Pre­ço das ca­sas em re­sorts de­ve­rão va­lo­ri­zar 7,1%

De acor­do com os ope­ra­do­res de mer­ca­do, as ca­sas in­te­gra­das em re­sorts de­ve­rão va­lo­ri­zar 7,1% es­te ano, re­ve­la a Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio

Publico - Imobiliario - - Especial Resorts -

As ca­sas in­te­gra­das em re­sorts de­ve­rão va­lo­ri­zar 7,1% em 2018. As ex­pe­ta­ti­vas des­tes agen­tes são apu­ra­das no âm­bi­to do “Re­sorts Mar­ket Sen­ti­ment Sur­vey”, um inqué­ri­to ini­ci­a­do no qu­a­dro do SIR- Tu­ris­mo Re­si­den­ci­al, o sis­te­ma es­ta­tís­ti­co de­sen­vol­vi­do pe­la Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio em par­ce­ria com a APR – As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Re­sorts, com o apoio do Tu­ris­mo de Por­tu­gal.

Os re­sul­ta­dos mais re­cen­tes do SIR-Tu­ris­mo Re­si­den­ci­al mos­tram que há uma cres­cen­te di­ver­si­fi­ca­ção de na­ci­o­na­li­da­des a in­ves­tir em imó­veis de tu­ris­mo re­si­den­ci­al e que, ape­sar de o Rei­no Uni­do se man­ter co­mo lí­der en­tre as mais de 40 na­ci­o­na­li­da­de ati­vas no mer­ca­do, tam­bém se ve­ri­fi­ca que no­vos paí­ses têm vin­do a ga­nhar quo­ta a es­te mer­ca­do tra­di­ci­o­nal.

O SIR – Tu­ris­mo Re­si­den­ci­al apu­rou que o Rei­no Uni­do, o Nor­te da Eu­ro­pa (Be­ne­lux/Es­can­di­ná­via) e a Fran­ça con­ti­nu­am a li­de­rar nes­te uni­ver­so de cres­cen­te di­ver­si­fi­ca­ção de com­pra­do­res, con­cen­tran­do nos úl­ti­mos dois anos (2016 e 2017) cer­ca de dois ter­ços das com­pras in­ter­na­ci­o­nais. Ain­da as­sim, no con­jun­to dos três, a sua quo­ta re­du­ziu de 67% pa­ra 58%, mer­cê da ca­pa­ci­da­de do mer­ca­do em atrair mais na­ci­o­na­li­da­des. Um se­gun­do pe­lo­tão, que so­ma cer­ca de 25% das com­pras e que ga­nhou quo­ta en­tre 2016 e 2017, é com­pos­to pe­la Ale­ma­nha, Ir­lan­da, Chi­na, Mé­dio Ori­en­te e Amé­ri­ca do Nor­te. Em 2017, sur­gi­ram tam­bém com mais for­ça na­ci­o­na­li­da­des co­mo a bra­si­lei­ra e a ita­li­a­na.

No to­tal do mer­ca­do na­ci­o­nal de Tu­ris­mo Re­si­den­ci­al (que con­tem­pla as zo­nas da Cos­ta Atlân­ti­ca, Ei­xo Lou­lé-Al­bu­fei­ra, Bar­la­ven­to e So­ta­ven­to al­gar­vi­os), o tic­ket mé­dio de in­ves­ti­men­to pe­los Bri­tâ­ni­cos foi de 3.400 eu­ros/m2, aci­ma dos 2.800 eu­ros/m2 que em mé­dia in­ves­tem os com­pra­do­res Fran­ce­ses ou do Nor­te da Eu­ro­pa. Com aqui­si­ções mé­di­as aci­ma dos 5.000 des­ta­cam-se a Ín­dia, a Chi­na, Amé­ri­ca do Nor­te e a Rús­sia, ain­da que in­di­vi­du­al­men­te ne­nhum ex­ce­da uma quo­ta de 4% dos com­pra­do­res.

Pro­cu­ra su­pe­ra ofer­ta

As bo­as pers­pe­ti­vas dos agen­tes que tra­ba­lham nes­te mer­ca­do de­vem-se, des­de lo­go, ao fac­to da pro­cu­ra con­ti­nua a su­pe­rar lar­ga­men­te a ofer­ta, que con­ti­nua mui­to res­trin­gi­da pe­lo li­mi­ta­do nú­me­ro de no­vas pro­mo­ções em cur­so. O oti­mis­mo de­ve-se tam­bém à re­cu­pe­ra­ção cam­bi­al da libra es­ter­li­na, por­que in­flu­en­cia di­re­ta­men­te o po­der de com­pra dos bri­tâ­ni­cos e es­tes man­têm-se co­mo o prin­ci­pal mer­ca­do com­pra­dor des­te ti­po de imó­vel.

“A re­la­ção en­tre o com­por­ta­men­to da libra es­ter­li­na e a va­ri­a­ção dos pre­ços des­tes imó­veis é mui­to es­trei­ta, co­mo se viu re­cen­te­men­te. A des­va­lo­ri­za­ção da libra fa­ce ao eu­ro foi um dos prin­ci­pais mo­ti­va­do­res pa­ra a li­gei­ra con­tra­ção dos pre­ços das ca­sas de­di­ca­das ao tu­ris­mo re­si­den­ci­al que se fez sen­tir em 2017. Mes­mo com o es­for­ço dos ope­ra­do­res em re­ver os pre­ços pa­ra aco­mo­dar a per­da de po­der aqui­si­ti­vo dos Bri­tâ­ni­cos, acon­te­ce que mui­tas ve­zes es­tes imó­veis são ne­go­ci­a­dos di­re­ta­men­te em li­bras pois am­bos os la­dos do mer­ca­do são oriun­dos do mer­ca­do do Rei­no Uni­do. As­sim, as va­ri­a­ções cam­bi­ais não são sen­ti­das por es­tas par­tes, mas im­pac­tam na evo­lu­ção dos pre­ços em eu­ros”, ex­pli­ca Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio.

“Pa­ra as bo­as pers­pe­ti­vas, acres­ce ain­da que, a par da es­ta­bi­li­za­ção dos bri­tâ­ni­cos co­mo mer­ca­do com­pra­dor, ou­tras na­ci­o­na­li­da­des es­tão a ga­nhar mais evi­dên­cia na com­pra de ha­bi­ta­ção tu­rís­ti­ca em re­sorts, in­cluin­do o au­men­to da pro­cu­ra por par­te dos por­tu­gue­ses”, acres­cen­ta.

DR

O oti­mis­mo de­ve-se tam­bém à re­cu­pe­ra­ção cam­bi­al da libra es­ter­li­na, por­que in­flu­en­cia di­re­ta­men­te o po­der de com­pra dos bri­tâ­ni­cos e es­tes man­têm­se co­mo o prin­ci­pal mer­ca­do com­pra­dor des­te ti­po de imó­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.