Mer­ca­do em cres­ci­men­to im­pul­si­o­na pro­cu­ra de ter­re­nos pa­ra ha­bi­ta­ção a Nor­te

Tal re­fle­te a mai­or con­fi­an­ça dos pro­mo­to­res, em res­pos­ta a um mer­ca­do on­de a ofer­ta é es­cas­sa e a pro­cu­ra con­ti­nua a cres­cer, pres­si­o­nan­do os pre­ços em al­ta

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Susana Cor­reia

“A pro­cu­ra de ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção em al­tu­ra tem ve­ri­fi­ca­do um cres­ci­men­to significativo fa­ce aos anos an­te­ri­o­res no Nor­te e Cen­tro do país”, con­fir­ma Nu­no Mar­çal, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio (DNI) do Mil­len­nium bcp. No con­tex­to da car­tei­ra de de­sin­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio do ban­co nas di­fe­ren­tes re­giões, es­ta pro­cu­ra “é al­go sen­ti­do cla­ra­men­te”, de tal for­ma que nes­ta al­tu­ra já fo­ram es­cri­tu­ra­dos três ve­zes mais ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção em al­tu­ra (quer em va­lor quer em nú­me­ro de ati­vos) do que no to­tal do ano 2017. Evi­den­ci­am-se con­ce­lhos co­mo Gondomar, Gaia, Maia, Pó­voa de Var­zim, Ma­to­si­nhos, Avei­ro ou San­ta Ma­ria da Fei­ra.

Es­ta pro­cu­ra “re­fle­te a mai­or con­fi­an­ça de pro­mo­to­res, cons­tru­to­res e in­ves­ti­do­res”, diz Nu­no Mar­çal, evi­den­ci­an­do que se tra­ta de uma “res­pos­ta cla­ra à ele­va­da pro­cu­ra exis­ten­te no seg­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal”. No concelho de Gondomar, por exem­plo, “exis­te uma enor­me ca­rên­cia de ca­sas no­vas, quer mo­ra­di­as quer apar­ta­men­tos, e tu­do o que apa­re­ce é ven­di­do num ápi­ce”, no­ta Car­la Cor­reia, di­re­to­ra co­mer­ci­al da ERA Rio Tin­to. Por is­so, “os pro­mo­to­res in­ves­ti­do­res es­tão ca­da vez mais a acre­di­tar no mer­ca­do e a ter co­ra­gem pa­ra in­ves­tir”, re­al­ça.

De acor­do com o inqué­ri­to de con­fi­an­ça Por­tu­gue­se Hou­sing Mar­ket Sur­vey, o mer­ca­do re­si­den­ci­al por­tu­guês con­ti­nua a ser afe­ta­do pe­lo de­se­qui­lí­brio en­tre a ofer­ta (que se man­tém bas­tan­te li­mi­ta­da) e a pro­cu­ra (que con­ti­nua a cres­cer), pres­si­o­nan­do os pre­ços em al­ta. E no con­tex­to das três re­giões ana­li­sa­das, o Por­to é mes­mo aque­le on­de os in­qui­ri­dos se mos­tram mais oti­mis­tas em re­la­ção à su­bi­da de pre­ços quer no cur­to-pra­zo, quer a 12 me­ses. O Ín­di­ce de Pre­ços Re­si­den­ci­ais da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio mos­tra que o Por­to foi um dos con­ce­lhos on­de a su­bi­da do pre­ço das ca­sas mais ace­le­rou no ar­ran­que do ano, es­tan­do ago­ra na ter­cei­ra po­si­ção (no to­tal do país) em ter­mos de va­lo­ri­za­ção re­si­den­ci­al (com uma ta­xa de va­ri­a­ção ho­mó­lo­ga de 19,4%, ape­nas su­pe­ra­da por Lis­boa e Cas­cais). Os res­tan­tes con­ce­lhos da Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to (AM Por­to) tam­bém ace­le­ra- ram fa­ce ao tri­mes­tre an­te­ri­or, ain­da que com va­ri­a­ções ho­mó­lo­gas in­fe­ri­o­res às ve­ri­fi­ca­das na mai­o­ria dos con­ce­lhos na­ci­o­nais (a mai­or par­te dos mer­ca­dos da AM Por­to re­gis­tou su­bi­das de en­tre 6% e 10%, quan­do no con­tex­to na­ci­o­nal mais de 80% dos con­ce­lhos su­biu em tor­no dos 10%). As ven­das tam­bém ani­mam os pro­mo­to­res. De acor­do com o INE, no 1º tri­mes­tre de 2018 fo­ram ven­di­das per­to de 12.000 ca­sas na re­gião Nor­te (das quais 7.000 na AM Por­to), num cres­ci­men­to de 16% fa­ce ao 1º tri­mes­tre de 2017. As ven­das atin­gi­ram €1,28 mil mi­lhões (€854 mi­lhões na AM Por­to), cres­cen­do 30%.

