ca com­ple­ta que “os cen­tros co­mer­ci­ais con­ti­nu­am a ser um im­por­tan­te pi­lar da nos­sa so­ci­e­da­de e lo­cal de con­ver­gên­cia, ape­sar dos de­sa­fi­os. Não é por aca­so que ope­ra­do­res pu­re play co­mo a Za­lan­do e a Ama­zon es­ta­be­le­ce­ram-se com lo­jas fí­si­cas pa­ra me­lho­rar o ser­vi­ço que pres­tam aos seus cli­en­tes. O se­tor es­tá a res­pon­der de for­ma po­si­ti­va, co­mu­ni­can­do de ma­nei­ra mui­to mais per­so­na­li­za­da e usan­do os da­dos dis­po­ní­veis pa­ra res­pon­der às ex­pe­ta­ti­vas dos con­su­mi­do­res. Pa­ra vin­gar num mun­do ca­da vez mais di­gi­ta­li­za­do, os cen­tros co­mer­ci­ais de­vem au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de atrair con­su­mi­do­res, pro­por­ci­o­nan­do uma ex­pe­ri­ên­cia ca­da vez mais in­te­gra­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.