Mer­ca­do imo­bi­liá­rio do Por­to es­tá com um di­na­mis­mo nun­ca an­tes vis­to

Em en­tre­vis­ta, he­ad of Por­to da Cush­man & Wa­ke­fi­eld, ga­ran­te que es­ta ci­da­de nor­te­nha vi­ve uma fa­se úni­ca e se en­con­tra no ra­dar dos in­ves­ti­do­res. “O Por­to es­tá em re­cri­a­ção e vai al­can­çar o di­na­mis­mo de ou­tras se­gun­das ci­da­des eu­ro­pei­as que se equi­pa­ram

Publico - Imobiliario - - Investir No Porto -

Ho­je, co­mo clas­si­fi­cam o mer­ca­do do Por­to?

O Por­to, à se­me­lhan­ça do mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês em ge­ral, vi­ve uma fa­se úni­ca, há pe­los in­ves­ti­do­res um enor­me oti­mis­mo nos fun­da­men­tais que sus­ten­tam os in­ves­ti­men­tos imo­bi­liá­ri­os. O mer­ca­do es­tá com um di­na­mis­mo nun­ca an­tes vis­to ge­ran­do ex­ce­len­tes opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to com re­tor­nos ex­ce­len­tes. A me­lho­ria dos nos­sos in­di­ca­do­res eco­nó­mi­cos mais im­por­tan­tes te­ve con­sequên­cia di­re­ta no mer­ca­do imo­bi­liá­rio, que ali­a­do a um ex­ce­len­te pe­río­do de gran­de no­to­ri­e­da­de e re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal faz do Por­to um des­ti­no de gran­des in­ves­ti­do­res.

Quais as gran­des al­te­ra­ções que se ve­ri­fi­cam nos úl­ti­mos anos?

Du­ran­te mui­to tem­po o Por­to as­sis­tiu a um aban­do­no do cen­tro his­tó­ri­co - as se­des de gran­des em­pre­sas cu­jos cen­tros de de­ci­são eram no Por­to fo­ram gra­du­al­men­te dan­do me­nos re­le­vân­cia aos es­cri­tó­ri­os no cen­tro, e tam­bém as­sis­ti­mos à no­va cons­tru­ção na pe­ri­fe­ria da ci­da­de, o que le­vou ao êxo­do do cen­tro em ter­mos de ser­vi­ços e de ha­bi­ta­ção. O Por­to foi du­ran­te mui­to tem­po in­ca­paz de cap­tar a vi­da da ci­da­de pa­ra o cen­tro, e nes­te mo­men­to as­sis­ti­mos ao res­sur­gi­men­to do cen­tro co­mo po­lo aglu­ti­na­dor, pri­mei­ro po­ten­ci­a­do pe­lo tu­ris­mo, ago­ra de for­ma abran­gen­te com a ins­ta­la­ção de ser­vi­ços e pro­je­tos re­si­den­ci­ais de al­to pa­drão. O pro­ces­so es­tá em cur­so e a ser o prin­ci­pal des­ti­no pa­ra vi­ver, com­prar e tra­ba­lhar.

No ra­dar dos in­ves­ti­ga­do­res Que im­por­tân­cia tem es­te mer­ca­do pa­ra a vos­sa em­pre­sa?

O mer­ca­do do Por­to é um mer­ca­do que es­tá no ra­dar dos in­ves­ti­do­res. Pa­ra a Cush­man & Wa­ke­fi­eld o Por­to não é uma mo­da, é uma con­sequên­cia na­tu­ral do nos­so ne­gó­cio. Ao lon­go dos úl­ti­mos 27 anos de ati­vi­da­de em Por­tu­gal es­ti­ve­mos en­vol­vi­dos nos pro­je­tos mais em­ble­má­ti­cos da re­gião. Te­mos de­mons­tra­do que a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia e co­nhe­ci­men­to glo­bais e lo­cais con­se­guem me­lho­res pro­je­tos, me­lho­res lo­ca­li­za­ções pa­ra os ne­gó­ci­os dos nos­sos cli­en­tes e es­pa­ços ade­qua­dos pa­ra tra­ba­lha­rem, com so­lu­ções efi­ci­en­tes e, so­bre­tu­do, mais ren­tá­veis a lon­go pra­zo. Sen­do um mer­ca­do que es­tá no es­tá­gio ini­ci­al de in­ves­ti­men­to, é nes­te mo­men­to que te­mos que es­tar mais aten­tos pa­ra a cri­a­ção de pro­du­to es­tru­tu­ra­do e ade­qua­do às exi­gên­ci­as atu­ais. É nes­ta atu­ra que se cria o imo­bi­liá­rio pa­ra ser sus­ten­tá­vel por mui­tos anos ou se fa­zem er­ros que tor­nam es­ses in­ves­ti­men­tos es­pe­cu­la­ti­vos e com ga­nhos ape­nas de cur­to pra­zo. A C&W apos­tou for­te cri­an­do uma equi­pa de pro­fis­si­o­nais, que mui­to nos or­gu­lha, com ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da em to­das as áre­as em que atu­a­mos que per­mi­tem pre­pa­rar os pro­je­tos pa­ra o mer­ca­do atu­al.

