World Built En­vi­ron­ment Fo­rum: os de­sa­fi­os das ci­da­des de ama­nhã

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Há di­as ti­ve o pri­vi­lé­gio de par­ti­ci­par no World Built En­vi­ron­ment Fo­rum or­ga­ni­za­do pe­lo RICS*. Es­ta ter­cei­ra edi­ção do cer­ta­me anu­al, que coin­ci­diu tam­bém com o 150º ani­ver­sá­rio da or­ga­ni­za­ção, de­cor­reu em Lon­dres; as an­te­ri­o­res ti­ve­ram lu­gar em Washing­ton e Xan­gai e a edi­ção de 2019 se­rá em No­va Ior­que.

O WBEF jun­tou 1.200 par­ti­ci­pan­tes que de­ba­te­ram du­ran­te dois di­as os gran­des te­mas da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio. Tra­tou-se de um even­to de ca­riz ver­da­dei­ra­men­te glo­bal, com par­ti­ci­pan­tes de 40 paí­ses di­fe­ren­tes, en­tre os quais cen­te­nas de de­le­ga­dos oriun­dos da Chi­na, e tam­bém mui­tos do Mé­dio Ori­en­te, dos EUA e de todos os paí­ses eu­ro­peus.

Foi con­sen­su­al que o gran­de te­ma da atu­a­li­da­de é a ga­lo­pan­te ur­ba­ni­za­ção glo­bal, ten­do em con­ta a es­ti­ma­ti­va de que mais de 80% da po­pu­la­ção mun­di­al ha­bi­ta­rá em ci­da­des até ao fi­nal des­te sé­cu­lo, já ape­li­da­do de “Sé­cu­lo da Me­tró­po­le”. Ci­da­des co­mo Tó­quio, São Paulo, La­gos ou Cai­ro te­rão mais de 30 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e se­rão au­tên­ti­cos mi­ni­es­ta­dos, com um pe­so eco­nó­mi­co su­pe­ri­or ao de mui­tos paí­ses.

No en­tan­to, co­mo re­fe­riu Greg Clark, um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas em ma­té­ria de ci­da­des e ur­ba­ni­za­ção, “as nos­sas ci­da­des de ho­je são o re­sul­ta­do das idei­as de on­tem so­bre o ama­nhã” - es­tan­do mal pre­pa­ra­das pa­ra os de­sa­fi­os enor­mes que o pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção co­lo­ca, no que res­pei­ta a in­fra­es­tru­tu­ras, ha­bi­ta­ção e trans­por­tes, bem co­mo a ní­vel so­ci­al.

O de­sa­fio das gran­des ci­da­des é as­sim cri­ar as con­di­ções pa­ra que ha­bi­tan­tes e em­pre­sas con­si­gam vi­ver e de­sen­vol­ver-se ne­las, de for­ma dig­na e sus­ten­ta­da. Pa­ra o con­se­guir, a den­si­fi­ca­ção do te­ci­do ur­ba­no se­rá ine­vi­tá­vel, ca­ben­do aos ur­ba­nis­tas en­con­trar um equi­lí­brio en­tre cons­tru­ção em al­tu­ra e qua­li­da­de de vi­da ao ní­vel do so­lo.

Acres­ce que, en­quan­to as an­te­ri­o­res ge­ra­ções se des­lo­ca­vam pa­ra on­de exis­tia em­pre­go, os Mil­len­ni­als e a Ge­ra­ção Z de ho­je pro­cu­ram mo­rar on­de ha­ja ofer­ta cul­tu­ral e so­ci­al - ecos­sis­te­mas que lhes per­mi­tam ex­plo­rar, apren­der e so­ci­a­li­zar. No­ta-se as­sim uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma em que, na “gu­er­ra pe­lo ta­len­to”, as em­pre­sas se es­ta­be­le­cem on­de exis­te ofer­ta de re­cur­sos. As­sis­ti­mos aliás a es­te fe­nó­me­no em Lis­boa, on­de é no­tó­ria a des­lo­ca­li­za­ção das em­pre­sas da pe­ri­fe­ria pa­ra zo­nas mais cen­trais da ci­da­de.

