Quei­mar a tá­bua de sal­va­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Foi em 2009, pe­la mão de um Go­ver­no so­ci­a­lis­ta, que en­trou em vi­gor no nos­so país o Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais (RNH), que veio per­mi­tir a não re­si­den­tes o es­ta­be­le­ci­men­to da sua re­si­dên­cia fis­cal em Por­tu­gal, sen­do tri­bu­ta­dos de acor­do com nor­mas mais fa­vo­rá­veis, com o in­tui­to de pro­mo­ver o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro.

Em 2014, o Go­ver­no PSD/CDS agi­li­zou es­te re­gi­me, que, ao la­do do pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to ( os de­no­mi­na­dos “Vis­tos Gold”) foi um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la re­to­ma do sec­tor imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal, que es­ti­mu­lou a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e cri­ou em­pre­go, di­na­mi­zan­do as­sim a eco­no­mia do país.

En­tre­tan­to, e co­mo tem vin­do a ser há­bi­to em Por­tu­gal, o RNH es­tá ho­je no cen­tro das aten­ções, mo­ti­va­das por um cer­to po­pu­lis­mo que re­ves­te a opi­nião pú­bli­ca com a ideia de que, ao la­do do Alo­ja­men­to Lo­cal, es­tes pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro são os res­pon­sá­veis pe­lo au­men­to dos pre­ços das ca­sas, con­tri­buin­do pa­ra a sua es­pe­cu­la­ção.

Por is­so, ape­la-se a me­xi­das no re­gi­me, in­do ao en­con­tro da ten­dên­cia na­ci­o­nal de ir me­xer na­qui­lo que es­tá bem fei­to, ao in­vés de re­sol­ver os pro­ble­mas a par­tir da sua gé­ne­se. Con­ti­nua-se a que­rer ati­rar pa­ra a fo­guei­ra aque­la que foi uma das prin­ci­pais tá­bu­as de sal­va­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal. Mas fi­ca-nos mal, cus­pir no pra­to on­de co­me­mos. Um pra­to que nem mi­ga­lhas ti­nha quan­do o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro co­me­çou a che­gar ao imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal.

Por is­so é pre­ci­so in­ver­ter es­ta di­a­bo­li­za­ção e olhar pa­ra os pro­ble­mas com o re­a­lis­mo e a aten­ção que es­tes me­re­cem.

Não nos po­de­mos es­que­cer que es­ta­mos a vi­ver as con­sequên­ci­as de dé­ca­das de um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to com­ple­ta­men­te ine­fi­caz, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pe­la ele­va­da fis­ca­li­da­de apli­ca­da so­bre os pro­pri­e­tá­ri­os que de­sin­cen­ti­vam o in­ves­ti­men­to nes­te mer­ca­do. Es­ta­mos tam­bém a so­frer as con­sequên­ci­as da au­sên­cia de cons­tru­ção no­va nos úl­ti­mos anos, fa­zen­do com o que o stock imo­bi­liá­rio exis­ten­te se­ja in­su­fi­ci­en­te pa­ra dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra, au­men­tan­do as­sim os pre­ços.

O RNH apre­sen­ta di­ver­sas van­ta­gens, uma vez que cons­ti­tui um gran­de fa­tor de es­tí­mu­lo à com­pe­ti­ti­vi­da­de fis­cal in­ter­na­ci­o­nal do país. Ape­sar das isen­ções de IRS de que es­tes ci­da­dãos usu­fru­em e que têm si­do tam­bém apon­ta­dos co­mo pon­to ne­ga­ti­vo des­te pro­gra­ma, es­te re­gi­me aca­ba por be­ne­fi­ci­ar do con­su­mo in­ter­no dos ci­da­dãos que vêm pa­ra Por­tu­gal, e que aca­bam por com­pen­sar as isen­ções fis­cais atra­vés de im­pos­tos in­di­re­tos co­mo IMI, IMT ou IVA.

Ape­sar de ha­ver ca­da vez mais es­tran­gei­ros a in­ves­tir em Por­tu­gal sem usu­fruir de ne­nhum pro­gra­ma, sem es­te re­gi­me há mui­tos ci­da­dãos que dei­xa­rão de equa­ci­o­nar a hi­pó­te­se de vir pa­ra Por­tu­gal, pro­cu­ran­do ou­tras al­ter­na­ti­vas. E não es­que­ça­mos que es­te tipo de re­gi­mes não são ex­clu­si­vos da re­a­li­da­de Por­tu­gue­sa, ha­ven­do ou­tros paí­ses co­mo o Rei­no Uni­do, a Es­pa­nha, a Ir­lan­da ou a Itá­lia com pro­gra­mas mui­to si­mi­la­res, al­guns até mais per­mis­si­vos, que es­fre­gam as mãos de con­ten­tes só de ima­gi­nar que po­de­re­mos dar o ti­ro no pé de fa­zer me­xi­das ne­ga­ti­vas no RNH.

Não se­ja­mos in­gé­nu­os. Os pro­ble­mas exis­tem, é ver­da­de, mas as cau­sas de­les são ou­tras. E os po­pu­lis­mos não aju­dam à sua re­so­lu­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.