O que mais vos tem sur­pre­en­di­do no mer­ca­do por­tu­en­se?

Te­mos, ao lon­go des­tes úl­ti­mos anos, vi­vi­do uma fa­se mui­to boa pa­ra o in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio no ge­ral e o nor­te do país tem sa­bi­do apro­vei­tar es­tas opor­tu­ni­da­des, re­con­ver­ten­do o nos­so pa­tri­mó­nio em ati­vos de ren­di­men­to de lon­ga du­ra­ção. A veia em­pre­en­de­do­ra das fa­mí­li­as do Nor­te faz com que a pri­mei­ra va­ga de in­ves­ti­men­to se­ja fei­ta por lo­cais, os prin­ci­pais edi­fí­ci­os da ci­da­de fo­ram com­pra­dos pe­las fa­mí­li­as tra­di­ci­o­nais do Por­to que es­tão a cri­ar gran­des pro­je­tos imo­bi­liá­ri­os. Cu­ri­o­so as­si­na­lar que con­se­guem ser mais agres­si­vos em ter­mos de pre­ço que os gran­des in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais, ape­sar do seu gran­de ape­ti­te, con­ti­nu­am a ser os “fa­mily of­fi­ces” que es­tão mais ati­vos. En­quan­to as ta­xas de ju­ros con­ti­nu­a­rem nos ní­veis atu­ais va­mos con­ti­nu­ar a as­sis­tir a es­te tipo de in­ves­ti­men­to.

In­ves­ti­do­res ra­ci­o­nais Quais as gran­des di­fe­ren­ças en­tre o mer­ca­do de Por­to e Lis­boa?

O mer­ca­do do Por­to pro­por­ci­o­na ex­ce­len­tes opor­tu­ni­da­des que Lis­boa já tem di­fi­cul­da­de em ofe­re­cer, os in­ves­ti­do­res ava­li­am o ris­co de ca­da ci­da­de. O Por­to sem­pre apre­sen­tou me­nor li­qui­dez fa­ce a Lis­boa. Os in­ves­ti­do­res são ra­ci­o­nais e ava­li­am ris­cos e o Por­to tor­nou-se uma al­ter­na­ti­va a Lis­boa por­que o mer­ca­do ocu­pa­ci­o­nal tor­nou-se mais lí­qui­do, com mais em­pre­sas a que­rer abrir es­cri­tó­rio na ci­da­de, mais pes­so­as com von­ta­de de mo­rar e ini­ci­ar ne­gó­ci­os. E is­so dá uma enor­me con- fi­an­ça aos in­ves­ti­do­res que an­tes, em Por­tu­gal, só vi­am es­se mer­ca­do di­nâ­mi­co em Lis­boa. Ou­tro pon­to fun­da­men­tal pa­ra mu­dar o per­fil dos in­ves­ti­do­res é a ca­pa­ci­da­de de di­men­são de pro­du­tos pre­pa­ra­dos pa­ra se­rem co­lo­ca­dos no mer­ca­do de in­ves­ti­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal nes­ta va­ga de in­ves­ti­men­to, so­bre­tu­do di­na­mi­za­da por “fa­mily of­fi­ces”. Es­tão a ser cri­a­dos mais ati­vos imo­bi­liá­ri­os que vão, em bre­ve, en­trar no mer­ca­do de in­ves­ti­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal que di­na­mi­za­rá o nú­me­ro de tran­sa­ções. O Por­to es­tá em re­cri­a­ção, e vai al­can­çar o di­na­mis­mo de ou­tras se­gun­das ci­da­des eu­ro­pei­as que se equi­pa­ram à pri­mei­ra ci­da­de do país.

Quais os gran­des de­sa­fi­os, no mer­ca­do do Por­to, que atu­al­men­te a Cush­man & Wa­ke­fi­eld en­fren­ta?

