“É im­por­tan­te não es­pe­rar mui­to tem­po” pa­ra re­a­gir à cam­pa­nha

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

An­te­ci­pan­do-se uma ele­va­da acei­ta­ção da ini­ci­a­ti­va, ten­do em con­ta a “ex­pe­ri­ên­cia ex­tre­ma­men­te po­si­ti­va nes­te ti­po de ação”, nas pa­la­vras de Carlos Nunes, “é im­por­tan­te não es­pe­rar mui­to tem­po pa­ra fa­zer as ofer­tas so­bre os imó­veis da cam­pa­nha”, re­al­ça, por sua vez Cruz Lan­ça. É que “além de to­das as con­di­ções es­pe­ci­ais ofe­re­ci­das pe­lo Mil­len­nium bcp a ní­vel de fi­nan­ci­a­men­to, é pos­sí­vel ad­qui­rir es­tes imó­veis a um pre­ço ex­tre­ma­men­te ape­te­cí­vel”, re­for­ça Pedro Ba­ra­ta, ex­pli­can­do que exis­tem bo­as opor­tu­ni­da­des quer pa­ra qu­em pre­ten­da ad­qui­rir um imó­vel com pers­pe­ti­vas de re­mo­de­lar e vol­tar a co­lo­car no mer­ca­do, bem co­mo pa­ra o cli­en­te que pre­ten­de ad­qui­rir ha­bi­ta­ção pró­pria per­ma­nen­te.

Tu­do is­to num con­tex­to de de­se­qui­lí­brio en­tre ofer­ta e pro­cu­ra, em que a fal­ta de pro­du­to no­vo tem co­lo­ca­do mai­or pres­são so­bre o mer­ca­do de usa­dos. “Es­ta­mos a as­sis­tir a uma pro­cu­ra mui­to su­pe­ri­or à ofer­ta, o que tor­na o mer­ca­do mui­to com­pe­ti­ti­vo e lí­qui­do, em que o tem­po mé­dio de ven­da as­so­ci­a­do ao mer­ca­do re­si­den­ci­al é de 30 di­as”, re­for­ça João Mar­tins. Por is­so, além do tra­ba­lho de di­na­mi­za­ção co­mer­ci­al e apro­xi­ma­ção ao cli­en­te que o ban­co e os seus par­cei­ros de­sen­vol­vem, “sem­pre que um po­ten­ci­al cli­en­te te­nha in­te­res­se em al­gum des­tes imó­veis, não de­ve he­si­tar em fa­zer uma pro­pos­ta. Da nos­sa par­te, es­ta­mos dis­po­ní­veis pa­ra aju­dar a en­con­trar so­lu­ções pa­ra fe­char um bom ne­gó­cio”, ter­mi­na Jo­sé Araú­jo. ge­o­grá­fi­cas”. Na re­gião Sul, es­ta­mos a fa­lar de zo­nas mais in­te­ri­o­res, co­mo os dis­tri­tos de Por­ta­le­gre, San­ta­rém, Be­ja ou Évo­ra, on­de “te­mos dis­po­ní­veis imó­veis cu­jas ca­ra­te­rís­ti­cas di­fi­cil­men­te sur­gem em Lis­boa e que se des­ti­nam a uma pro­cu­ra mais di­fe­ren­ci­a­da, co­mo é o ca­so de qu­em pre­ten­de se­gun­da ha­bi­ta­ção nu­ma zo­na mais ru­ral, mas com bons aces­sos ro­do­viá­ri­os”, no­ta Carlos Nunes, que ex­pli­ca ain­da que a cam­pa­nha tam­bém abran­ge um im­por­tan­te con­jun­to de imó­veis nos dis­tri­tos de Lis­boa e Lei­ria.

Pedro Ba­ra­ta, Di­re­tor Co­or­de­na­dor da EasyGest, que acom­pa­nha o ban­co nes­ta ação pa­ra a re­gião Sul, con­si­de­ra que a cam­pa­nha per­mi­te “ad­qui­rir imó­veis a um pre­ço ex­tre­ma­men­te ape­te­cí­vel”, des­ta­can­do Be­ja “pe­la sua di­nâ­mi­ca de ne­gó­ci­os bas­tan­te po­si­ti­va” e tam­bém a re­gião de San­ta­rém, que “tem ti­do um for­te des­ta­que des­de iní­cio do ano a ní­vel de vendas, an­te­ven­do-se bons rá­ci­os de co­lo­ca­ção da cam­pa­nha nes­ta zo­na”. Carlos Nunes con­cor­da que “o bom mo­men­to de mer­ca­do (na re­gião Cen­tro e Sul) po­de ter

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.