Imó­veis ina­ca­ba­dos são opor­tu­ni­da­de pa­ra pre­en­cher ne­ces­si­da­des do mer­ca­do

A pro­cu­ra de imó­veis com cons­tru­ção por con­cluir es­tá a au­men­tar, con­fir­ma o Mil­len­nium bcp, que des­ta­ca a sua ofer­ta des­te ti­po de pro­du­to a Sul

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

“O fac­to de, nos úl­ti­mos dois anos, a cons­tru­ção ter es­ta­do pa­ra­da e não exis­tir mer­ca­do de 2ª mão, le­vou a que os pro­je­tos ina­ca­ba­dos pas­sas­sem a ter ele­va­da pro­cu­ra”, nota Ra­mi­ro Gomes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio (DNI) do Mil­len­nium bcp. Es­te ti­po de pro­du­to – i.e. imó­veis cu­ja cons­tru­ção não es­tá ter­mi­na­da – pro­me­te ser uma ver­da­dei­ra opor­tu­ni­da­de num mer­ca­do em que “exis­te aber­tu­ra à con­ces­são de cré­di­to”, diz Má­rio de Ma­tos ( ge­ren­te da IMA) e em que pas­sou “a ha­ver mais pro­cu­ra do que ofer­ta”, acres­cen­ta Paula Mar­ça­lo ( ge­ren­te da Tri­an­gu­lar Cor­rec­to). Os pro­fis­si­o­nais con­si­de­ram que es­te ti­po de imó­veis es­tá a pre­en­cher as ne­ces­si­da­des de mer­ca­do, já que “es­tão na­tu­ral­men­te mais adi­an­ta­dos no seu pro­ces­so cons­tru­ti­vo e po­dem che­gar mais ce­do ao mer­ca­do. Mes­mo com a even­tu­al re­con­fi­gu­ra­ção e atu­a­li­za­ção em fun­ção de al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas ou ou­tras que es­tes pro­je­tos pos­sam ter que so­frer, é sem­pre mais rá­pi­do re­to­mar um pro­je­to, ajus­tan­do- o, do que ini­ci­ar um de raiz”, es­pe­ci­fi­ca Ra­mi­ro Gomes. Por is­so, é um pro­du­to que “se tem re­ve­la­do es­pe­ci­al­men­te ape­te­cí­vel” nes­ta fa­se do mer­ca­do, em que “fa­ce à fal­ta de pro­du­to, é pre­men­te co­lo­car fo­gos no mer­ca­do”.

Ha­bi­ta­ção do­mi­na

A pro­cu­ra des­te ti­po de ati­vo si­tu­a­se “es­sen­ci­al­men­te no re­si­den­ci­al”, diz es­te res­pon­sá­vel, des­ta­can­do, en­tre as ven­das do ban­co nos úl­ti­mos dois anos, quer mo­ra­di­as iso­la­das quer, so­bre­tu­do, edi­fí­ci­os mul­ti­fa­mi­li­a­res (des­de imó­veis com 8 fra­ções a ou­tros com 40/50). Há “mui­ta in­ci­dên­cia por par­te de Por­tu­gue­ses e so­bre­tu­do fo­ra das zo­nas pri­me, on­de es­te pú­bli­co pas­sou a ter mais di­fi­cul­da­des em comprar”, diz Ra­mi­ro Gomes, de­ta­lhan­do que nas re­giões mais a Sul on­de o ban­co tem di­ver­sos imó­veis com es­tas ca­ra­te­rís­ti­cas em co­mer­ci­a­li­za­ção, “a pro­cu­ra co­me­çou a acen­tu­ar-se em mer­ca­dos mais di­nâ­mi­cos co­mo Lis­boa, mas alar­gou o pe­rí­me­tro pa­ra áre­as co­mo Al­co­che­te, Mon­ti­jo, Bar­rei­ro, Pi­nhal No­vo, Al­ta do Lu­mi­ar ou Ama­do­ra, en­tre ou­tras lo­ca­li­da­des”. Paula Mar­ça­lo con­fir­ma que na zo­na de Pal­me­la, “a pro­cu­ra au­men­tou nos úl­ti­mos dois anos”, des­ta­can­do a atra­ti­vi­da­de des­te ti­po de ati­vo e, mais con­cre­ta­men­te, de um imó­vel de “gran­de po­ten­ci­al” que a Tri­an­gu­lar Cor­rec­to es­tá a co­mer­ci­a­li­zar pa­ra o ban­co na Quin­ta do An­jo. Tra­tam-se de du­as mo­ra­di­as iso­la­das (V4) em fa­se fi­nal de cons­tru­ção, si­tu­a­das no mes­mo lo­te de ter­re­no, que, na sua pers­pe­ti­va, tan­to “po­de ser ad­qui­ri­do por du­as fa­mí­li­as, com a pos­si­bi­li­da­de de es­co­lhe­rem os aca­ba­men­tos e fi­ca­rem com um imó­vel nu­ma zo­na bas­tan­te cal­ma”, co­mo tam­bém “por um in­ves­ti­dor/cons­tru­tor, pois o que fal­ta ter­mi­nar é mui­to pou­co, per­mi­tin­do co­lo­car no mer­ca­do, num cur­to es­pa­ço de tem­po, um imó­vel no­vo nu­ma zo­na com es­cas­sez de ofer­ta”.