Mo­ra­di­as com pro­cu­ra

A pro­cu­ra de ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção tam­bém es­tá a no­tar-se no seg­men­to das mo­ra­di­as, um pro­du­to com cres­cen­te atra­ti­vi­da­de jun­to do pú­bli­co fi­nal. “As me­lho­res con­di­ções de cré­di­to e o au­men­to dos va­lo­res de mer­ca­do da ha­bi­ta­ção tam­bém têm con­tri­buí­do pa­ra que os cli­en­tes pen­sem na tro­ca de apar­ta­men­to por mo­ra­dia”, diz Ema­nu­el Po­ças, di­re­tor da agên­cia de St. Ma­ria da Fei­ra da me­di­a­do­ra Ar­ca­da Imo­bi­liá­ria. “Os par­ti­cu­la­res tam­bém re­sol­ve­ram apos­tar na au- to­cons­tru­ção” ates­ta Car­la Cor­reia, di­zen­do que “co­me­çam por pro­cu­rar ca­sas no­vas já pron­tas a ha­bi­tar, mas co­mo não exis­tem, re­sol­vem cons­truir”. Cruz Lan­ça, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Re­ta­lho Nor­te da DNI do Mil­len­nium bcp, con­fir­ma que “es­te ano te­mos ven­di­do uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da car­tei­ra de ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de mo­ra­di­as”. A di­nâ­mi­ca é es­pe­ci­al­men­te for­te “em con­ce­lhos mais li­to­rais e com mai­or den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal, on­de a pres­são da pro­cu­ra tem cri­a­do al­gum des­fa­sa­men­to fa­ce à ofer­ta exis­ten­te”, re­al­ça.

In­ves­ti­men­tos de mai­or di­men­são

A mai­or con­fi­an­ça dos pro­mo­to­res tam­bém se de­no­ta na di­men­são dos in­ves­ti­men­tos. “Da pro­cu­ra tra­di­ci­o­nal de ter­re­nos ou lo­tes de pe­que­na di­men­são, em que o in­ves­ti­men­to na aqui­si­ção e cons­tru­ção é me­nor, tem-se pas­sa­do a ve­ri­fi­car uma pro­cu­ra de ter­re­nos de mai­or va­lor, com pos­si­bi­li­da­de de cons­tru­ção de mai­or di­men­são”, diz Nu­no Mar­çal. A pers­pe­ti­va é “cons­truir uma mai­or man­cha ha­bi­ta­ci­o­nal”, se­ja atra­vés de um lote mai­or ou de vá­ri­os lo­tes. Ema­nu­el Po­ças con­fir­ma que “já te­mos ven­di­do vá­ri­os lo­tes ao mes­mo in­ves­ti­dor”, o que acon­te­ce “por­que o va­lor do in­ves­ti­men­to, fa­ce ao po­ten­ci­al de fra­ções é mui­to in­te­res­san­te e se­gu­ro em ter­mos de ren­ta­bi­li­da­de fu­tu­ra”.

