A im­por­tân­cia das si­ner­gi­as

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

“Ofu­tu­ro do sec­tor imo­bi­liá­rio: de­sa­fi­os e cons­tran­gi­men­tos” foi o te­ma es­co­lhi­do pa­ra a Con­fe­rên­cia SIP 2018, uma con­fe­rên­cia que, sob o olhar dos di­ver­sos par­ti­ci­pan­tes com múl­ti­plos sa­be­res que cru­zam es­te mer­ca­do, fez um apa­nha­do do mo­men­to que se vi­ve e da­qui­lo que nos es­pe­ra no fu­tu­ro do sec­tor.

No pri­mei­ro painel, He­le­na Ro­se­ta fa­lou so­bre o pro­je­to da lei de ba­ses da ha­bi­ta­ção e lan­çou um ne­ces­sá­rio aler­ta pa­ra as ini­ci­a­ti­vas par­la­men­ta­res que su­gi­ram al­te­ra­ções à lei do Alo­ja­men­to Lo­cal ou do Ar­ren­da­men­to Ur­ba­no, lem­bran­do que as mes­mas po­de­rão tra­zer con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas ao bom mo­men­to que o mer­ca­do ho­je vi­ve.

A par dis­so, re­fe­riu tam­bém que os pro­fun­dos de­se­qui­lí­bri­os que exis­tem no mer­ca­do, não só de ar­ren­da­men­to co­mo de com­pra e ven­da, são o ver­da­dei­ro res­pon­sá­vel pe­los pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais que ho­je se vi­vem.

He­le­na Ro­se­ta cor­ro­bo­rou as­sim o al­gu­mas das ban­dei­ras que te­nho de­fen­di­do en­quan­to Pre­si­den­te da APEMIP, no­me­a­da­men­te no que diz res­pei­to à ne­ces­si­da­de de o Es­ta­do in­ter­vir no mer­ca­do pa­ra col­ma­tar as ne­ces­si­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais que ho­je se vi­vem, pro­mo­ven­do a ofer­ta a pre­ços aces­sí­veis, sem co­lo­car em cau­sa o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro que o sec­tor imo­bi­liá­rio tem re­ce­bi­do e que foi um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la re­to­ma des­te mer­ca­do.

A sua in­ter­ven­ção, que foi ou­vi­da por mais de du­zen­tos par­ti­ci­pan­tes nes­ta con­fe­rên­cia, dei­xou no ar que é ne­ces­sá­rio ter cau­te­las pa­ra que não se ma­te o mer­ca­do, e es­tas cau­te­las só po­dem ser ti­das se o Es­ta­do e os par­ti­dos ou­vi­rem os ver­da­dei­ros agen­tes do sec­tor e se fo­rem pos­tos na ba­lan­ça to­dos os prós e con­tras de even­tu­ais me­di­das que se quei­ram to­mar. Nes­te as­pe­to, de­vol­vo o elo­gio que me foi fei­to pe­la ar­qui­te­ta, e agra­de­ço ver­da­dei­ra­men­te pe­lo seu con­ti­nu­a­do es­for­ço em es­cu­tar quem ne­le atua, pro­mo­ven­do as ne­ces­sá­ri­as si­ner­gi­as en­tre o Go­ver­no e o mer­ca­do.

Num mo­men­to co­mo o que vi­ve­mos, em que os pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais es­tão ca­da vez mais na or­dem do dia, não nos podemos dei­xar le­var por po­pu­lis­mos que pos­sam ter um re­sul­ta­do in­ver­so àque­le que se pre­ten­de.

Re­cor­do por is­so uma das pri­mei­ras mis­sões em­pre­sa­ri­ais que fiz ao es­tran­gei­ro, no Bra­sil, com o in­tui­to de pro­mo­ver o imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal e em que es­te­ve pre­sen­te o en­tão Pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, António Cos­ta, que de­fen­dia ele mes­mo que to­das as al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas, no­me­a­da­men­te as fis­cais, de­ve­ri­am ser sem­pre mui­to bem ava­li­a­das sob pe­na de po­de­rem re­sul­tar em con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas não só pa­ra o mer­ca­do co­mo pa­ra a eco­no­mia.

Ur­ge por is­so dar as res­pos­tas ne­ces­sá­ri­as a es­te sec­tor que ape­la à ne­ces­sá­ria pro­mo­ção do equi­lí­brio en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra, que só se fa­rá se hou­ver um ver­da­dei­ro re­gres­so à cons­tru­ção no­va, ali­a­do a um pro­je­to go­ver­na­men­tal que apoie a ofer­ta de pre­ços aces­sí­veis pa­ra o mer­ca­do, quer de ar­ren­da­men­to, quer de com­pra e ven­da, e que pos­sa as­sim dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des dos jo­vens e fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

O fu­tu­ro re­ser­va-nos de­cer­to, de­sa­fi­os e cons­tran­gi­men­tos. Ca­be-nos a to­dos trans­for­mar es­tes cons­tran­gi­men­tos em de­sa­fi­os que pos­sam ser ga­nhos, tra­ba­lhan­do sem­pre em con­jun­to pa­ra o bem dos ci­da­dãos e da eco­no­mia na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.