Es­se é tam­bém o ca­so dos três edi­fí­ci­os mul­ti­fa­mi­li­a­res do ban­co, cons­truí­dos em cer­ca de 63% e si­tu­a­dos na ur­ba­ni­za­ção Atlân­ti­co Vil­la­ge, jun­to à praia da Pe­dra do Ou­ro (Al­co­ba­ça). São com­pos­tos por lo­jas no pi­so tér­reo e 15 apar­ta­men­tos nos pi­sos su­pe­ri­o­res e po­de­rão “ser uma opor­tu­ni­da­de de­pois de aca­ba­dos, co­mo ofer­ta de ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te, aju­dan­do a col­ma­tar as ne­ces­si­da­des atu­ais”, diz Má­rio de Ma­tos, ge­ren­te da IMA, a me­di­a­do­ra que es­tá a co­mer­ci­a­li­zar os ati­vos. E “ul­ti­ma­men­te, al­guns ina­ca­ba­dos jun­to às prai­as da re­gião, com pro­xi­mi­da­de das ci­da­des da zo­na, têm si­do olha­dos de mo­do mais atra­ti­vo, pa­ra fi­xa­ção per­ma­nen­te de re­si­den­tes”, re­ma­ta.

Na zo­na de Mafra, uma mo­ra­dia ina­ca­ba­da com 555 m2 (área bru­ta de cons­tru­ção) in­se­ri­da num lo­te de ter­re­no com mais de 10.000 m2 tam­bém po­de ser uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de. “O pre­ço com­pe­ti­ti­vo, da­do tra­tar-se de um pro­du­to ha­bi­ta­ci­o­nal por con­cluir, e as con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to” são ar­gu­men­tos que im­pul­si­o­nam o in­te­res­se des­te ati­vo si­tu­a­do em En­xa­ra do Bis­po, re­fe­re Dá­rio Fer­nan­des, di­re­tor co­mer­ci­al da Ur­ban World, res­pon­sá­vel pe­la co­mer­ci­a­li­za­ção des­te ati­vo do Mil­len­nium bcp. A ar­qui­te­tu­ra mo­der­na e as va­lên­ci­as de pis­ci­na in­te­ri­or e ba­nho tur­co nes­ta mo­ra­dia de 3 pi­sos, pa­ra on­de se pre­vê ain­da, de acor­do com o pro­je­to de cons­tru­ção, uma pis­ci­na ex­te­ri­or, es­pe­lho de água e ja­cuz­zi no lo­gra­dou­ro, são ou­tros ar­gu­men­tos do imó­vel cu­ja cons­tru­ção se en­con­tra em cer­ca de 45%.

Em Ri­a­chos (Tor­res No­vas), o edi­fí­cio de ha­bi­ta­ção co­le­ti­va cu­ja cons­tru­ção es­tá em 43% tam­bém “ge­ra in­te­res­se da­da a fal­ta de imó­veis no­vos nes­ta zo­na”, con­fir­ma António Ro­dri­gues, co­mer­ci­al da Me­di­fe­nó­me­no, que co­mer­ci­a­li­za es­te ati­vo pa­ra o ban­co. Si­tu­a­do na Ur­ba­ni­za­ção Par­que Ver­de, o ati­vo con­tem­pla 5 pi­sos, dos quais um em ca­ve pa­ra 6 ga­ra­gens in­di­vi­du­ais. To­dos os pi­sos aci­ma do so­lo são des­ti­na­dos a ha­bi­ta­ção, com dois fo­gos de ti­po­lo­gia T3 ca­da.

MIL­LEN­NIUM BCP

Os ga­nhos de tem­po são uma das gran­des van­ta­gens dos imó­veis ina­ca­ba­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.