Po­rém, em Lis­boa, o fe­nó­me­no de a ci­da­de ser o po­lo de atra­ção de ta­len­to só se ve­ri­fi­ca em par­te, na me­di­da em que mui­tos jovens são em­pur­ra­dos pa­ra a pe­ri­fe­ria de­vi­do ao cus­to proi­bi­ti­vo do imo­bi­liá­rio. Pa­ra com­ba­ter es­te pro­ces­so, o es­ta­do cen­tral e a au­tar­quia têm um pa­pel cru­ci­al no sen­ti­do de pro­por­ci­o­nar ha­bi­ta­ção a pre­ços con­tro­la­dos. No WBEF, no de­ba­te en­tre vá­ri­as vi­ce­pre­si­den­tes de câ­ma­ras mu­ni­ci­pais (por si­nal to­das mu­lhe­res), a re­pre­sen­tan­te de Vi­e­na expôs que 62% dos mo­ra­do­res da ci­da­de vi­ve em ha­bi­ta­ção so­ci­al ou apoi­a­da, e em Sin­ga­pu­ra es­te nú­me­ro che­ga qua­se aos 80%! A vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Vi­e­na ad­mi­tiu que es­ta con­quis­ta não é re­cen­te, pois a ci­da­de tem uma po­lí­ti­ca ati­va de apoio à ha­bi­ta­ção des­de 1922.

Tam­bém a pres­são so­bre ou­tros re­cur­sos das ci­da­des não pa­ra de au­men­tar, no­me­a­da­men­te o ar, cu­ja qua­li­da­de é mui­to se­ri­a­men­te afe­ta­da pe­los ní­veis de po­lui­ção cau­sa­da pe­la emis­são de CO2. A mo­bi­li­da­de sus­ten­tá­vel es­tá por is­so na agen­da de to­das as ci­da­des. A vi­ce­pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Lon­dres re­fe­riu que na re­cém-apre­sen­ta­da “Agen­da da Co­ne­ti­vi­da­de” da ci­da­de, a saú­de as­su­me uma po­si­ção cen­tral na po­li­ti­ca de trans­por­tes, pro­cu­ran­do in­cen­ti­var os uten­tes da ci­da­de a an­dar mais a pé. A am­bi­ção é au­men­tar as des­lo­ca­ções a pé dos atu­ais 62% (do to­tal de 27 mi­lhões de des­lo­ca­ções por dia que se es­ti­ma te­rem lu­gar em Lon­dres!) pa­ra 80%.

Os trans­por­tes pú­bli­cos são ou­tra apos­ta ób­via pa­ra ten­tar di­mi­nuir a po­lui­ção, e nes­te cam­po a res­pos­ta da ci­da­de de Vi­e­na foi a dis­po­ni­bi­li­za­ção de um pas­se pa­ra todos os trans­por­tes pú­bli­cos na ci­da­de, pe­lo va­lor de €365 por ano.

O trans­por­te pri­va­do ten­de­rá a ser elé­tri­co, e o key no­te spe­a­ker da con­fe­rên­cia, J B Strau­bel, co­fun­da­dor da Tes­la e o seu Chi­ef Te­ch­ni­cal Of­fi­cer, não tem dú­vi­das de que no fu­tu­ro os veí­cu­los, pa­ra além de elé­tri­cos, se­rão todos au­tó­no­mos (e na mai­o­ria par­ti­lha­dos). Ele afir­mou aliás que ama­nhã os nos­sos fi­lhos irão con­si­de­rar a con­du­ção por hu­ma­nos tão pe­ri­go­sa co­mo nós ho­je acha­mos a con­du­ção sem cin­to de se­gu­ran­ça ou a cir­cu­la­ção de mo­to sem ca­pa­ce­te.