A car­tei­ra de ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção do Mil­len­nium bcp “tem ca­ra­te­rís­ti­cas mui­to in­te­res­san­tes pa­ra dar res­pos­ta a es­te mo­men­to do mer­ca­do”, diz Nu­no Mar­çal. Em Gaia, o ban­co tem em ven­da um con­jun­to de 13 lo­tes in­te­gra­dos no lo­te­a­men­to Jar­dins d’Ar­rá­bi­da, que no to­tal pre­ve­em mais de 51.200 m2. Já em Ma­to­si­nhos, o lo­te­a­men­to No­va Fa­car (pro­pri­e­da­de do Fun­do de In­ves­ti­men­to Imo­bi­liá­rio Fe­cha­do Imo­sot­to Acu­mu­la­ção, de­ti­do pe­lo ban­co e sob ges­tão da In­ter­fun­dos - Ges­tão de Fun­dos de In­ves­ti­men­to Imo­bi­liá­rio, SA.),, com uma lo­ca­li­za­ção pri­vi­le­gi­a­da em Le­ça da Pal­mei­ra, in­clui 12 lo­tes de ter­re­no pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção, ho­tel, es­cri­tó­ri­os e co­mér­cio. Na Maia, além de um lote de ter­re­no pa­ra cons­tru­ção de um edi­fí­cio pa­ra 25 fo­gos in­te­gra­do nu­ma vas­ta área de mo­ra­di­as e edi­fí­ci­os re­si­den­ci­ais, es­tá tam­bém em ven­da um con­jun­to de 4 lo­tes pa­ra cons­tru­ção de edi­fí­ci­os mul­ti- fa­mi­li­a­res nu­ma zo­na re­si­den­ci­al em de­sen­vol­vi­men­to. Em Gondomar, des­ta­cam-se 3 lo­tes pa­ra cons­tru­ção de edi­fí­ci­os mul­ti­fa­mi­li­a­res nu­ma zo­na re­si­den­ci­al ”mui­to in­te­res­san­te” de Rio Tin­to, per­to de es­co­las, shop­pings e trans­por­tes. Em St. Ma­ria da Fei­ra, no lo­te­a­men­to Suil Park em São João de Ver, com uma lo­ca­li­za­ção pri­vi­le­gi­a­da jun­to ao IC 2, tem 6 lo­tes des­ti­na­dos à cons­tru­ção em al­tu­ra, com áre­as bru­tas de cons­tru­ção a par­tir de 1.500 m2. O ban­co des­ta­ca ain­da um ter­re­no nu­ma zo­na pri­me de San­to Tir­so (igual­men­te pro­pri­e­da­de do Fun­do Imo­sot­to Acu­mu­la­ção), com uma ca­pa­ci­da­de cons­tru­ti­va de mais de 65.000 m2 e per­mi­tin­do a cons­tru­ção de vá­ri­as ha­bi­ta­ções mul­ti­fa­mi­li­a­res.

Na área in­dus­tri­al tam­bém “te­mos ter­re­nos mui­to in­te­res­san­tes”, diz Nu­no Mar­çal. É o ca­so de um ter­re­no rús­ti­co (com clas­si­fi­ca­ção ur­ba­nís­ti­ca de Áre­as In­dus­tri­ais Pre­vis­tas) em Gaia, nu­ma zo­na on­de se pre­ten­de a ins­ta­la­ção de em­pre­sas das mais di­ver­sas áre­as; ou de um lote no Par­que Tec­no­ló­gi­co da Zo­na In­dus­tri­al da Maia des­ti­na­do à cons­tru­ção de um edi­fí­cio pa­ra in­dús­tria e ser­vi­ços, que ad­mi­te uma área bru­ta de cons­tru­ção de 27.433 m2.

MIL­LEN­NIUM BCP

No lo­te­a­men­to Jar­dins D’Ár­ra­bi­da, em Vi­la No­va de Gaia, o Mil­len­nium bcp es­tá a ven­der um con­jun­to de 13 lo­tes que pre­ve­em 51.220 m² de ha­bi­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.