O imo­bi­liá­rio no Por­to es­tá em trans­for­ma­ção, te­mos um cen­tro de ci­da­de a so­frer uma res­tru­tu­ra­ção pro­fun­da, re­or­ga­ni­za­ção de usos, no­vas zo­nas pa­ra fins com­ple­ta­men­te dis­tin­tos. En­fren­ta­mos um es­ta­do de efer­ves­cên­cia que per­mi­te que “os não pro­fis­si­o­nais” con­si­gam con­cre­ti­zar mais va­li­as de cur­to pra­zo no mer­ca­do, mas o nos­so fo­co nes­ta fa­se, é cri­ar opor­tu­ni­da­des e es­tru­tu­rá-las pa­ra ser sus­ten­tá­veis a lon­go pra­zo. O nos­so ob­je­ti­vo pas­sa por dar aos nos­sos cli­en­tes o apoio pa­ra to­ma­rem as me­lho­res de­ci­sões de in­ves­ti­men­to ou de­sin­ves­ti­men­tos imo­bi­liá­ri­os. Is­to pa­ra que pos­sam es­tru­tu­rar ope­ra­ções pa­ra se­rem sus­ten­tá­veis, acres­cen­tar va­lor nas co­mer­ci­a­li­za­ções com no­vos ope­ra­do­res. No fun­do, que­re­mos aju­dar os nos­sos cli­en­tes a in­flu­en­ci­ar po­si­ti­va­men­te as pes­so­as no mo­do co­mo tra­ba­lham, vi­vem e com­pram.

Co­mo acre­di­tam que es­te mer­ca­do ve­nha a evo­luir nos pró­xi­mos anos?

O mer­ca­do imo­bi­liá­rio já es­tá num pro­ces­so evo­lu­ti­vo, de­vi­do ao ex­ce­len­te tra­ba­lho fei­to. As pes­so­as que­rem vi­si­tar Por­tu­gal e gos­tam de vi­ver em Por­tu­gal, e es­te sen­ti­men­to foi o mais di­fí­cil de cri­ar. O Por­to é ago­ra um des­ti­no ali­ci­an­te, o de­sa­fio é agar­rar­mos as opor­tu­ni­da­des e dar con­di­ções pa­ra su­prir es­sa pro­cu­ra.

O cha­ma­do cír­cu­lo vir­tu­o­so já es­tá em cur­so, co­me­çá­mos com o tu­ris­mo a po­ten­ci­ar o re­ta­lho, o re­ta­lho po­ten­ci­ou a in­dús­tria, a in­dús­tria po­ten­ci­ou a lo­gís­ti­ca, e to­dos po­ten­ci­am os ser­vi­ços. Es­ta di­nâ­mi­ca ex­po­nen­cia o mer­ca­do pa­ra os pró­xi­mos anos, não po­de­mos des­cu­rar os fun­da­men­tais que nos fi­ze­ram che­gar aqui, ter le­gis­la­ção ade­qua­da, po­de­res po­lí­ti­cos in­te­res­sa­dos em po­ten­ci­ar es­ta di­nâ­mi­ca, mas so­bre­tu­do fa­zer de for­ma es­tru­tu­ra­da e pro­fis­si­o­nal. O de­sa­fio é pro­fis­si­o­na­li­zar e exi­gir ca­da vez mais dos players do mer­ca­do imo­bi­liá­rio, pois te­mos uma opor­tu­ni­da­de ím­par de co­lo­car o Por­to nos ro­tei­ros das gran­des em­pre­sas.

O Por­to co­me­çou com tu­ris­mo ‘low cost’, de­pois vi­e­ram os ho­téis de lu­xo que nos trou­xe­ram ou­tro per­fil de vi­si­tan­te; nos ser­vi­ços as em­pre­sas co­me­ça­ram por ins­ta­lar os ser­vi­ços de me­nor va­lor acres­cen­ta­do, nes­te mo­men­to já so­mos pro­cu­ra­dos pa­ra ins­ta­lar ser­vi­ços de va­lor acres­cen­ta­do; no re­ta­lho so­mos pro­cu­ra­dos pe­la mai­or par­te das mar­cas in­ter­na­ci­o­nais; a in­dús­tria vi­ve uma no­va fa­se de cres­ci­men­to em Por­tu­gal. O fu­tu­ro pas­sa por atrair os gran­des in­ves­ti­do­res ins­ti­tu­ci­o­nais que in­ves­tem de for­ma sus­ten­ta­da e com vi­sões de lon­go pra­zo, pois es­ses da­rão o con­for­to ne­ces­sá­rio aos usuá­ri­os de imo­bi­liá­rio, se­ja co­mer­ci­al ou re­si­den­ci­al, que es­tes in­ves­ti­men­tos não são es­pe­cu­la­ti­vos, mas vi­sam ob­ter re­tor­nos de for­ma sus­ten­ta­da com a va­lo­ri­za­ção es­tru­tu­ral do nor­te do país.

DR

Fi­li­pe Lo­pes, He­ad of Por­to da Cush­man & Wa­ke­fi­eld

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.