A fas­ci­nan­te (mas ain­da bre­ve – não mais de 15 anos) his­tó­ria da Tes­la é uma li­ção so­bre ino­va­ção e dis­rup­ção dos pa­ra­dig­mas vi­gen­tes, sen­do que a em­pre­sa não co­me­çou por am­bi­ci­o­nar cons­truir au­to­mó­veis, mas sim aju­dar o mun­do na tran­si­ção pa­ra um fu­tu­ro mais sus­ten­tá­vel. Aliás, pa­ra além de car­ros elé­tri­cos, a Tes­la pro­duz mi­ni­cen­trais fo­to­vol­tai­cas pa­ra “uso ca­sei­ro”, cu­jas ba­te­ri­as per­mi­tem o ar­ma­ze­na­men­to e des­ta for­ma um ele­va­do ní­vel de au­tos­su­fi­ci­ên­cia elé­tri­ca. E es­tá a cons­truir a sua pró­pria Gi­ga Fac­tory no Ne­va­da, que se­rá o mai­or edi­fí­cio do mun­do na ba­se de emis­sões ze­ro.

Pro­va-se as­sim que, com uma boa do­se de ino­va­ção e per­sis­tên­cia, é pos­sí­vel apli­car os prin­cí­pi­os da sus­ten­ta­bi­li­da­de na cons­tru­ção, um fa­tor cru­ci­al pa­ra cri­ar­mos ci­da­des vi­ví­veis. O con­se­lhei­ro sé­ni­or do Ban­co de In­gla­ter­ra, Mi­cha­el She­ren, re­fe­riu que, num fu­tu­ro bre­ve, tan­to as em­pre­sas co­mo os edi­fí­ci­os que não obe­de­çam aos prin­cí­pi­os da sus­ten­ta­bi­li­da­de se­rão pe­na­li­za­dos pe­los mer­ca­dos – e que a cres­cen­te di­gi­ta­li­za­ção fa­ci­li­ta a re­co­lha e dis­se­mi­na­ção da in­for­ma­ção, tor­nan­do di­fí­cil es­con­der os fac­tos.

Por fim, um painel de gran­des in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais, in­cluin­do Avi­va, Ben­son El­li­ott, CBRE Glo­bal In­ves­tors, M&G, Uni­on In­vest­ment e ou­tros, re­pre­sen­tan­do em con­jun­to mais de um tri­lião de dó­la­res sob ges­tão, de­ba­teu os ris­cos as­so­ci­a­dos a três opor­tu­ni­da­des hi­po­té­ti­cas de in­ves­ti­men­to, e con­cluiu que pre­fe­ri­ria in­ves­tir em Se­at­tle (ci­da­de tec­no­ló­gi­ca e com ex­ce­len­te qua­li­da­de de vi­da) em de­tri­men­to de Lon­dres (de­ma­si­a­do ca­ra e com im­pre­vi­si­bi­li­da­de cau­sa­da pe­lo Bre­xit) e de Sin­ga­pu­ra (de­ma­si­a­do ex­pos­ta a ris­cos cli­má­ti­cos).

Os dois di­as de de­ba­te que o World Built En­vi­ron­ment Fo­rum pro­por­ci­o­nou, com o in­tui­to de aju­dar a mol­dar o fu­tu­ro da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio, le­van­ta­ram tan­tas per­gun­tas co­mo res­pos­tas, mas não sem re­for­çar a con­vic­ção de que, in­di­vi­du­al e co­le­ti­va­men­te, te­mos a obri­ga­ção de atu­ar e de fa­zer com que con­tri­bu­a­mos pa­ra cri­ar ha­bi­tats sus­ten­tá­veis e vi­ví­veis pa­ra os mi­lha­res de mi­lhões de pes­so­as que mo­ram ou mo­ra­rão nas ci­da­des.

Eric van Leu­ven

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.